Pular para o conteúdo principal

INVEJA >> Whisner Fraga

Cacá Diegues nos alertava, em 1978, a respeito da existência de um patrulhamento ideológico que dominava o afetado cenário intelectual brasileiro da época. Mudam-se os meios, ficam a mentalidade e a tradição. Essa patrulha age sorrateiramente nas redes sociais, motivada, sobretudo, pela inveja. Assim, quando um "amigo" (porque somos todos amigos nas redes) posta uma foto, devidamente tratada em algum Instagram da vida, de uma faustosa alheira ou de uma cardíaca feijoada, o que está expondo não é somente a sua fome ou o seu requintado padrão gourmet. Não. Para os "amigos", está achincalhando a boa vontade alheia. Para os "amigos", aquela postagem suscita as seguintes reflexões: 1) Puxa, o cara ganha uma mixaria, mas vai direto a restaurantes chiques. Que merda é essa? Tem algo errado. 2) Ué, ele não tinha de estar trabalhando agora? 3) Nossa, e aquele/a vinho/cerveja ali do lado. Não é que o sujeito é alcoólatra mesmo?

É evidente que a patrulha não tem umbigo ou, se tem, não se dá ao trabalho de olhar para ele, pois está muito ocupada peneirando informações válidas sobre a vida dos outros. O que está por trás de toda essa vigilância é a questão: por que ele e não eu? E não é você porque a sua ganância e a sua sovinice e a sua apatia não o deixam tirar o adiposo bumbum dessa sua chique cadeira giratória para tentar fazer algo do que lhe resta de vida. A natureza humana é poderosa. Ela recita o dia inteiro baixinho em nosso ouvido como é duro suportar o sucesso do "amigo", mesmo que esse "sucesso" seja somente uma farsa encoberta por um enquadramento bem-sucedido.

Na Internet somos todos fingidores e divulgamos apenas o lado bom de todas as coisas, inclusive de nós próprios. É como se vivêssemos em eterna paquera: tudo é retocado, burilado. Não faço apologias a nada, não acho que isso seja bom ou ruim. O que quero deixar é um alerta: não caiamos nestas armadilhas virtuais. Que tal um pouquinho de verdade nesses perfis idealizados?

Outro dia um desses amigos, que, por coincidência, é um conhecido na vida real, veio me alertar que eu devia parar com essa história de literatura, para eu evitar de postar no Facebook minhas impressões sobre livros, sobre participações em eventos literários, que isso podia pegar mal no trabalho. Como se toda a minha carreira literária não fizesse parte de um labor intelectual que me dá muito prazer e que é também um pedaço de minha biografia. Um recado: nenhuma patrulha vai me pegar.

Não me canso de defender que tenho, hoje, duas ocupações: a docência e a escrita. Ainda não conseguiria abandonar uma ou outra, pois gosto de ambas. E acredito que sou relativamente bem-sucedido nas duas, pois sempre tento impor qualidade ao que faço. E qualidade tem como pressuposto o trabalho árduo e a consciência de que o melhor de nós é o mínimo que temos de imprimir às tarefas que nos são confiadas.

Comentários

Élida Regina disse…
Parabéns pelo texto!
sergio geia disse…
Amigo Whisner. Como você, escrever pra mim é algo existencial; o dia não se completa sem um tempinho de criação. Agora fala sério essa patrulha, hein? Parabéns pela crônica e obrigado pela acolhida.
whisner disse…
Élida, Sergio e Eduardo, abraços aos três.
Zoraya disse…
Bom demais, Whisner! (novidade... rsrsr)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …