Pular para o conteúdo principal

RESSALVA >> Carla Dias >>


Boca que não se abre para dizer palavras, quando tudo que o momento pede é declaração, aprisiona um sem número de possibilidades. Como a de posicionar sentimento no canto que lhe cabe, naquele capaz de abrigá-lo e nutri-lo, equilibrá-lo ao entorno da alma.

Que esse arrabalde, no qual se deitam as meninas-alegrias, quando esquecido de vez as leva a sucumbir ao vazio. Nada contra o vazio, contanto que ele não fique por tanto tempo deserto. Esvaziar-se é preciso, que coração não se dá bem com lotação de impropérios. Esvazia-se para então reaver o que realmente lhe é importante.

Cogita lançar ao mundo a frase feita que mais lhe agrada: o que tiver de ser será. Sabe que ela é vedete em muitas canções ruins, e de poemas indignos de serem considerados tais. Ainda assim, a ideia de dizê-la, reverberar o som das palavras dessa frase, faz com que seu corpo se alimente de certo tremor. Até uma frase feita, maltratada na sua aplicação, com seu sentido às vezes atravancado pela ironia, pode mudar um tudo.

Um tudo feito este, quando ele se curva sobre alambrado, observa vinte e seis andares abaixo de si. Quando o vento lhe bate barulhento, fazendo com que ele engula suspiro, quase se engasgue com ele. Lá embaixo, telhados de casas, ruas arborizadas, uma paz que é paz porque é definida pela distância. Ele sabe que se olhasse de perto, enxergaria as violências cotidianas.

Seu silêncio se refestela pesado no recinto. Ela diz, e as palavras ecoam pelos cômodos da casa, agudas, enfatizadas pelo desejo de finalizar enredo. Ele não compreende quando foi que isso aconteceu; que eles começaram a caminhar pela casa sem que seus olhares se encontrassem, ou um se deitava mais cedo, para se poupar da conversa fiada de antes de dormir.

Ela diz todas as palavras que deseja, desprende-as do peito, jogando-as ao mundo. Não se importa se para ele as tais parecem indigestas.

Não pode dizer que não tentou. Quantos são os que tentam e, ainda assim, acaba dando tudo errado? Viver junto, de conjunto, de companheirismo, de parceria, de chamego, de conta conjunta, de tevê na sala, no quarto e na cozinha, da disputa pela varanda, da seriedade das conversas, da aposta para ver quem fará supermercado, não é fácil. Não funciona com fórmulas. Quando ela silencia, ele escuta passos apressados e porta sendo batida. Então, respira fundo. Abre a boca e diz: o que tinha de ser se foi...

Não pode culpá-la, tampouco a si. Eles foram pegos de jeito por outras tantas frases feitas, ferramentas que, utilizadas homeopaticamente, cultivam muros, arpejam afastamento.

Recolhe-se ao quarto, deita em sua cama king size, chora a falta fresca, a saudade no prefácio, os espaços da casa esvaziados da presença dela, que sempre reclamou da moderação de palavras dele ao verbalizar o amor que antes jurou que sentia por ela.

Imagem © freeimages.com 

Comentários

Zoraya disse…
Todos os homens deveria ler isso, Carla, todos mesmo.
Carla Dias disse…
Zoraya... Alguns leram e fizeram de conta que não...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …