Pular para o conteúdo principal

IGNORÂNCIA É FELICIDADE >> Albir José Inácio da Silva

- Quem escreveu isto? - perguntou a diretora, mais séria que de costume, olhando para os quatro suspeitos.

Os quatro eram os alunos de melhores notas, que tinham direito a sentar nas carteiras duplas em frente à professora. Naquele mês, Silvinha, primeira colocada, sentava-se à esquerda. Celinha, segunda melhor nota, ao seu lado. Na carteira de trás estávamos eu e Hilda, como terceiro e quarto lugares respectivamente.

Eu estava entre os quatro por razões político-econômico-administrativo-pedagógico-aleatórias. E era, por isso, um garoto de muita sorte. Cheguei mesmo a ouvir de Dona Creusa - um misto de servente, inspetora e fofoqueira:

- Esse menino dá muita sorte nas provas. Está sempre nas primeiras carteiras!

É que as escolas públicas não comportavam todos os alunos e o governo dava bolsas de estudo em escolas particulares. Eram os bolsistas. E foi assim que eu fui parar numa escola, não digo de classe média, era um bairro pobre, mas que tinha alunos de classe média. Isso para desconforto de alguns pais incomodados com aquela mistura que podia ser democrática, mas era pouco eugênica.

Mas voltemos à crise que naquele dia impedia o início da aula. Os zelosos pais de Hilda, verificando as tarefas do caderno da filha no dia anterior, encontraram o seguinte enigma:

         "Brin + (desenho rústico de uma cadeira que mais parecia um quatro de cabeça pra baixo) + com + (desenho rústico de uma mulher só identificável pelos cabelos compridos) + só na + (desenho rústico de uma cama que mais parecia uma mesa)”.

A mãe mostrou pro pai e, na manhã seguinte, foram cobrar explicações da escola.

E é por isso que a aula não começava. Confesso que não consegui decifrar a frase na hora, talvez assustado com a grande unha da diretora, apontando o caderno de Hilda. Ela também não esperou resposta, parecia cumprir um ritual de investigação. Recolheu nossos cadernos, mas não voltou para sua sala, onde estavam os pais de Hilda. Entrou com a professora na biblioteca provavelmente pra fazer a perícia.

Nenhum de nós tinha dúvidas sobre a autoria do crime. Éramos capazes de reconhecer a letra uns dos outros até no escuro. E duvido que a professora também tivesse qualquer dificuldade em identificar. Era uma letrinha cuidadinha, redondinha, caprichosinha. Como a dona.

Mas Silvinha era branquinha demais, lisinha demais, fofinha demais para escrever saliências. Precisava continuar imaculada, principalmente porque pagava mensalidade. Eu era pardo, crespo e magrelo, também demais, e provavelmente fazia essas coisas. Na classificação de Dona Creusa, eu era encardido.

A professora começou a aula sem explicações. A diretora ficou ainda um tempo conversando com os pais de Hilda. Depois saíram os três e se despediram na nossa porta. A diretora estava sorridente, mas os pais me fuzilaram com o olhar. Indagada, a professora desconversou:

- Não foi nada, faz o teu trabalho.

Confesso que me senti mal com aquele olhar, mas não tinha a menor ideia do que estava acontecendo. E continuei não sabendo quando os olhares se repetiram à porta da escola por todo o resto do ano.


E ainda bem. Só muitos anos depois atinei com o arranjo de que fora vítima. Minha ingenuidade foi providencial. Como diz Calvino: “Ignorância é felicidade”. Aquele menino encardido não estava pronto para conhecer a injustiça, principalmente advinda da escola e da professora que tanto admirava. Não devia ainda duvidar da lealdade humana e da onisciência divina. Era cedo para essas dores.

Comentários

Zoraya disse…
Que doce, Albir! Gostei muito, era o que eu precisava ler pra dormir bem: uma crônica bem escrita - como sempre - e delicada. Valeu!
albir silva disse…
Obrigado, Zoraya, sempre generosa.
Texto muito bom! Escrito de uma forma a qual nos faz acreditar que o fato realmente marcou a vida do personagem. Os detalhes apresentados trazem um maior realismo ao texto. Quanto ao tema abordado é a algo que nos faz refletir, pelo fato de ser uma manifestação da injustiça na forma de preconceito racial.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …