Pular para o conteúdo principal

MÃE E FILHO >> Sergio Geia

“Bacana ver vocês dois”. Ela me olha assustada. “Esse carinho. Mãe e filho. É uma imagem bacana. Sacumé, né, dias de hoje, esse mundo babaca de tão podre, uma imagem dessas faz bem. Olha, daria até uma crônica”. Ela põe o menino no colo. Sorri pra mim. Ele pede para ir ao parquinho.

Fiquei pensando nisso um bom tempo. Uma imagem que fez minha sexta-feira começar com o pé direito, rumo ao final de semana. E foi isso que senti saboreando aquele sorriso no caminho do trabalho. Até o dia despencar em mim como um Niágara de aporrinhação.

Primeiro a tevê, no quilo. O sujeito sendo transportado pro Rio numa operação de guerra. Em Cascavel, pessoas presas num hospital. No elevador, na fila do banco, ebola para todos os gostos. Todo mundo preocupado, índices de mortalidade na ponta da língua, chances de cura, países castigados, formas de transmissão. No dia seguinte se confirmou que não era ebola. No mesmo dia vi o Ministro da Saúde dizer que o Brasil continua sendo um país com pouco risco de contaminação.

E o pior é que a coisa começa a tomar conta das nossas vidas. Vira assunto de botequim, quando a gente vê está procurando notícia, querendo saber se o sujeito desceu ou não desceu em São Paulo, se alguém tá fazendo alguma coisa, pesquisando, procurando uma forma de deter essa praga antes que vire pandemia. Você volta do almoço e o segurança do prédio não perdoa: “É o apocalipse, seu Sergio”.

Outro dia tava no face correndo a timeline quando me deparei com a cena de um taxista transportando um passageiro. A câmera ali, instalada no táxi, talvez para dar mais segurança ao motorista. O taxista, um senhor, um avô com certeza, que precisava estar ali para aumentar a renda da família, cumpria sua obrigação com dignidade. De repente, o rapaz saca uma arma e atira na nuca dele. Fiquei chocado. Aquilo me embrulhou o estômago e serviu de input pra essas barbaridades todas que nutrem nossas almas todos os dias, tipo sujeito no meio do deserto aguardando a cerimônia da morte.

Começo a pensar que a gente se alimenta mal pra burro. E se enfartar depois, não pode estranhar. São carradas de placas de gordura entupindo a vida. Ninguém quer saber de agrião com arroz integral. Quer mesmo é uma picanha bem das mal-passadas. Aí viramos esses bestas trogloditas que por qualquer fechadinha mequetrefe tão xingando até a décima quinta geração do navalha. Vivemos num mundo besta e sem sentido.

Ele sobe no escorregador e sorri. Ela faz que sim com a cabeça. Ele olha meio desconfiado, o sorriso se transmudando em preocupação. Parece calcular a distância. Olha mais uma vez, depois se volta pra ela, agora sem sorriso, clamando por alguma coisa que ele nem desconfia o que é. Ela sente que ele precisa dela. Deixa o caderno no banco e se aproxima: “Vai, filho! Desce! Você vai gostar!”. Mesmo com medo ele se arrisca e deixa o corpo cair. Quando põe os pés no chão corre ao encontro dela. Os dois se abraçam num abraço que derrama amor. Ele diz que quer ir de novo. E vai.

Fecho os olhos torcendo pro sono não chegar, pra que eu possa saborear mais um pouquinho desse agrião com arroz integral.

Comentários

Brasilino Neto disse…
Ei Sérgio esta boa crônica retrata a gangorra emocional em que vivemos no dia a dia, com noticia boas, outras chatas, irritantes e outras que representam quadros de amor e ternura. Depois de saborear o agrião e o arroz integral veja este meu comentário. Parabéns. abraços.
Cristiana Moura disse…
E suas cenas do cotidiano amanhecem construindo o meu dia hoje! Adorei!
Anônimo disse…
Eu gostei parabens
Zoraya disse…
Excelente, SErgio! Na veia, essa.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …