Pular para o conteúdo principal

O QUE VOCÊ FOI QUANDO ERA CRIANÇA >> Fernanda Pinho



Os adultos e essa urgência sem sentido insistem em questionar às crianças sobre o que elas querem ser quando crescer. Era assim quando eu era menina e continua sendo (vira e mexe eu mesma mando a famigerada pergunta para algum pequeno diante da falta de assunto). Eu quis ser apresentadora de TV (a Xuxa, pra ser mais exata), juíza de direito (achava o supra sumo do poder bater o martelinho) e jornalista (que é o que eu acabei virando mesmo). Embora tivesse resposta, sempre respondia meio entediada, devido à obviedade e à constância com que a pergunta surgia. 

Ontem, porém, parada num engarrafamento, com a cabeça dando voltas em bobagens que de tão bobas viram grandes problemas, fui surpreendida com o reverso da pergunta. O anúncio na traseira de um ônibus questionava: "O que você foi quando era criança?”. Interessante indagação que depois descobri ser o nome de uma peça de teatro.

Viajei. Quando criança fui Princesa da Pipoca na festa junina. Fui filha única. Fui louca para ter uma irmã. Fui irmã mais velha ciumenta. Fui fanática pela Xuxa. Fui uma exímia pianista em meu pianinho de cauda. Fui a feliz proprietária de uma Ferrari (Da Barbie). Fui ratinha de praia. Fui comilona (No nível: todos os problemas de saúde que tive na infância estavam relacionados a comer demais). Fui a menina mais alta da classe. Fui da classe dos não-alfabetizados. Fui superprotegida e superamada pelos meus pais.

Quando criança eu fui aquela menina que achava que o He-Man e a She-Ra eram um casal. Que tubarão era macho de baleia e que ladrão não era gente (Ficava verdadeiramente aterrorizada quando alguém dizia que “um ladrão entrou na casa da vizinha”. Logo imaginava a casa sendo invadida por um espectro vindo de outro planeta. Quando descobri que era gente mesmo, fiquei mais aterrorizada ainda). Fui a aluna sempre escolhida pra ser índia nos teatrinhos sobre a colonização. Fui aquela menina que dava tudo o que tinha para as amigas (Quantas broncas eu levei por voltar para a casa sem meus estojo de maquiagem, sem minhas canetinhas, sem a pasta de papéis de carta, sem minhas figurinhas). Que chorava quando assistia Carrossel porque o Mario Ayala não tinha mãe e oferecia carona para a professora depois da aula, fazendo o pai dar voltas quilométricas. Fui boa. Mas também fui aquela que por milésimos de segundo não tascou um guarda-chuva na cabeça da irmã bebê, a que fez o primo mais novo cheirar amônia e a que jogou o outro primo na piscina (e tapou a piscina com uma lona). Fui a menina que dizia que a cor preferida era verde só para ser “alternativa”, já que a maioria das outras meninas preferiam o rosa ou o laranja. Fui aquela que falava tão alto que a mãe teve que levar ao médico pra verificar se não tinha problemas de audição. Tinha nada, só queria chamar atenção.

Fui a Nêga do meu pai. A Loló dos meus tios. A Magali da minha tia. E a Nanda de todo mundo. Fui Cláudia ou Márcia em todas as minhas brincadeiras de casinha porque achava que chamar Cláudia ou Márcia e fingir que fumava um cigarro era a coisa mais adulta do mundo. “Ai, menina, nem te conto”, e dava uma dramática tragada no lápis de cor branco que não servia pra nada mesmo. Fui uma leitora interessada desde que aprendi a ler e compositora desde que aprendi a escrever. Escrevia as letras e inventava a melodia ao mesmo tempo em que gravava a música em fitas K7. Fui defensora da minha irmã, a grande companheira da minha mãe e xodó do meu pai. 

Fui sendo isso, sendo aquilo, até chegar no que sou hoje, um emaranhado de definições que a vida adulta nos exige. Mas de todas as que cabem a mim, eis a minha preferida: sou uma nostálgica incorrigível, resultado de uma infância danada de boa.

Comentários

Anônimo disse…
Relembrar o passado é algo nostálgico,, todavia,, volta-se memorias plausiveis
Zoraya disse…
Que delícia de texto, Fernanda! Beijos
Monique MatosT disse…
Que texto lindo! Sou uma eterna nostálgica... ♥
Carla Dias disse…
Que beleza de texto, de depoimento!
Alane Alves disse…
Mas olha eu aqui denovo haha, ótimo texto, Carla!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …