Pular para o conteúdo principal

PARTIDOS E REMENDOS >> Albir José Inácio da Silva

Para evitar qualquer mal-entendido, considerando alguns nervos ainda expostos pelas recentes escaramuças, necessário explicar que estes fatos não se passaram na última eleição. Aconteceu no pleito municipal de uma cidadezinha tranqüila em algum lugar deste país. Melhor não identificar cidade, amigos ou candidatos.

Se me contassem eu não acreditaria, mas ninguém contou - eu vi o fim daquela amizade. Eles tinham bótons de candidatos diferentes e vitupérios semelhantes.

- Gaysista! Se você defende essa escória, é porque tem alguma inclinação, algum desejo escondido! Onde ficou perdida a sua formação e dignidade?

- Dignidade é igualdade de direitos, seu homofóbico! Por que a família hetero é melhor que a família gay? E o seu partido afundado em corrupção? Você tá levando alguma coisa?

 A democracia tem às vezes o condão de trucidar amizades. Quando as pessoas têm um inimigo comum, como ditadores ou monarcas, pensam em se proteger e não em disputas políticas.

Os dois candidatos à Prefeitura com chances de vitória, segundo os insuspeitos institutos de pesquisa, digladiavam-se sobre questões que incendiavam as ruas, não importava que os temas não se incluíssem entre as competências municipais. Como sabemos todos, é comum ver candidatos à Câmara Municipal prometendo pena de morte. E candidatos ao congresso Nacional garantindo asfalto e poste de luz na rua do eleitor.

Mas deixemos por ora as eleições e vamos conhecer nossos dois amigos. Eles atravessaram juntos a rebeldia e as inseguranças da adolescência. Apoiaram-se durante as dificuldades do ensino médio, ajudando, explicando e dando cola nos momentos mais difíceis. Sofreram e comemoraram juntos a dureza e a vitória do vestibular.

Como irmãos foram se moldando na convivência de modo a querer as mesmas coisas, praticar os mesmos esportes e até a gostar das mesmas mulheres. Mas pensam que isso foi problema? Não. Generosamente evitavam qualquer rivalidade, preferindo abdicar de algum amor em benefício do amigo.

Para não dizer que em tudo combinavam, reconheciam uma divergência: torciam para clubes diferentes. Mas isso também resolveram. Quando os times se enfrentavam, iam juntos ao estádio, separavam-se nas torcidas e reencontravam-se na saída para o chope.

Quando todos pensaram que eram inseparáveis, surgiu a campanha eleitoral. Da primeira vez divergiram como divergem as demais pessoas. Mas alguma coisa martelava-lhes a alma. Um sentimento mútuo de traição. “Como é que o fulano pode pensar assim?”

E penetraram  fundo nas plataformas e discursos de seus candidatos, e sempre voltavam a se a se encontrar prontos e municiados para o combate. Das discussões políticas foi fácil chegar às questões pessoais e às acusações, como testemunhamos. Estava desfeita a amizade de toda uma vida. Odiavam-se.

E foi assim que eu os deixei, quando saí em viagem. Ainda no exterior, fiquei sabendo que, apesar das pesquisas, os dois candidatos ficaram de fora, atropelados por um insuspeitado azarão.

Mas qual não foi a minha surpresa quando, na volta, os encontrei de novo amigos de infância? Eram gargalhadas, tapinhas e simulados socos no estômago que quase ultrapassavam os rígidos limites da brincadeira hetero.

Não querendo melindrá-los, perguntei a um amigo comum como tinham conseguido reatar a amizade que parecia perdida. Soube, então, que a mesma política que os havia separado, agora os juntara:


- O candidato de um - mosqueteiro da ética e paladino da honestidade - foi preso por envolvimento com bicheiros e remessas para contas em paraísos fiscais. O do outro - guardião da família e defensor da cura gay - não agüentou a aflição e saiu do armário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …