Pular para o conteúdo principal

QUEM APRENDEU DIZER ADEUS? >> Fernanda Pinho



Eu tinha 26 anos e minha vida era completamente diferente do que é hoje, aos 31. Revendo nossas primeiras conversas, percebo que cheguei meio tímida. Preferia flutuar em temas leves, como lembranças da minha infância num jardim chamado João Bolinha, a arriscar mergulhos mais profundos.  Mas você me deu corda e eu sou dessas que não precisa de muito para já me achar amiga.

Naturalmente, me senti à vontade para partilhar sentimentos intensos, meus relacionamentos frustrados, minhas dúvidas existenciais. Falei da minha mãe, do meu pai e da minha irmã. Falei das minhas crianças. Algumas, já nem são mais crianças. Outras, já nem são mais minhas. Falei de gente que me amava sem que eu soubesse. Falei de gente que eu achava que me amava (e que eu achava que eu amava) e hoje sei que não. Falei dos que ainda me amam e de quem nem merece dividir uma frase com o verbo “amar”.  Chorei a morte da minha avó, de uma amiga e de alguns relacionamentos.  Mas celebrei as superações, as amizades, as viagens, os bons livros e as festas.

Você viu, e registrou, quando tudo mudou completamente.  Quando conheci meu marido, me casei, mudei de país, voltei para o Brasil, montei duas casas, aprendi a cozinhar e me tornei do tipo de pessoa que acredita no amor e tem uma marca de alvejante preferida.

Você aproximou algumas pessoas de mim, permitindo que elas me conhecessem melhor. Você me aproximou de mim. Melhor que qualquer terapia que eu já tenha feito. Me deu a chance de registrar o período mais construtivo da minha vida. Através de você, palavras carinhosas, de apoio e de felicitações chegaram até a mim nos momentos em que eu realmente precisava. Palavras negativas, por incrível que pareça, não constam.

Por tudo isso, não tenho a menor condição de fechar as portas. Estou saindo por minha própria vontade, é verdade. Mas deixo a porta escancarada (e ainda levo uma chave de garantia) para a ter a certeza de que posso voltar.


Depois de 5 anos  transformadores, 152 textos de quinta, um livro delicioso, encontros memoráveis e amigos especialíssimos, eu, que passava tempos trabalhando numa frase para não ter que recorrer a clichês, terei de sucumbir a eles justo na derradeira: gratidão e até breve, Crônica do Dia.  

Comentários

Zoraya disse…
Fernanda, cheguei bem depois de você e lembro de como fui acolhida. Da minha parte, agradeço por todos os textos maravilhosos que li, por ter compartilhado coisas tão íntimas e legais e por ter me adicionado no seu FB! Por favor, volte em breve (e estou aguardando o guia de viagem, hein?) Beijos de boa sorte na sua nova etapa e parabéns pela coragem, pq deve ter sido duro tomar uma decisão dessas.
Fernanda Pinho disse…
Paula, Zoraya, pessoas lindas que conheci pela crônica e aprendi admirar. Continuarei por aí, pra gente sempre se acompanhar. Obrigada pelo carinho. E aproveito para agradecer também ao Eduardo, que me permitiu fazer parte dessa delícia.

Um beijo!
Fernanda querida,
Eu já deveria estar acostumado a tantas despedidas no Crônica do Dia, mas não estou. :(
Só tenho a agradecer pela beleza e graciosidade de suas tantas palavras durante tanto tempo. As portas estarão sempre abertas. :)
Kika Coutinho disse…
ah não! :(
E agora José? E agora Eduardo?? O que vai ser de nós sem ela!!??

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …