Pular para o conteúdo principal

A BONECA >> Albir José Inácio da Silva

Acordou muito cedo, noite ainda, e teve de esperar a hora de levantar. Sozinha desembaraçou quanto pôde o cabelo, mais na frente que atrás, e lavou o rosto. Ninguém precisou mandar. Calçou o chinelinho maior que seu pé e sentou no banco da mesa do café. Hoje não queria que ninguém gritasse com ela.

A educadora percebeu o capricho e só não fez elogio porque Abrigo não é lugar de elogios. Entendia a euforia das outras crianças. Era Natal. Daqui a pouco as visitas chegariam trazendo roupas e presentes.  Mas Tica não recebia visitas. Não ganhava presentes. A cozinheira, acostumada já com aqueles cinco anos e quatro palmos de pirraça, até comentou: “Hoje vai ter manha grossa depois da visita”.

Tica estava alheia a essas preocupações. Saltitava feito passarinho pelo quintal. Quando as visitas começaram a chegar, ficou de pé, encostada na parede em frente ao portão, levantando e abaixando os calcanhares. Ainda estava assim quando a tia e a prima de Belinha chegaram, trazendo uma caixa grande. Belinha recebeu o beijo da tia já rasgando o papel de presente. Tica ficou a alguns passos do grupo, vigiando.

As visitas se despediram e Tica também acenou com a mão, sem tirar os olhos de Belinha, a quem depois seguiu até o quarto, mantendo sempre a distância de três ou quatro passos.

Belinha sentou-se na cama, abriu a caixa e ficou admirando a boneca nova. Só então percebeu a presença de Tica como uma estátua à sua frente. Abaixou-se , sem tirar os olhos da caixa, e levantou pelos cabelos uma boneca que estava embaixo da cama.


Com as pernas tremendo, Tica avançou dois passos e apertou com os dois braços a boneca pendurada. Ouviu o próprio coração batucando contra o brinquedo. A urgência espantou a vertigem e ela saiu da frente de Belinha, que podia se arrepender.

 Foi para sua cama e deitou a boneca encardida no pano desbotado. Puxou pra frente o cabelo do lado que estava meio descolado. Ia colar. Ia pintar com caneta uma sobrancelha que faltava. Cobriu com um trapo até o pescoço, mas estava muito calor e a boneca ainda tinha a blusa do vestido. Cobriu só até a cintura. Deu um beijo que pegou mais ou menos olho, testa e nariz. Levantou a cabeça pelo quarto com um olhar quase desafiador e suspirou. Sua filha. Ia cuidar dela. 

Ia cuidar muito bem dela.

Comentários

Fabio Vieira disse…
Poxa, gente, que perfeição. Uma fofura só. :)
albir silva disse…
Obrigado, Fabio, volte sempre.
Letícia Soares disse…
Nossa adorei essa crônica, obrigada por disponibilizar crônicas tão lindas. Adorei o contexto. Uma criança e sempre tão inocente. E por mais que seje uma boneca de pano encardida. Aquela criança estava feliz por poder te-lâ.
Sempre gostei de ler textos assim, sou facinada com livros de fantasia e conto de fadas. Mas me facino mesmo e com historia de crianças. Parabens pela crônica.
albir silva disse…
Obrigado, Letícia, pelo carinho de sua leitura. Volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …