Pular para o conteúdo principal

VAI, PLANETA! >> Mariana Scherma

As chuvas aqui no sudeste estão com tudo. O nível do reservatório da minha cidade está saudável e seca, agora, só mesmo nos telejornais, quando todo aquele refrão de economize água se perdeu. Tchau, uso racional de água, e até o inverno que vem. Faz parte. Pra mim, esse assunto não morreu. Minha mãe adora me chamar de a-patrulha-de-uma-pessoa-só. Até gosto, mas é muito solitário.

Até agora, não consigo ver uma pessoa maltratando o meio ambiente e seguir como se nada tivesse acontecido. Lavar calçada, carro, jogar lixo no chão, arrancar flor do jardim alheio... Eu sempre tenho um puxão de orelha pra passar a essas pessoas. É mais forte que eu. Lembra aquele desenho do Capitão Planeta? Pois é, sou possuída pelo espírito dele. Já chamei atenção de senhora lavando calçadas (umas vááárias vezes), de gente jogando chiclete no chão, de sem noção jogando bituca de cigarro, de fulana no banheiro da academia ligando todos os chuveiros por uns dez minutos até a água esquentar. Alô, mundo! Até meu pai já foi vítima da minha ira desperdiçando água. Reeduquei o papi e acho possível todo mundo, pouco importa a idade, ser ensinado de que não se desperdiça natureza.

Toda vez que conto que chamo a atenção de alguém, meu pai sai dizendo que eu espalho amizade por onde passo, que arrumo mais e mais seguidores nas redes sociais, ironicamente, claro. Mas sinceridade? Não quero fazer amizade com quem lava a calçada, é de uma falta de inteligência absurda, dali a dez minutos a calçada vai estar suja outra vez. Por que esse fulano não tira o sapato ao entrar em casa. É prático e poupa o meio ambiente. Tampouco quero virar colega de quem joga lixo na rua. A rua é de todo mundo, então, você joga sujeira na sua casa? Pretendo passar longe da amizade de quem emporcalha banheiro coletivo e por aí vai. Acredito que amizade sempre é bom, mas prefiro os amigos que conhecem a palavra respeito. Simples assim.


A tarefa de reeducar as pessoas é um pouco solitária, cansativa e com certeza não devo mudar o mundo. Mas se eu fizer a pessoa em quem dei bronca pensar duas vezes sobre seus atos, já me dou por satisfeita. Eu, sozinha, não devo tornar as ruas brasileiras como as da Suíça. Mesmo porque, o brasileiro genérico cresce sabendo que aqui toda a natureza é farta e acha que tudo bem dar uma abusadinha. Não, nada de tudo bem. Natureza também se esgota. Assim como minha paciência ao ver uma atitude desrespeitosa com todos nós. A gente também faz parte do meio ambiente: eu, você e até a senhora que lava calçada.

Comentários

Anônimo disse…
Plausível o ponto de vista que retrata sobre como os brasileiros estão agindo diante de situações que exigem demonstrar quão moralmente limpo você deixa-se ser(tanto a pessoa em si,quanto o local vivenciado por tal)... notável a maneira como se expressa diante destas eximias cronicas...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …