Pular para o conteúdo principal

DILEMAS DE UM RECÉM-SEPARADO >> Sergio Geia

Fui às compras. Confesso que nunca me imaginei comprando o que fui comprar. Nesses 45 anos de vida não precisei. Mas dessa vez, não. Tive que me virar. Sozinho.

Entrei nas Pernambucanas à cata de panos de prato. Pedi a uma vendedora que me mostrasse uns. Até que eram bonitinhos. Delicados, com bordados infantis, desenho de porquinho, de peixinho, de ursinho. O preço era bem razoável. Peguei quatro. Um pra enxugar as mãos, outro pra enxugar a louça. Um jogo reserva. Mostrei a uma amiga que achou lindo, mas disse que aquilo não era pano de prato, era pano de enxugar a mão. “Eu comprei pano de prato”, disse, já meio bolado. Uma outra amiga me tranquilizou. Falou que os panos eram ótimos, que enxugavam prato que era uma beleza.

Tapetinho pro banheiro é outra desgraça. Uma que não achei nenhum bonito. Todos bregas. Era o jogo. Um tapetinho pra pisar ao sair do banho; uma almofadinha pra forrar a tampa do vaso; um outro esquisitinho pra colocar na frente. Umas cores danadas de feias! Depois de muito custo, achei um mais ou menos, uma cor discreta, um bejão.

Numa outra loja fui procurar tupperware. Se há algo importante na casa de um homem sozinho, isso eu aprendi, esse negócio se chama tupperware. O feijão, por exemplo. Você pode cozinhar feijão uma vez a cada 10 dias. Distribui em pequenas porções e guarda. Onde? No tupperware! Depois congela. Quando quiser comer é só descongelar, pôr na panela, temperar, e o feijão fica ótimo. As sobras também podem ir para o freezer. Carne moída? Sobrou? Tupperware.

Cesto de lixo pro banheiro. Um porre. Precisava de dois. Não sou nenhum referencial de estética dessas coisinhas, pelo contrário, mas queria um basicão, branco, simples, sóbrio. Achei cada coisa... Um modelo que gostei só tinha um, o outro tava quebrado. Não comprei nada. Agora em casa já tem papel higiênico nos banheiros, mas não tem onde jogar. Por enquanto, no saquinho... Ave Cristo!

Não gosto muito de ler manuais, e agora tenho uma pilha sobre a mesa. O do fogão, por exemplo. Depois de tirá-lo da caixa, de tirar todas as fitas que prendiam as peças, de tirar um plástico azul, de deixá-lo prontinho para uso, tava lá escrito: “IMPORTANTE: faça a instalação dos pés antes da remoção da fita que fixa o tampão de vidro”.

Aliás, foi necessário fazer a conversão pra gás natural. Se tinha uma coisa que eu não queria gastar muito, essa coisa era o fogão. Almoço na rua, à noite não sou de comer muito, as crianças vem no fim de semana a cada 15 dias. Mas não que eu tenha comprado porcaria. Não era um Brastemp, mas era um bom fogão, que estava na promoção. Acendedor automático, branquinho, quatro bocas. No entanto, tinha de fazer a conversão. E como era novo, e como está na garantia, tive que chamar a assistência autorizada. Não cobravam pelo serviço, mas cobravam as peças. Os caras tinham que colocar uma mangueira de cobre, um adaptadorzinho e trocar uma peça das bocas. O gás comum tem muita pressão, então a peça tem um furinho pequeno. O gás natural não tem pressão, então o furo tem de ser maior. Depois foi só mandar a distribuidora ligar o gás. O que eu gastei nessa brincadeirinha toda deu um fogão. Uma maravilha!

A máquina de lavar me assusta. Parece um dinossauro dormindo na minha casa.

Comentários

Brasilino Neto disse…
Sergio ótima crônica. Me veria na mesma situação, pois em compras sou tutelado, por não saber distinguir um litro de leite de um de água. Até mesmo na compra de um par de meias, pois correria o risco de comprar só um pé e depois de uma semana (só depois de uma semana) descobrir que está errado e ir buscar o outro. Parabéns.
Zoraya disse…
hahaha, bem vindo ao mundo real. boa sorte e q suas aventuras rendam novas e divertidas crônicas como essa.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …