Pular para o conteúdo principal

A GRAMA DO PASSADO É SEMPRE MAIS VERDE >> Fernanda Pinho


Sofro de nostalgia. Sempre suspeitei mas cheguei ao diagnóstico definitivo semana passada, quando ouvi por um acaso uma música que tocou muito nas rádios (e na MTV, que ainda existia e era legal) nos idos de 2003 e 2004. Fui envolvida por uma sensação tão boa durante aqueles quatro minutos e pouco, como se aquela tivesse sido a melhor época da minha vida. E, posso apostar, se tivesse me aparecido um gênio da lâmpada durante aqueles quatro minutos e pouco e me sugerido uma voltinha por aquele passado eu teria topado sem nem pestanejar (acho essa expressão "sem pestanejar" legal, embora nenhuma das minhas decisões estejam vinculadas ao ato de pestanejar). 

Depois que a música e a magia daquele momento acabaram, porém, me veio uma lembrança muito forte, estilhaçando o momento: "mas, peraí, eu odiava essa música". Odiava mesmo, achava chata repetitiva, pegajosa e irritante. Aliás, talvez nem fosse culpa da música, mas do momento em que eu estava que, por uma série de fatores, tendia a achar tudo irritante. Como tenho uma memória violentamente boa para datas, remontei minha situação da época. Não era a pior vida do mundo (justiça seja feita, a minha vida sempre passou longe de ser a pior do mundo), mas tampouco era a vida que eu queria. O que eu queria naquela época era exatamente o que eu tenho agora (com exceção dos dez quilos a mais que eu nunca quis mas, tudo bem. Não sou Deus. Nem juiz.).

Cortei minha onda imediatamente e caí na real. O saudosismo é um aval para a gente reclamar do agora como se a grama do passado sempre tivesse sido mais verde. "Antigamente é que era bom". Depende do conceito de "bom". Vamos lá. Ter que rebobinar a fita sob o risco de pagar multa na locadora: um saco. Ficar o dia grudado na rádio esperando passar a música preferida para gravar com a participação especial do locutor fazendo merchan por cima do refrão: um exercício de paciência tibetana. Esperar dar meia noite para conectar à internet: uma tortura. Deixar o telefone ocupado durante o uso da internet e ter que dividir um computador com todos os moradores da casa: motivo de altas tretas familiares. Não poder sair de casa porque estava esperando uma ligação: um porre. Ser criança e ter o desenho interrompido pela propaganda eleitoral gratuita, sem Youtube ou TV a cabo como alternativa: traumatizante. Só conseguir ver nossos artistas preferidos fazendo dublagens medíocres em programas de auditório: o fim da picada. Perder o contato com pessoas maravilhosas que viviam longe por causa do preço do interurbano e da morosidade dos Correios: triste. Chamar autoretrato de selfie: ah, não, isso era legal. Nem sei porque mudou. Poder tirar apenas 36 fotos em um mês de férias, sob o risco de 3 fotos queimarem, em outras 3 cortarem sua cabeça e mais 3 saírem tremidas, chegando a um pífio número de 27 fotos úteis: deprimente.

Então, minha gente (ou Fernanda do futuro), vamos aproveitar esses tempos loucos de selfie, fotos de comida do Instagram, grupos de fofocas no Whatsapp e pegação via Tinder. Tempos em que relacionamentos nascem, crescem e morrem por culpa das redes sociais, em que ainda podemos pular a maioria dos anúncios do Youtube, em que podemos acessar qualquer informação via internet. Acompanhemos os memes, as it girls e as blogueiras fitness. Vamos dar uma chance para o best seller do ano e para o restaurante do momento. Vamos aceitar os convites mesmo sendo necessário camuflar uma preguicinha secreta. Porque chegará o dia em que tocará Happy, de Pharrell Williams, no rádio (ou dispositivo semelhante) e uma lágrima de saudades rolará por nossos olhos. 

Comentários

Zoraya disse…
hahaha, falou tudo, Fernanda. Adorei o título também.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …