Pular para o conteúdo principal

PARAR DE PROCURAR? JAMAIS >> Mariana Scherma

Não adianta procurar. Quando você menos esperar, vai acontecer. Ok, pode até ser verdade. O telefone mesmo só toca quando a gente já desistiu que ele toque e a luz do WhatsApp acende quando quase acreditamos no próprio fingimento de que não esperamos mais nada de uma conversa na qual todas as nossas expectativas estavam depositadas. Mesmo assim eu sempre sinto vontade de renegar toda a minha boa educação e mostrar a língua para as pessoas que adoram bater na tecla do “espera aí, sua vez vai chegar”. Desculpe se você é uma delas.

Essa regra do amor, de não esperar, de parar de procurar e de ter paciência, faz o mínimo sentido pra mim. Quando você se apaixona, é mais ou menos como viajar para o lugar mais turístico dentro de si mesmo. É ver tudo mais colorido. É sentir sabor de bolo trufado mesmo comendo bolo de fubá meio seco. Aí o amor se perde e você volta para os dias de bolo de fubá ressecado. Você tem o paraíso. Perde o paraíso. E ainda mandam que tenha paciência. Sério?

Às vezes, fico imaginando o mundo onde as pessoas sozinhas realmente esperassem calmas e desinteressadas pelo amor. Cenário um: bares e casas noturnas faliriam. É fato que é muito mais fácil achar alguém interessante na padaria do que na balada, mas a maior parte dos frequentadores da night está em busca de um amor. Nem que seja um amor de um terço só, sem grandes palpitações no dia seguinte. Se dependesse de boa parte dos casais, esses lugares fechariam cedo e lucrariam bem pouco. Quem vai beber em excesso se tem companhia pra dormir? Cenário dois: as ruas ficariam menos perfumadas. Pra que gastar seu perfume se você está de boa e nem um pouco à procura? Cenário três: existiriam menos sorrisos entre as pessoas. Sabe aquele sorriso-começo-de-paquera quando você se depara com alguém seu número? Pra que olhar em volta se você não está procurando?

A verdade, pra mim, pelo menos, é que o mundo sem a expectativa de se apaixonar é muito chato. Muito cinza. Muito bolo de fubá velho. Talvez as pessoas que adoram dizer “espera, o que é seu tá guardado”, em um passado recente ou não, foram as mesmas que cansaram de ouvir isso, fingiram que acreditaram, mas continuaram buscando seu pedaço diário de bolo trufado. De todas as frases-clichê que a gente ouve, "quem procura acha" é a que mais faz sentido na minha opinião.

Como encontrar alguém pra ficar ao seu lado se você não está procurando? Pra mim, não faz sentido. Talvez existam momentos em que você baixe a guarda rapidinho e seja surpreendido. Nisso, eu até acredito. Como aquela distraída básica que você deu pensando na lista de compras imaginária ou no porquê de as pessoas não protestarem contra a Copa logo que o Brasil se candidatou a sede. Se forem necessárias distraídas rápidas pra se apaixonar, que elas venham aos montes. Ou na quantidade necessária pra deixar nossa vida mais parecida com uma caixa de 36 lápis de cor. E sobre os clichês "quem procura acha" e "quem espera sempre alcança"... Um já descarta o outro, por isso fico com o primeiro. Tem mais atitude.

Comentários

Anônimo disse…
Como bem escreveu Geraldo Vandré: "Quem sabe faz a hora não espera acontecer." Gostei. Concordo. Compartilhei em minha página.
MariaMariah Menezes
Crônica divertida. :)
Agora... Como quase tudo na vida: meio termo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …