Pular para o conteúdo principal

O CAMISA-VERDE (Continuação) >> Albir José Inácio da Silva

(Continuação)

Quando os homens da lei desafivelaram seus próprios cintos, Dito estremeceu. A coisa podia ser bem pior que uma morte pura e simples – apavorou-se.

Mas as ditaduras podem ser generosas quando o adversário não representa grande ameaça. E tudo o que Dito experimentou foi uma surra de cintos militares e civis. Siá Maria o encontrou um frangalho, deitado numa folha de bananeira e coberto com outra. Se sua pele não estava muito íntegra, dignidade e macheza foram preservadas. Até porque surras não lhe eram novidade e não maculavam sua honra.

Siá Maria cuidou dele como sempre, lavou, aplicou compressas, ungüentos e rezas por três dias. No quarto dia ele se levantou, colocou roupa limpa, procurou trabalho, foi à igreja, se confessou e espantou primeiro Siá Maria, depois a todos. Pagou dívidas, pediu desculpas, agradeceu, participou de mutirões.

Veio a guerra e Dito felizmente não participou, arrimo de Siá Maria, que mentiu para o sargento do alistamento, dizendo que só tinha ele de filho. A comunidade, que a essa altura gostava dele, silenciou, e Dito foi poupado.

Dito acompanhou entusiasmado a campanha na Itália e a volta dos pracinhas. Seu nacionalismo, que tinha silenciado a vergastadas, não arrefecera, apenas mudara de lado. Estava mais brasileiro que nunca.

Getúlio Vargas, herói que tinha derrotado o eixo, estava agora ameaçado. Exigiam que ele entregasse o poder, numa tal de redemocratização. Um absurdo de ingratidão.  E como Dito não estava sozinho nesse entendimento, marcou-se uma manifestação de apoio a Getúlio na Candelária, lá no Rio de Janeiro.

Siá Maria, que levantava antes do Sol, estranhou que Dito acordasse tão cedo, mas calou porque ainda não sabia de nada . Dito pediu uma certa roupa que não usava para trabalhar.

- Cê vai aonde, Dito?

Ele custou a responder, o que fez sem olhar pra ela, como se discursasse de cima do coreto:

- É um absurdo o que tão querendo fazer com Getúlio. Mas não vai ser tão fácil, não! Nesse país ainda tem macho de coragem!

Siá Maria ficou só olhando.

Dito encheu com três cacimbas o caldeirão de ferro e foi pra casinha no fundo do terreiro. Siá Maria andou até o marmeleiro. Quando ouviu o barulho da primeira cuia de água caindo, ela entrou na casinha.

- Quê que é isso, Siá Maria, eu tô pelado?!

- Pois é assim mesmo que eu te quero.

Quando as quase indestrutíveis varas de marmelo atingiram pela primeira vez as costas, Dito, que tentava proteger o rosto, fez um escândalo. Depois foi diminuindo o volume. Perdeu a noção de tempo, mas foram muitos minutos.  No final já não gritava, gemia guturalmente a cada fustigada. Siá Maria saiu do banheiro e deixou cair no chão o que sobrou da rama.

Dito não vestiu a roupa, mas amarrou a toalha na cintura. Mingau de fubá e café já estavam na mesa quando entrou. Enquanto ele comia, Siá Maria aplicou compressas e unguentos nas suas costas. Depois foi ao roçado avisar que ele acordou com desarranjo e não ia trabalhar.


Dito, hoje, velhinho, acha que em política não há lado bom. E que quanto mais longe, melhor.

Comentários

Zoraya disse…
Rsrsrs, boa!
Carla Dias disse…
O que uma vara de marmelo não faz pela política :) Fica o dito pelo não dito.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …