Pular para o conteúdo principal

ONDE CABE A ALEGRIA >> Carla Dias >>


Alegria deslavada é essa, de atenuar lonjuras, pacificar inquietações, embarcar nas nuances de comédia romântica dos anos trinta. É alegria própria dos colecionadores de esperança, que mesmo diante de tragédias, não se curvam, como se ser esperançoso fosse profissão delegada pelos deuses.

Alegria boba, injustificada, que entrega sorrisos à toa ao florista, ao jornaleiro, ao vendedor ambulante, à mulher emburrada, ao menino travesso, ao homem do tempo, ao colecionador de saudade, a todos os passantes, e até mesmo aos invisíveis, eles sempre escondidos atrás do medo de serem escolhidos para frequentar vitrines.

Alegria é um tipo de dança, que a sentimos borboletear no estômago, sapatear nos pensamentos. Não há consumidor de alegria, apenas o assumidor, pois ela nos coloca na posição de nos tornarmos, ainda que somente durante a sua duração, bobos da corte. Em estado de seriedade, rareados de alegria, essa ideia nos mete medo.

Há alegria em coisas cotidianas, que passam despercebidas ao mergulharmos em uma rotina severa. Reaprendermos a enxergá-las é reavermos o paladar emocional. Às vezes, até ultrapassamos o limite dessa simplicidade, e daí que tudo fica mais suave: pés descalços no piso frio da cozinha, abraço de primo distante, com quem dividimos infância e ao qual oferecemos esquecimento na maioridade. Pintar quadro sem ter a menor noção sobre arte, criando aquela imagem que lhe atiçará o divertimento quando olhar para ela. Escutar vento. Ler placas. Adaptar-se à previsão do tempo vigente, com o assentimento de que ela pode estar equivocada.

Pode chover em dia que é para ser de estiagem.

Podemos nos equivocar, como a previsão do tempo.

Tem alegria que arrepia pelo encontro: mãos, barrigas, pernas, bocas. Dessas que nos tiram o sono, fazendo travesseiro se tornar confidente de desejos verbalizados somente uma vez, em momento de nudez de alma sussurrando sensações ao corpo. Amor sem alegria é um equívoco, pois como seriam sustentadas as gargalhadas intrusas, as que fogem da gente em momentos que deveríamos nos render aos dramas? Mas que alegria também é dramática, que faz abraço durar um sem tempo, inspira declarações de amor irreverentes, dá trela ao improviso – digno do jazz – quando necessitamos de companhia.

Alegria é o que nos ajuda a suportar as tragédias. E pede pelo exercício, que nem sempre sabemos aceitá-la, ou mesmo reconhecê-la. Como agora, neste instante em que lhe escrevo, quando me vem esse silêncio.

Que alegria cabe nesse momento?




Imagem: Cena do filme "Aconteceu Naquela Noite" (It Happened One Night/1934), de Frank Capra.

Comentários

Anabela Jardim disse…
Alegria...alegrias! Todo mundo quer ter algumas. E na busca pelo estado de estar alegre, se perdem na busca daquilo que acham difícil.
Que belo palavreado de alegrias, Carla! :)
Zoraya disse…
Que primor, Carla, seu lirismo em alta, como sempre.
Carla Dias disse…
Anabela... O fato é que para ser feliz é preciso coragem.

Eduardo... Obrigada!

Zoraya... Obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …