Pular para o conteúdo principal

CEBOLAS >> Sergio Geia

Há mais mistérios entre a faca e a cebola do que sonha a nossa vã filosofia. Mais que uma simples cachoeira lacrimal, o prosaico ato do debulhe pode lhe proporcionar outras coisas, muitas coisas, coisas que você decerto nunca imaginou.  

Existe toda uma simbologia por detrás da cebola. Ramakrishna, por exemplo, compara a estrutura folhada do bulbo à própria estrutura do ego, que a experiência espiritual debulha camada por camada até a vacuidade. A partir daí nada mais constitui obstáculo ao espírito universal, à fusão com Brama. Os egípcios tinham como grande curandeira quem? Quem? Você adivinha? A cebola. Os latinos, segundo Plutarco, proibiam o uso do bulbo, porque acreditavam que ele crescia quando a lua diminuía. Quanto ao cheiro, provocava um sentimento de força vital. Virtudes afrodisíacas lhe são igualmente atribuídas, tanto por sua composição química quanto por suas sugestões imaginativas. Está tudo na internet.

A umbanda trabalha ritualisticamente a cebola em banhos e defumações. Ela desagrega energias negativas de conotação sexual e afasta fluidos indesejados. Muitas das cúpulas das igrejas ortodoxas têm o formato de elmo que lembra o guerreiro, e a luta da igreja contra as forças do mal, ou a forma acebolada (bulbo), simbolizando uma vela. Na antiguidade, na Festa da Primavera, os orientais davam de presente ovos naturais embrulhados em cascas de cebola.

Neruda disse que cebolas são como rosas de água com escamas de cristal. Há diversas simpatias em que a cebola não é uma mera coadjuvante. Você pode, por exemplo, afastar os inimigos escrevendo, no dia da entrada da lua minguante, o nome do sujeito num papel e enfiando o papel na parte superior da cebola, cobrindo a cebola com papel alumínio e deixando no freezer até a próxima entrada da lua minguante. Dizem até que shampoo de cebola contribui para o crescimento capilar. Eu, hein!

Ogros são como cebolas. Lembra não? Há mais do que se imagina nos ogros: cebolas. Aí o burro diz: “Fede? Faz você chorar? Deixa ele no sol, ele fica marrom e solta aquele cabelinho?” Nada disso. Camadas. Os ogros são como cebolas porque têm camadas. E o ser humano também.

Trata-se de um recurso metafórico, evidente, mas a cebola, Shrek, o ser humano, todos têm muito em comum. Nossa camada de cascas impede a manifestação da essência, do eu verdadeiro, e isso é muito, muito ruim. A armadura nos faz ser quem não somos. Debulhar o trigo como na música, ou a cebola, ou tirar simplesmente a armadura do cavaleiro de Fisher, talvez não seja tão difícil assim quanto tirar as nossas armaduras, simplesmente por causa de um pequeno detalhe: não as vemos.

Escuto alguém dizer que a vida cria camadas. Elas se formam, pouco a pouco, e a gente nem percebe. São nossas armaduras, nossos mecanismos de defesa. Elas transformam o ser humano puro num cavaleiro de armadura. Ficamos cascudos. Quando o cavaleiro quis tirar a armadura ele não conseguiu. Viu-se preso. Foi pedir ajuda. Somos como o cavaleiro de Fisher. Cebolões, isso sim. Cebolões. Hoje, na Quinta Vista Bella, quero ter um encontro com as minhas camadas. Quero debulhá-las. Todas.

Comentários

Anônimo disse…
Olá Sergio, Muito Boa Sua Cronica. Cebolas E Armaduras, é O Que Fazemos Conosco No Decorrer Dos Dias E Anos....... Cris

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …