Pular para o conteúdo principal

CRIME PERFEITO >> Zoraya Cesar

Sou muito bom no que faço, admito sem falsa modéstia, pois não gosto de hipocrisia. Sou bom. Pronto.

Há poucos como eu por aí, reconhecidos, admirados, invejados. Confesso que isso mexe com meu ego, mas, e daí? Integrar uma força especial do Departamento de Homicídios e ser um dos mais eficientes policiais em campo não é para qualquer um. E eu gosto muito do que faço - o jogo de inteligência entre mim e os assassinos me excita. Saibam que, para cada crime perfeito, existe um policial perfeito, que descobre a rachadura no muro de concreto aparentemente intransponível que nos separa da verdade. 

Muita coisa pode ser observada nas vizinhanças de um crime. Rotas de fuga, câmeras de segurança, velhinhas fofoqueiras, o pipoqueiro da esquina. Assim aprendi com um dos melhores investigadores, e nunca falhou. 

Ele também me ensinou a subir sempre de escada, não importava quantos andares acima - o exercício clareava a mente e tornava o raciocínio mais rápido. Corre uma lenda no departamento que esse meu professor desvendou um caso após ter encontrado um chiclete nos degraus que levavam à cena do crime.

Dessa vez, porém, não fiz nada disso. Entrei direto no prédio, peguei o elevador e cheguei ao apartamento onde encontraram o corpo.

Que estava, claro, exatamente lá, onde eu o deixara pela manhã. 

O cenário que eu planejara e montara tão meticulosamente para que parecesse suicídio estava um primor, modéstia a parte. Eu sabia que seria o investigador responsável, e ninguém ousaria contestar um laudo assinado por mim. Sentia-me plenamente seguro, pois nem a imaginação mais fértil conceberia que eu matara um colega para receber uma homenagem em seu lugar. 

Como eu, Claudio Romano era um dos melhores policiais do país - trabalhamos nas sombras, nem os jornais nem o grande público nos conhecem.  Ao contrário de mim, no entanto, não era vaidoso nem fazia questão de homenagens. E ainda assim a Corporação votou nele para receber uma importante comenda, deixando-me em segundo lugar. Mas onde a vida não é justa, a gente dá um jeito de fazer justiça. Foi o que fiz. 

Na verdade, eu lhe fizera um grande favor, salvando sua Alma. Ele era tão depressivo que mais dia menos dia acabaria por se matar. Não dizem que os suicidas ficam num limbo e nem em solo sagrado podem ser enterrados? 

Apenas um homem poderia encontrar a rachadura no muro de concreto, e esse, conforme investiguei cuidadosamente, estaria fora do país, ministrando um curso de nome estranho para um leigo, mas que faz todo o sentido para nós: “Conversando com o Cadáver”. 

Por isso fiquei, pela primeira vez em minha vida, totalmente aparvalhado e sem ação. O que meu professor, o grande Felipe Espada, estava fazendo no apartamento?

- Trocaram a data do curso para que eu pudesse participar de um workshop na Rússia – respondeu ele daquela maneira simples, que enganava os desavisados – Aproveitei para ficar por aqui mais uns dias e acabou que o delegado me chamou para dar uma olhada, sabendo que Claudio foi meu aluno.

Sim, pensei com raiva. Romano fora um de seus alunos preferidos, embora não chegasse a meus pés, por melhor que fosse, mesmo tendo sido o escolhido para ganhar o prêmio que eu tanto queria. No entanto, mantive o controle - Felipe Espada era um intuitivo, não podia me dar ao luxo de transparecer nervosismo. 

Ele continuou a xeretar pelo apartamento por mais meia hora e foi embora,  dizendo-se cansado e que aguardaria meu laudo. 

Depois que ele saiu, fui ao banheiro vomitar. Amava aquele investigador desgraçado que me ensinara praticamente tudo o que sei, e que poderia desvendar meu plano tão bem urdido. Mas eu faria um relatório perfeito, impecável. O aluno superaria o mestre.

(Felipe Espada leu e releu o relatório de seu ex-aluno e continuou sem entender como um policial tão experiente deixara passar tantas pequenas e sutis evidências de que algo estava muito errado com aquela morte.  Por exemplo, não havia qualquer menção ao fato de o pescoço de Claudio Romano estar virado de uma maneira quase anti-anatômica; nem ao suave cheiro de clorofórmio que havia no quarto. 

Ele não conversou com o cadáver, nem atentou aos detalhes, como eu ensinei, pensou. 

O veterano investigador conhecia cada policial a quem ensinara, e também os meandros escuros da Alma humana, o poder devastador que a vaidade exerce sobre determinados caracteres. 

Teve um pressentimento horrível, e tomou uma decisão: iria contestar o relatório e assumir o caso.)

Comentários

Ana Luzia disse…
por um momento, estremeci... quem seria aquele policial tão bom que acabara de cometer um assassinato?

não, não... claro que não... Felipe Espada não poderia estar em outro lugar, senão ao lado da lei!

é isso aí, Felipe, coloca o CSI no chinelo! Te amo!
Mauro disse…
Quero continuação!!! Amo as suas crônicas sobre o Felipe Espada!
Criminalium Compensatoricus Non Est disse…
Lamento contradizer a personagem, mas o detetive sem nome não é bom nem aqui nem no Lei e Ordem. Cometeu uma sucessão de erros, evidenciando fragilidades. Alterou suas rotinas, confiou na inépcia alheia, usou métodos de homicídio primários, falseou um laudo técnico de forma pueril e, o pior de tudo, negligenciou o acaso, que é o calcanhar de Aquiles de qualquer delinquentezinho que se preze. Taí o motivo pelo qual o Romano ia ser homenageado. Vai ver que ele não perdia um capítulo sequer do Dexter, meu psicopata predileto. Agora, além da espada de Dâmocles a lhe ameaçar o pretendido resultado de um crime supostamente perfeito, há outra pronta a desmoronar sua carreira: claro!, é a do bom e velho Felipão... o quê mesmo?
Super Bel disse…
Não existe crime perfeito!!!!
Anônimo disse…
Bem feito. O tal detetive vai ser homenageado com um par de algemas.
Anônimo disse…
Vc é ótima mesmo...e agora, o que vai acontecer?
Será ?Será? rsrsrs
Sonia F.
Cecilia Radetic disse…
Estava com saudades do Felipe spada. Ainda bem que ele não foi viajar.
E vai desvendar o que a vaidade e a inveja podem fazer...
O pessoal de Caruaru ( Maior centro de Artes figurativa das Américas - segundo UNESCO) também adoram as crônicas da Zoraya césar ( que nós reproduzimos todos os domingos)
Erica disse…
O Felipe Espada não poderia mesmo ficar fora dessa. O tal detetive não contava com sua astúcia..kkk Acho que você vai ter criar uma série do tipo Ed Mort e vender pra Sony, já que agora a Dilma obrigou a colocarem percentuais de produções nacionais. Garanto que vai fazer muito mais sucesso que aquele bando de filmes repetidos rs
aretuza disse…
agora quero saber como o Espada vai desvendar o caso e como vai reagir ao saber que seu aluno cometeu o crime!!!!!!!
Anônimo disse…
Zoraya,

Amando e esperando ansiosamente 'cenas dos próximos capítulos' rsrsrsrs
Sempre que leio suas crônicas, lembro-me de seriados policiais, que tanto adoro.
Já falei e falo de novo: vc precisa ser descoberta pela Globo!!!! Hollywood é o limite rsrsrsr. Bjks da Cris Maria!
albir disse…
Seus personagens já estão se impondo, como Sherlock Holmes e Hercule Poirot. Parabéns e beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …