Pular para o conteúdo principal

ALGO SOBRE CLÁSSICOS >> Whisner Fraga

Gosto de futebol. Muitos escritores esnobam o esporte e, talvez por isso, haja tão pouca ficção produzida sobre o tema. Não sou um fanático. Acho todo tipo de fanatismo uma afronta à democracia e ao direito do outro. Tampouco sou um expert no assunto. Gosto mesmo é de me sentar à frente da televisão e assistir às jogadas engenhosas dos atletas em campo. Considero este um momento de descanso das adversidades do cotidiano.

Não entendo essa “paixão” exagerada de torcedores que fazem do resultado de uma partida motivo para guerras. A imprensa divulga, após cada clássico em nossos estádios, o saldo dessas batalhas: mortes, violência, covardia. Como justificar que o fato de nosso time ter perdido é motivo o bastante para ameaçar outro cidadão? E não apenas amedrontar, mas ir às vias de fato. Culpam as torcidas organizadas, mas isso é buscar uma solução fácil para um problema maior: o espírito belicoso presente na natureza humana.

Por isso vou muito pouco a estádios. Não são lugares seguros, não caiam na besteira de levar suas crianças para assistir a jogos, principalmente os clássicos. Como regra básica de segurança, não vista a camisa de seu time, pois assim seu inimigo o achará mais facilmente. Não torça com muita veemência e, ao sair para a rua, pare de torcer. De preferência fique em casa.

Não consigo entender como uma pessoa elege uma equipe e passa a sofrer e a se deleitar tanto com ela. Como alguém decide que o seu time é o Santos? Ou o Cruzeiro? Ou o Palmeiras? Sei que tem muito aí de herança. Os pais que compram uniformes para os filhos, ainda bebês, os amigos que o convencem que tal jogador é um gênio e, coincidência, ele é um atleta do time X! Até aí conseguimos compreender. O que é estranho é testemunhar a adoração que se segue à escolha. Como explicar a depressão que aparece após uma derrota?

Tentei entender os motivos que elegi o Palmeiras como meu time preferido. E, diante até da situação do time nos últimos anos, acho que resolvi o enigma. Gosto de torcer pelo mais fraco. Acho que a história de Davi e Golias, que ouvi ainda muito criança, me influenciou muito. Torço descaradamente por aquele último colocado na corrida de fórmula 1, pelo lutador mais franzino no ringue, pelo pior atleta das olimpíadas. Sempre ao lado dos piores.

Lembro-me, assim, inevitavelmente, daquela corredora das olimpíadas de 1984, a Gabrielle Andersen. Cambaleia na pista, faz caretas, parece que podemos ouvir seus gemidos de dor. Qual ser-humano neste mundo que deixou de se afligir com aquele esforço descomunal? Todos queríamos ser ela, todos desejamos que ela se superasse e cruzasse logo a linha de chegada. Perdeu o sentido honrar o vencedor daquela prova. Curvamo-nos à beleza do esporte. E não poderia ser assim após cada partida de futebol?

Comentários

sergio geia disse…
Boa reflexão, Whisner. Mas quanto ao Palmeiras... Penso numa roda gigante. Já estivemos por cima, bem por cima. Agora estamos por baixo... é, já faz um tempinho, mas daqui a pouco a roda gira e tudo volta ao normal. Tá demorando rsrs Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …