Pular para o conteúdo principal

PT X PSDB >> Sergio Geia

E ela se foi, amigo. E nenhuma saudade deixou, tipo Copa do Mundo depois do 7 a 1. Honestamente? Não deveria. Como ponto alto das democracias, uma eleição deveria ser festejada, comemorada, aplaudida. Mas é difícil bater palmas diante dessa gororoba que temos de engolir chamado “Programa Eleitoral Gratuito”. Na boa: serve pra nada, não; a não ser pra jogar confetes em postulantes que são arquétipos de perfeição num mundo de conto de fadas.

Até nas redes sociais a coisa ganhou uma proporção hercúlea. Vi amigos se mordendo no melhor estilo Suárez de ser, cada qual se achando o baluarte da razão. Petistas e tucanos quebrando o maior pau. Gente bem informada, que lê, que acompanha. Mas a verdade, pura, cristalina, límpida e colossal, meus caros, é que ninguém tem razão quando acha que tem razão. Essa consciência mínima deveria servir pra baixarem a bola.

Vamos aos fatos. A Bolívia, por exemplo. Reelegeu Evo Morales. Não dá pra entender, né? Não? Dá. Dá, sim. Desde quando Evo assumiu, o PIB de lá cresce em média 5% ao ano. As reservas internacionais foram multiplicadas por 6. Além disso, também com a ajuda dos programas sociais, eles reduziram a pobreza de 38% para 18%. Mas são só mil maravilhas? Não. A economia é pouco diversificada, a maior parte da mão de obra vive na informalidade. A imprensa sofre restrições; a oposição, perseguições. Mas há uma base pra justificar a reeleição dele.

E o PT? Não tem coisa boa nesses 12 anos de poder que justifique a reeleição da Dilma? Tem. A começar com os programas sociais que reduziram a pobreza. Aliás, pobreza não. Miséria. Estão levando luz até os cafundós. Há o sistema de cotas. Há o FIES, o PRONATEC, o Pro Une, o Minha Casa Minha Vida, os médicos cubanos, e muitas outras coisas. Mas só tem coisa boa? Francamente, né, só se você for míope. Os companheiros sofrem de um processo de vitimização, são sempre coitadinhos, perseguidos e se apoiam na dualidade rico-pobre. A corrupção, o loteamento de cargos, o financiamento partidário pelo assalto aos cofres públicos, tudo isso eles fazem também.  

E o PSDB não presta? Eu mesmo já vi Dilma presidente, não Dilma candidata, jogando louros no FHC. Pois foi ele quem colocou o Brasil na rota, pra desespero dos petistas que não querem enxergar isso. Acabou com a inflação, criou o embrião do Bolsa Família. Mas que poderia ter feito mais, muito mais principalmente pelos pobres. Não fez. Como em São Paulo, onde poderiam ter trabalhado melhor o problema da água, ter cuidado dos mananciais, do tratamento do esgoto, campanhas mais eficazes de redução de consumo, aumento da capacidade dos reservatórios.

Tem gente que votou no PT. Tem gente que foi de PSDB. Cada qual com suas razões e seu modo de enxergar o jogo. Mas não venham me dizer que o seu candidato era o suprassumo dos candidatos e que o outro era um lixo porque não era. Votou no PT? Belezinha, mas não venha me encher o saco dizendo que a Dilma era a oitava maravilha do mundo e o Aécio um mentiroso. Votou no PSDB? Ok, mas não venha me dizer que o Aécio era a perfeição dos candidatos e Dilma uma incompetente.

Passadas as eleições, irmão, vamos ver no que vai dar. Dilminha tá aí, mais 4 anos. O horário de verão já veio. Que venham as chuvas. Que venha um Brasil melhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …