Pular para o conteúdo principal

ESTAMOS TODOS BEM >> Whisner Fraga

Aproveitamos os feriados prolongados de fim de ano para visitar nossas famílias, espalhadas por dois estados brasileiros. Entupimos o carro com malas e brinquedos, com patinetes, bolas e outros adereços, que prefiro nem mencionar para não encompridar a conversa, e vamos para a rodovia. Com medo, é verdade, sempre com um pouco de medo, pois nossas estradas são muito violentas, quase terras-de-ninguém. Basta qualquer um conectar nos noticiários para encontrar a prova do que estou falando.

Há muita imprudência, é evidente. Tentamos respeitar todos os limites de velocidade impostos pelas autoridades e divulgados em centenas de placas ao longo do caminho e, por pensar que todos agem como nós, às vezes nos assustamos com a quantidade de corredores que povoam nossas pistas. Não raro passam carros por nós a 160 km/h ou mais. Aí, podem ter certeza: não serão air bags, freios ABS ou outros equipamentos de segurança que salvarão as vidas que estão lá dentro: será a sorte. Até aí tudo bem: não vou me meter na vida de ninguém. O suicida deseja qualquer coisa, mas raramente ser salvo. O problema acontece quando, com essa atitude estúpida, ele acaba provocando um acidente que machuque outras pessoas.

Outro dia saí de São Paulo um tanto tarde para uma sexta-feira e, depois de enfrentar um pouco de congestionamento, consigo chegar à rodovia Bandeirantes e, logo de cara, outro engarrafamento. O motivo: um acidente. Olho para um lado e vejo um motor de carro no canteiro. Olho para o outro e dois corpos já cobertos por um plástico preto. Aí me pergunto: como alguém consegue bater numa estrada dessas? São cinco faixas de cada lado da pista e um canteiro separando-as, para maior segurança do usuário. Ora, a resposta é simples: imprudência.

E não é só isso. Há também a idiotice. Ora, um indivíduo que enche a cara e depois vai dirigir só pode mesmo ser um idiota. Aí não bastam campanhas de conscientização, multas elevadas e apreensão de carteiras de motorista, infelizmente. Seria preciso, num primeiro momento, intensificar a fiscalização, arrochar as leis e oferecer cursos de socialização, cultura de paz e convivência em grupo o ano inteiro, para aqueles que forem pegos dirigindo bêbados.

Mas mesmo pessoas como nós, que saem para a rodovia sóbrios, obedecendo as regras do jogo, correm riscos. Temos de ser gentis no trânsito. Sair calmamente para o lado quando aquele sujeito que vem a 180 km/h começar a dar sinais de luz, a ligar a seta como se gritasse “saia da frente”. Ser educado, abaixar a cabeça, respirar fundo, fazer uma brincadeira interna quando uma SUV dessas caríssimas sair cruzando as faixas, daqui prali, como se quisesse fazer em meia hora um percurso que normalmente é vencido em hora e meia.

E a gentileza vale também para a cidade. É mais do que direção defensiva. Hoje, prever a ação do outro é condição sine qua non para quem não quer chegar em casa com o carro amassado sempre que sair para encarar o tráfego de qualquer cidade. Peça desculpas, mesmo que estiver certo. Dê um sorriso, levante a palma da mão e grite, delicadamente: sinto muito. Desmonta qualquer um. Como tanta gente andando armada, é fácil levar um tiro em uma discussão de trânsito. Antes de mais nada, o importante é chegar vivo em casa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …