Pular para o conteúdo principal

ANTES EU VIVIA ANESTESIADA >> Cristiana Moura

O Sol mal nascera e a moça, já de pé, preparava o café para os patrões. Arrumava, lavava, limpava. Fazia o almoço, servia, comia. Depois arrumava, lavava, limpava. Já era hora do jantar. Já passava da hora de dormir. No dia seguinte os afazeres se repetiam. E no outro. E mais um. Nos intervalos Jô criava Vitória ao mesmo tempo que a menina se criava entre a escola e o brincar pelos jardins do casarão.

Certa vez acordou com um cansaço tanto. Não estava cansada de ontem. Nem era cansaço da semana mais intensa de trabalho na casa que recebera hóspedes. Já não havia juventude. Já im-se vinte anos e Jô se cansara dos dias iguais e sem tempo pra pensar seja lá no que fosse. Pensar vida sendo vivida. Deu-se conta que vivia à revelia de si mesma.

Arrumou as malas. Despediu-se sem grandes afetos. Trocou o trabalho de todos os dias e todas as noites em uma casa só por trabalhos em residências diferentes a cada dia. Pessoas outras. Novos trajetos pela cidade.

— Agora, sou dona da minha vida — ouvi-la dizer — Antes eu vivia anestesiada.

Noutro dia cheguei em casa um pouco mais cedo que de costume, por volta das dezenove horas. Jô ainda estava lá.

— O que você está fazendo aqui uma hora dessas?
— Dona Cristiana, eu vou fazer o quê? Não gosto de televisão. Gosto é de deixar tudo arrumado. Não tenho outra coisa pra fazer não.

Jô desaprendera os prazeres simples. Trabalhava por hábito, por necessidade, por lazer.
Vitória que estudava no curso técnico de administração e se preparava para fazer a faculdade na mesma área, já não a requisitava.

— Jô, e não tem uma praça perto da sua casa?
— Tem sim senhora.
— E você não tem amigos, paqueras?
— De homem eu não quero mais saber não, mas tenho amigas sim. E tem a minha irmã também.
— Pois então, quando der quatro e meia você vai embora passear na praça com as amigas, irmã, ou outro passeio.
— É mesmo, né? É que não tenho é costume de diversão.

Jô passou a experimentar novos passeios. Passou a experimentar a cidade. Ela vai sentindo os novos gostos do dia a dia. Dia desses me contava que estava ouvindo os pássaros cantarem.

— Será que eles não cantavam antes ou era eu que além de cega para a vida que eu levava também estava surda?
— Não importa, Jô. Você pode ouvi-los agora.

E nos fins de tarde Jô passeia traçando novos trajetos pelas ruas da cidade, pelos afetos, pela vida.

Comentários

Brasilino Neto disse…
Cristiana muito interessante a crônica, embora seja uma triste realidade, pois não damos conta do que possa nos alegrar, vivemos circunspectos e olhando somente em uma direção, que não é o de nossa felicidade. Parabéns.
Cristiana Moura disse…
... e podemos também ampliar nossos olhares!
Viviane disse…
Nunca é tarde para recomeços. Porém se livrar do cativeiro que nos aprisiona é que se constitui tarefa dura. Pensar no como, e traçar novos caminhos é que nos faz vencedores nesta labuta sem fim.
Uriel Cezana disse…
Muito bacana !

Me lembrei de um texto de Marina Colasanti: Eu sei, mas não devia.

"Eu sei que a gente se acostuma, mas não devia".

Trecho: "A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia".
Cristiana Moura disse…
Que possamos fazer o novo e no máximo nos acostumar em fazer diferente!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …