Pular para o conteúdo principal

NO BAR DA RUA DO PORTO >> Sergio Geia

A Mantiqueira acordou de ressaca, amigo, abraçada por uma cortina cinza. Juro que ela revela um quê de arrebentação, como se eu visse o próprio mar; sim, um mar brabo que cobre montanhas em desconstrução, avançando sobre um playmobil de pedra desse Vale, até chegar aqui, pertinho de mim, aos pés do Santorini.

Que imagem tosca! — cê tá pensando aí, né, não? Mas releve. Digo isso porque eu, assim como a Mantiqueira nessa manhã escura, também dei por mim com uma cortina cinza a me abraçar depois de uma noite trash, além de acordar com dor nas pernas. Logo eu, que caminho regularmente, que faço musculação. Mas muito mais pelo desajeito na forma de me sentar lá no bar da rua do Porto, que é bão, bicho, onde cachaças e brejas me botaram de venda e me fizeram acordar como um pobre Chaplin manco.

Mas ressaca é assim mesmo, uma azeitona de empada. Se não a quer, que dispense a empada e faça como meu amigo Gomes, que prefere uma coca gelada. Ultimamente ando mais pra Ricardo (meu camarada chegado num uisquinho) que pra Gomes. Não sem razão.

É que outro dia me deparei com uma notícia curiosa nos jornais. Ela dizia que quem tem o costume de beber, principalmente com os amigos, é menos estressado, e tem mais chance de alcançar êxito profissional, em comparação com aqueles que não bebem. No âmbito profissional, o cara que não bebe é visto com desconfiança, parece que sua caretice num momento de descontração pode atrapalhar futuros negócios.

Só uma pausa: estou escrevendo esta crônica e fui interrompido por um insuportável de um alarme. Há uma casa aqui na esquina, um ponto de comércio. Todos os dias, na mesma hora. Se tem ladrão, como ninguém aparece, eu pergunto: de que adianta o alarme a não ser atrapalhar o sono dos justos, o sexo dos amores e a inspiração dos cronistas?

Mas voltando, só sei que não sei se faz bem ou não. A ciência diz que se for com moderação, bem faz. Quem nunca ouviu a máxima que um cálice de vinho todos os dias é um santo remédio pro coração? Meu saudoso vô Assumpção é prova viva dos benefícios. Quer dizer, ele já morreu. Mas morreu bem, tomando sua cachaça todos os dias. É que ele viveu muito e com uma lucidez impressionante. Quando a morte bateu na sua porta na rua Barão, ele a aceitou de bom grado. Nada de enrolação. Acho que tomaram uma cachaça juntos e foram embora sem mais delongas.

A vida de solteiro anda me permitindo certos derivativos, e um deles é o contato mais íntimo com o álcool. Um uisquinho no final do dia, a boazinha... Outro dia um colega me disse que fez serão. Que chegou ao escritório e ficou lá, até de madrugada, trabalhando. “Só com um uisquinho, é claro; senão ninguém aguenta”. Pois eu o invejo. Sinceramente? Gostaria muito de ficar até tarde da noite escrevendo crônicas, mesmo que à base de uísque. Já ouvi relatos de artistas que usam desses expedientes como despertador de enlevadas inspirações. Comigo não funciona, amigo. Infelizmente. No máximo, a inspiração para um belo de um mergulho no inconsciente. De preferência, na cama.

 

Comentários

Brasilino Neteo disse…
Sérgio, nota 10. Legal.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …