Pular para o conteúdo principal

A VÉSPERA TRANSFORMADA EM DIA DE...
>> Carla Dias >>

O Dia dos Namorados, neste ano, acontece na véspera, que não há amor que se dobre a uma Copa do Mundo. Ainda que eu seja avessa às comemorações de calendário — que sou das que acredita que todo dia é dia de índio e de amor bem cuidado —, não resisto a um bom romance.

Por isso hoje, véspera que se tornou dia, escreverei sobre os filmes que, em minha opinião, são românticos pra dedéu.

Anna e o Rei

Vou começar com um filme que é uma lindeza, da história ao figurino, da fotografia às interpretações dos protagonistas. Em Anna e o Rei (Anna And The King/1999 – direção: Andy Tennant), Anna Leonowens (Jodie Foster) é uma professora de inglês, viúva e mãe de um menino, que vai para o Sião para ser tutora dos 58 filhos do Rei Mongkut (Chow Yun-Fat).  Foster e Yun-Fat mergulham no flerte, enquanto a revolução acontece e o choque cultural é inevitável. Um filme de delicadeza, apesar dos confrontos. Culpa da sintonia entre Foster e Yun-Fat.

A Última Ceia
A Última Ceia (Monter’s Ball/2001 – direção: Marc Forster) é uma história de amor permeada pelo preconceito e nascida na tragédia. Hank Grotowski (Billy Bob Thornton) trabalha em uma prisão com seu filho, Sonny (Heath Ledger). Racista, seu maior desafio é lidar com os negros presos, entre eles Lawrence Musgrove (Sean "Puffy" Combs), que recebe com frequência a visita da sua esposa,  Leticia (Halle Berry). Quando Hank e Leticia vivem tragédias pessoais em um mesmo momento, eles se unem na dor, o que oferece uma das cenas de amor mais dolentes e bonitas do cinema.

A Razão do meu Afeto

A Razão Do Meu Afeto (The Object Of My Affection/1998 – direção: Nicholas Hytner) é um filme da leva dos “uma graça”. Primeiramente, porque o casal em questão é formado por Paul Rudd e Jennifer Aniston, e eu acho o Paul Rudd, mesmo quando ele faz aquelas comédias rasgadas, que não me apetecem, uma graça. No filme, a assistente social Nina Borowski (Aniston) conhece George Hanson (Rudd), que acabou de ser dispensado pelo namorado. Eles acabam dividindo o apartamento e o que acontece não é novidade no cinema: a mocinha, que engravida do namorado, apaixona-se pelo mocinho e amigo gay. Filme bonitinho, mas não ordinário. Digno de ser assistido mais de uma vez.

Feito Cães e Gatos

Feito Cães e Gatos (The Truth About Cats And Dogs/1995 – direção: Michael Lehmann) é das minhas comédias românticas preferidas. Tem Uma Thurman, a fantástica Janeane Garofalo e o ótimo Ben Chaplin. E um cachorro danado. Abby Barnes (Garofalo) é uma veterinária que tem um programa no rádio e ajuda as pessoas a lidarem com seus bichinhos de estimação. Bem-sucedida profissionalmente, sua vida amorosa é um deserto a se perder de vista. Agradecido pelas dicas que Barnes lhe deu para lidar com seu cachorro, Brian (Chaplin) decide ir até a rádio para agradecê-la pessoalmente. Mas Barnes não se acha nada atraente, por isso se descreveu a Brian, pelo telefone, como se fosse a linda e sedutora Noelle (Thurman), sua vizinha. Com um toque de Cyrano, a história segue, mas o filme realmente mostra seu valor pelo talento dos atores envolvidos.

Apostando No Amor

Mas o amor também machuca e todos nós sabemos disso. O que não torna uma história de amor ruim. Assistir Apostando No Amor (Dogfight/1991 – direção: Nancy Savoca) sempre me deixa melancólica. Não pela história, que é sobre quatro fuzileiros navais que devem embarcar para o Vietnã, e antes disso fazem uma aposta: quem arranjar a garota mais sem graça, ganha 50 dólares dos outros. A história em si apenas endossa que algumas pessoas são sem noção. O que realmente me deixa triste é ver River Phoenix. E apesar de adorar Lily Taylor, a mocinha sem graça que ele escolhe — mas acaba que ela tem toda a graça que ele busca em uma mulher —, ainda é um filme que eu gosto e sempre assisto quando passa na tevê, apesar de me dar aquela dorzinha no coração. O mesmo acontece com A Última Ceia, que Heath Ledger, assim como River Phoenix, partiu cedo demais.

Paixão Eterna

Paixão Eterna (Made In Heaven/1987 – direção: Alan Rudolph) é um filme que nos leva além do amor, embarcando na espiritualidade. Mike Shea (Timothy Hutton) é um jovem de uma pequena cidade da Pensilvânia que sonha ir para a Califórnia. O plano era partir com sua namorada, mas ela o abandona. Ele decide ir sozinho, mas no meio do caminho, tentar evitar uma família de se afogar, em um acidente, e morre. No céu, ele conhece a moça da sua vida, Annie Packert (Kelly McGillis). Reencarnado como Elmo Barnett, a lembrança de Annie não é clara, mas o sentimento o assombra. A reconexão dessas almas é o tema do filme, que é muito bom. Eu tinha dezoito anos quando assisti  ao filme pela primeira vez. Tenho quarenta e três, e ele ainda me comove. Acho que é por causa da música, a que serve de dica para que o mocinho reencontre a mocinha. Também dou crédito a Debra Winger, que interpreta Emmett, um anjo nada bacana.

Henry & June

Para fechar as indicações para os apaixonados que vão ficar em casa assistindo aos filmes românticos, ou os solitários que vão assisti-los para alimentar a esperança de um dia ter um par, Henry & June Delírios Eróticos (Henry & June/1990 —direção: Philip Kaufman). Porque um filme erótico e biográfico, com um triângulo amoroso formado pelo escritor Henry Miller, sua esposa June e a escritora Anais Nin, bom, já viu. E se não viu, pode assistir. Philip Kaufman fez um belo filme, e não economizou no elenco. Achei que a escolha de Fred Ward para interpretar Henry Miller foi providencial, assim como Uma Thurman como June, centro das atenções dos escritores. Maria de Medeiros está fantástica como Anais Nin. E tem mais: Gary Oldman e Kevin Spacey.

A minha lista de indicações poderia ser mais longa, mas eu acabaria escrevendo mais do que vocês estão dispostos a ler. Afinal, é Dia dos Namorados de véspera. Vocês têm mais o que fazer.

Somebody to Love - Queen

Comentários

Carla, a véspera caiu nas mãos da cronista certa. :) Vontade de ver ou rever esses filmes todos. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... E tem mais um monte na minha cachola, esperando virar crônica!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …