Pular para o conteúdo principal

NEXOS >> Paulo Meireles Barguil



Solto altas gargalhadas internas quando ouço as pessoas dizerem que nunca estivemos tão conectados!

Penso exatamente o contrário: nunca estivemos tão desconectados, conosco e com os outros.

Mais adequado seria dizer que nunca, na História da Humanidade, estivemos tão plugados...

Nexum, em latim, de onde se origina nexo, significa, conforme o Houaiss, atar, ligar, travar, entrelaçar, unir e prender.

A Humanidade, há milênios, busca entender o Universo, bem como a natureza desse safári ontológico, em que cada pessoa é, ao mesmo tempo, caça e caçador, como já cantara Milton Nascimento, em Caçador de mim.

Há quem defenda que a existência, o sentido do mundo está nele mesmo, não sendo necessária a participação, a intervenção do Homem.

Outros, contudo, argumentam que, sem o Homem, o mundo não existe, pois é aquele que ratifica a existência desse.

Piaget, no século passado, diferenciara duas formas de o Homem conhecer o mundo: a abstração empírica – somente mediante a observação – e a abstração reflexiva – relação, conexão entre objetos, acontecimentos.

Embora ambas estejam relacionadas, elas se diferenciam pelo tempo dedicado e o produto alcançado.

Se na abstração empírica é possível se pensar em percepções semelhantes, o mesmo não se pode imaginar na abstração reflexiva.

Ao que consta, Buda ensinou que o caminho do meio, aquele que fica entre os extremos, nos leva ao equilíbrio.

A aceitação disso, contudo, não é suficiente porque permanece o desafio de encontrar os limites, que raramente são apenas dois, e balancear aspectos não quantificáveis...

Postulo que o sentido do mundo não está nele, mas é elaborado por cada pessoa, os quais se modificam infinitamente.

A enxurrada de estímulos proporcionada por variadas parafernálias tecnológicas, que estão cada vez mais disponíveis, não tem o poder de nos integrar, mas talvez para o contrário...

Devoradores de pixels, o Homem se vicia nesse tipo de alimento, que o nutre cada vez menos, fazendo com que ele o busque em doses crescentes, ao mesmo tempo em que contribui para o desenvolvimento de percepção fragmentada da realidade.

Transferimos, sem que percebamos, parte significativa da nossa identidade para tais aparatos e nos tornamos objetos deles, quando deveria ser o contrário...

Permanece, contudo, e se amplia, a necessidade de ser visto e valorizado, tal como facilmente se constata nos selfies e respectivas postagens.

— Veja o que eu estou fazendo! Veja como eu sou feliz! Veja como eu sou demais! — gritamos no fundo da caverna, na esperança de que alguém estabeleça, pelo menos, um meteórico contato: curti!.

Que sorte quando alguém comenta!

Que maravilha quando uma conversa se estabelece.

Fomos infectados, e não sabemos, por um vírus parasita, que se alimenta das nossas riquezas mais profundas, exaurindo-as.

O Homem é resultado do que se alimenta e da forma como digere os respectivos nutrientes.

O tempo outrora dedicado à preparação da refeição e à degustação, momentos fundamentais no equilíbrio pessoal, pois frutos do autocuidado, é canalizado à deglutição voraz.

— Eu não tenho tempo! — dizemos, visivelmente alterados, a todo momento — enquanto corremos de um lado para outro, na horizontal ou na vertical.

A qualidade das nossas conexões, dos nossos vínculos, internos e externos, é influenciada pelo que ingerimos e como o fazemos, e não pela quantidade do que engolimos...

Essa crônica tem nexo?

Comentários

Edilson Nunes da Costa disse…
Muito bom texto!!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …