Pular para o conteúdo principal

O TERRORISMO COTIDIANO >> Carla Dias >>


Desde o lamentável acontecimento de Charlie Hebdo, tenho assistido à ostensiva cobertura da mídia a respeito do assunto. Nada mais justo, que o ato terrorista fez suas vítimas. Muitos se solidarizaram e se mobilizaram em homenagem aos mortos e na defesa da liberdade de expressão, e não somente na França, mas no mundo.

Nas redes sociais, muitos são os que têm pontuado a tragédia francesa com as brasileiras. A ideia não é minimizar a violência que tomou de assalto o jornal Francês que usava o humor para questionar o extremismo, em todos os seus aspectos. Aliás, eu acredito que o humor seja uma importante ferramenta para fazê-lo. A questão é explicitar que a violência, justificada por ser cometida em nome de Deus ou da lei dos homens, espalha-se pela geografia do mundo.

Violência não é justificável, mas definitivamente atinge a todos os aspectos da vida do ser humano. A violência que tolhe os direitos, a verbalizada em ofensas, a cometida em nome da fé - ou da falta dela - e do amor. A policial, a política, a parental. Que fique claro que cometer ato que seja em nome de quem ou o que seja não significa que as consequências devem ser cobradas ao outro, pessoa ou tópico. A escolha é autoral, assim como deveriam ser as consequências.

O que negamos, veementemente, é que a violência pode ser inspirada facilmente, principalmente em um momento que a conectividade tecnológica nos permite chegar a lugares onde nunca colocamos os pés. O que aconteceu na França foi ato de terrorismo, mas baseado no que conhecemos bem: a intolerância ao que não corresponde à verdade adotada por muitos indivíduos. Mas, e no nosso dia a dia?

Na rotina, muitos inspiram a violência, mesmo sem aceitar que é o que estão fazendo. Assim como na radicalização religiosa, o indivíduo defende a sua ideia sobre alguém ou algo, como se ela fosse única. Não me canso de bater nessa tecla, porque a maioria de nós age como se a radicalização fosse benfeitora, o que não é verdade. Estar errado a respeito de algo e ser capaz de reconhecer isso é o que inspira o diálogo, o que colabora com o entendimento. Quando você decreta o seu ponto de vista o único, desacreditando a capacidade do outro em estar muito melhor sintonizado com o tema, você se iguala aos extremistas, pede que, em nome da sua crença, todo o resto seja ignorado.

Defender uma ideia, uma posição na vida é diferente de ser intolerante. Ao defender, você sabe que pode ter de modificar para melhorar, para se conectar à verdade. Quando você impõe, a intolerância reina plena, e a violência, eventualmente, dá as caras. E o cenário para esse desenrolar pode ser qualquer um, da sua linha do tempo nas redes sociais ao seu lar. De uma nação a uma sala de reuniões.

Pense bem no que você está oferecendo ao mundo. A liberdade de expressão não é direito somente dos jornalistas, mas sim de cada um de nós. Defendê-la é também aceitar que escolhas são diversas, compatíveis com a pluralidade do ser humano. Posicionar-se, com respeito à posição do outro, sem se agarrar a qualquer tipo de violência, é tornar a convivência possível e justa.

Também espero, como muitos de vocês, que a fome, a miséria, o despreparo da polícia, a politicagem em prol de poucos, a farra dos corruptos, o uso indevido do poder, a ladroagem arquitetada por líderes religiosos, as máfias disso e daquilo, o preconceito, os traficantes, as leis que jogam contra a justiça, enfim, espero que nosso terrorismo cotidiano tenha fim.

Vamos trabalhar para isso, então. Sem nos sujeitarmos à violência, busquemos o mais justo que defendemos, diariamente, no que dizemos e na forma como agimos.

carladias.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …