Pular para o conteúdo principal

INVEJOSO >> Zoraya Cesar

Espichou o pescoço acima do muro e olhou longamente para a grama do vizinho. Que, se não era mais verde, parecia mais apetitosa. (Não que Antonio fosse um ruminante no sentido estrito da palavra – talvez no sentido lato, vejamos). 

Sua esposa seria definida como “mulata sestrosa”, se ainda soubéssemos o que isso significa. Todos diziam que Antonio era um homem de sorte: cama, mesa e banho, ela dava conta de tudo, com louvor. 

Algumas pessoas, no entanto, nascem com o germe da verde, pegajosa, jamais assumida inveja. O invejoso nunca se contenta com suas posses e haveres; mesmo vestindo Armani, cobiça a camiseta Renner do vizinho. Quase uma doença, não fosse mau-caratismo mesmo.

Falávamos de apetites, então, e também de mulheres, gramas, muros e o que mais? Ah, vizinhos. Cortemos as psicanálises e entremos diretamente no terreno alheio. 

Moema, a mulher do vizinho (que, ao contrário da letra do João Bosco, não sustentava  qualquer vagabundo), era uma coisinha franzina e esquálida, loura pálida, de grandes e aquosos olhos azuis que pareciam constantemente espantados com o mundo. Desenxabida que fosse, tinha marido. E que marido! Trabalhador, gentil, bonito. Mais que bonito, usemos de sinceridade, Romualson era gostoso, pronto. E babava de amor por sua branquelinha. (Gosto não se discute. Quem ama o feio, bonito lhe parece. O coração tem razões que a razão desconhece. Nenhuma dessas platitudes explica coisa alguma, mas dão assunto pra conversa).

Escondido atrás da janela, como uma maricotinha qualquer, Antonio se retorcia de inveja vendo Romualson sair, feliz da vida, de mãos dadas com sua lambisgoinha. E a inveja – é bom que vocês saibam – estimula a imaginação. Antonio, mesmo tendo um mulherão em casa, sonhava com o corpo ossudo, mais parecendo o de um menino, a pele branca de Moema, seus vestidos largos, seus olhos desmesurados. 

Começou a cercar a vizinha, cheio de boas atitudes. Vou dar uma volta, D. Moema, quer alguma coisa? Pão quentinho? Jornal? Deixe que eu carrego suas compras. Ao encontrá-la, parava, falava sobre o tempo, a inflação, as eleições. Aos poucos foi se tornando mais íntimo. A senhora parece pálida, ta tudo bem? Seu cabelo, me permita, está mais bonito hoje... e assim por diante. 

Verdade seja dita que Moema, tímida, respondia a tudo negativa ou monossilabicamente, dependendo da abordagem. E mais a desejava Antonio, que, aliás, passara também a reparar na casa dos vizinhos, achando-a maior e mais bonita que a sua. Pura distorção, claro, uma vez que todas as casas do condomínio eram iguais.

E a mulher de Antonio? Nada percebia? Nada dizia? Ah, percebia sim, não era boba. O marido sempre fora invejoso, mas ganhava um bom salário e lhe dava conforto. Desde que não deixasse de pôr dinheiro em casa, nem abandonasse o casamento, ela deixava o barco correr.

Mas, como tudo na vida, essa história também chega a um fim. 

Dizem que água mole em pedra dura tanto bate até que fura. Um dia Moema, inesperadamente, convidou-o para entrar e tomar um café, numa voz baixinha e musical. Ele vibrou. Mais do que satisfazer sua luxúria com aquela esbranquiçada lavada a sabão em pó, ele queria ver se, por dentro, a casa dos vizinhos era melhor que a sua. 

Moema não pareceu contrariada com a mudança de atitude. Mostrou-lhe a casa toda, cômodo por cômodo, inclusive o banheiro, onde ela o trancou. Começou o pesadelo. Me tira daqui, me tira daqui, gritava ele. Só se você passar toda sua roupa pelo basculante, exigiu Moema, inclusive a cueca. Antonio, desesperado, passou. Espere um instante, ela ciciou. 

O instante chegou junto com Romualson. Que abriu a porta e deu logo duas chapuletadas num desnorteado Antonio, que, nu e apavorado, foi facilmente subjugado pelo forte – tanto mais que irado – vizinho. 

- Tava dando em cima da minha branquela, né palhaço? - Antonio bem que tentou, mas a dor dos tapas e o medo o impediram de responder o que quer que fosse. - Toma aí o que você queria, disse o ofendido vizinho.  

E o inusitado aconteceu. Moema subiu o vestido, desceu as calçolas e deixou à mostra um enorme – digamos – membro viril. 

Sem entrar nos detalhes sórdidos, revelo, no entanto, que a situação fora previamente combinada entre os vizinhos – já cansados do assédio - e a mulher de Antonio, que, parada à soleira da porta, a tudo assistiu e filmou. Depois, Romualson levou Antonio até a porta, jogando suas roupas na calçada.

Morto de vergonha e de outras dores, ele correu pra casa, segurando suas roupas na mão, rezando pra ninguém ver sua ignomínia. 

Sua mulher o esperava, com um banho de assento já pronto, uma pomada para assaduras e uma declaração:

- Se um dia, qualquer dia, você sequer pensar em sair de casa e me deixar sem nada, eu divulgo esse filme pros amigos, pro pessoal do trabalho, pra toda família. Tá entendendo?

Antonio abaixou a cabeça, humilde e arrasado.

Alguns meses se passaram, e, da janela, Antonio viu chegarem novos vizinhos ao condomínio, numa caminhonete já bastante usada. Que pick-up bonita, pensou ele, muito melhor que a Hilux que tenho na garagem...

(..."querer o que é dos outros é o seu gozo, e fica remoendo até o osso, mas sua fruta só lhe dá caroço... " Invejoso, Arnaldo Antunes)


Comentários

Ana Luzia disse…
ô, minha amiga, contra inveja, cobiça e mau olhado, só muito patuá... esse pelo menos declarava a inveja, rsrs...

bj!
Anônimo disse…
Quem muito inveja acaba recebendo, mas nunca é o que imaginava.
E ele, como todo invejoso, não consegue se livrar do bicho da cobiça ao que é do próximo...

Cecilia
aretuza disse…
boa paga para o invejoso! melhor que arruda e sal grosso contra!
sergio geia disse…
Poxa, Zoraya, essa você pegou de jeito. Não foi a branquelinha que eu imaginei rsrs Muito boa
Erica disse…
Tem invejoso que não aprende, né?... Ri muito.. Vc é máaaaaaaaaaaaaaaaaa kkkk
albir silva disse…
Na minha infância diziam: quem procura o que não guarda, quando acha não conhece!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …