Pular para o conteúdo principal

ESPELHO, ESPELHO MEU >> Mariana Scherma

Era um vilarejo muito peculiar. As paredes das casas feitas de espelho, dentro e fora porque a vaidade era tanta que não se pode perder nenhum detalhe. Já pensou ser visto com o cabelo desarrumado? Já pensou passar quase uma hora inteira sem ver seu próprio reflexo. Aliás, qual a necessidade de pinturas, flores e esculturas para enfeitar os ambientes internos quando a gente só quer mesmo se deliciar com a própria imagem?

As pessoas do vilarejo tinham um dialeto bem peculiar. O bom dia ou o oi-tudo-bem fora extinto há tempos e trocado pelo uhuuu. Uhuuu aliás, segundo o dicionário deste povo, possui múltiplos significados: exprimir felicidade, quebrar o silêncio (porque, às vezes, o silêncio faz a gente pensar), celebrar um prêmio, celebrar um novo amor surgindo... Se a vida é feita de momentos, a melhor opção para a trilha sonora são uhus.

Este vilarejo era também povoado pelo amor livre. João beijou Márcia, que pegou o Marcelo, que também queria pegar a Flavia, que teve um lance com o Caio. Aliás, amor era uma palavra em desuso por lá. Pegar, ficar, só um lance e curtir eram os verbos que mais faziam referência aos romances. E estava liberado, todo mundo poderia enfiar a colher no “amor” alheio, que às vezes duravam uma ou duas noites.

As conversas tinham uma profundidade rasa nesse vilarejo. Falava-se muita da vida do outro - tal qual toda vizinhança que se preze, do tipo que, como dizia sua avó, se senta no próprio rabo pra comentar dos outros. Não era raro existir pessoas da comum espécie leva-e-traz, aí sabe o que acontecia? Barracos. Igual a toda família que passa tempo demais junto e tem liberdade excessiva entre si pra falar. Aliás, perdia-se, nesse vilarejo, grandes oportunidades de se calar. A arte de guardar suas palavras estava em extinção.

Em extinção também estavam livros e músicas que faziam pensar. Os hits musicais estavam mais para o tuts-tuts-pa-pum, sem letra, só com uma batida pesada que convidavam cada morador a dançar na frente do espelho até o chão. Sempre gritando uhu, o hino nacional do vilarejo. O lugar também tinha seu chefe-máximo, que aparecia via televisão aos moradores, às vezes, incitando brigas, dúvidas ou deixando os moradores sem graça. O chefe-máximo era metido a poeta e discursava bastante, o que deixava os moradores com cara de ponto de interrogação ou com aquele sorriso falso de o-que-ele-quis-dizer?

Um dia, foi preciso um pedreiro para um conserto e pasmem: não havia pedreiros. O lugar era superlotado por modelos e candidatos a cantor e ator. Às vezes, tinha um jornalista. Em raras ocasiões, um médico e um administrador. Não se sabia como prosperar nesse tipo de lugar. Poucos conquistavam seu lugar ao sol, no sentido figurado mesmo. Porque, literalmente, estavam sempre tomando sol à beira da piscina. A vida do pessoal deste vilarejo era transmitida em televisão aberta. Nunca conheci ninguém dizendo que se tornou alguém melhor por assisti-lo.


Essas semana começou o tal Big Brother Brasil. A Globo insiste em não pôr fim ao programa. São tantas pessoas que passaram por lá que poderiam formar uma pequena cidade, um vilarejo bem peculiar mesmo. E aí, você vai dar uma espiadinha? Ou vai fazer bom uso do controle remoto? Ou vai deixar a tevê descansar um pouco?

Comentários

Anônimo disse…
Cronica Excelsa,,, Individuos com MMAssa cefálica embaixo do cabelo são inolvidáveis as tuas presenças,, tua redação é Aprazível de se ler e reler,, Flw.... Kanokosou
Esta crônica é de comédia?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …