Pular para o conteúdo principal

O MENINO PASSARINHO >> Paulo Meireles Barguil


Era uma vez um menino que desejava voar.

Correr era algo que ele gostava de fazer, mas não o saciava, tamanha a sua vontade de conhecer outros lugares.

Enquanto não aprendia a nova habilidade, exercitava ao máximo as suas pernas, pois acreditava que  elas seriam necessárias no momento da decolagem.

No colégio, adorava jogar futebol e brincar de pega-pega.

Era fora da sala de aula que ele, assim como para quase todos os estudantes — de ontem, hoje e, talvez, amanhã — tinha seus momentos mais divertidos.

Quando ele tinha 9 anos, ao retornar do recreio, ouviu um barulho fora da sala e pediu à professora para ver o que estava acontecendo.

— Por essa porta, você não passa! — respondeu a mestre.

Para conciliar o seu desejo e a negativa da professora, o menino decidiu pular a janela.

A gritaria foi enorme: os colegas rindo e a docente chamando-o de volta...

Ao retornar da investigação, como era de se esperar, foi encaminhado à Diretoria.

Nesse ano, os conflitos do menino na escola só aumentaram. Seus pais, por não saberem o que fazer, decidiram o colocar numa gaiola.

O menino cresceu, mas nunca desistiu de voar.

Tal qual um presidiário, utilizava a maior parte da sua energia esboçando planos uma improvável fuga do cativeiro ou do que gostaria de fazer quando a liberdade lhe fosse, enfim, restituída.

Outro passatempo preferido era descobrir os pontos fracos dos seus carcereiros, os quais estavam sempre mudando.

Apesar de tudo, ele continuava a correr, mas sem o mesmo ânimo de outrora. A bicicleta, companheira de longa data, era uma alternativa interessante para explorar o mundo.

Os ponteiros continuavam a rodar e ele descobriu que uma motocicleta — por ele batizada de Vitalina, em homenagem à música Vital e sua moto, dos Paralamas do Sucesso, e numa referência jocosa ao seu estado emocional — era ainda melhor!

Durante quase 2 décadas, andar de moto, mesmo que de forma cautelosa, permitia que o menino sentisse que estava voando.

Há quase quatro anos, um acidente com as suas asas postiças retirou dele uma das suas maiores alegrias, bem como, temporariamente, a sua capacidade de andar.

O processo de cura — física e emocional — foi demorado, mas ele conseguiu, além de voltar a correr, fazer as pazes com seu (suposto) algoz.

E comecei, enfim, a voar...

Comentários

bernadete disse…
O menino que cria asas é um menino que tem olhos grandes e abertos para o mundo.
De início o menino pode pensar que o mundo que ele quer voar é o mundo das coisas.
A vida lhe deu outras asas para ele entender que o mundo ao qual queria passagem era o interior, onde há o bem mais precioso da vida: nossos sonhos, nossos desejos, nós mesmos, como somos e merecemos expressar-nos.
Que o menino recolha as lentes e debruce o olhar ao amor, a ele dispondo-se e despindo-se a ser nudez, sem nenhuma castidade. Apenas a força da vida, na sua expressão Divina.
Assim seja!
Zoraya disse…
Que o menino continue a correr, a voar, tudo!
Gisele Peixoto disse…
Que o homem crescido do menino possa continuar voando na imaginação e menos nas ilusões da mente - a grande gaiola que aprisiona o nosso ser.
E continue a mexer com as janelas, seja pulando, abrindo ou fazendo serenatas para elas.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …