Pular para o conteúdo principal

O GRANDE INCÔMODO >> André Ferrer

Para que serve estudar isto? Quem nunca fez essa pergunta, nunca passou pela escola. Seja qual for a justificativa dos professores, a dúvida costuma sobreviver. De tempos em tempos, ela retorna e, invariavelmente, leva um grande número de egressos a pensar que a escola deveria oferecer respostas mais plausíveis para o mistério. Entre estes, muitos até carregam uma ideia negativa da escola. Tudo porque os professores não teriam conseguido diminuir essa grande impressão de vazio enquanto trabalhavam suas disciplinas. Outros, no entanto, percebem algo extraordinário. Pode ser, por exemplo, que um biólogo jamais volte àqueles capítulos mais penosos da Geometria, mas compreenda com profundidade e respeito que a observação do mundo microscópico dificilmente seria possível sem um ramo da Física chamado Óptica e, antes disso, a Geometria.

Determinadas perguntas são mais importantes como perguntas do que como perguntas sucedidas, obrigatoriamente, de respostas. Parece maluquice. Felizmente, contudo, existe uma disciplina capaz de suprir esse vazio experimentado pelos estudantes. Depois de um longo período no exílio, ela está de volta às grades escolares. Refiro-me à Filosofia.

Qualquer bom professor de Filosofia espera o momento em que um aluno queira saber o valor utilitário dos pré-socráticos ou dos pensadores alemães da segunda metade do século XIX. Ora, se a pergunta vier com uma pitada de desafio, então, nem se fala! Um bom professor de Filosofia sabe que o pensamento não é privilégio de um panteão de homens notáveis. Ele sabe que a rotina de aulas, quase sempre trilhada sobre uma linha de tempo — sim, o programa de História da Filosofia a ser cumprido segundo o calendário letivo —, uma hora ou outra, será brilhantemente interrompida pela manifestação da qualidade definidora do gênero humano: o pensamento. Então, o bom professor jamais deixará escapar essa oportunidade.

A ideia de que “filosofar” é um ato especial demais para alunos é tão nociva quanto aquela ideia que define Filosofia como uma atividade exclusivamente idealista. E o culpado disso é um pensador chamado Platão. Graças a ele, alguns professores creem cegamente no divórcio entre o mundo real (prático) e o mundo das ideias. Dá para imaginar o que esse grupo de professores responde quando um aluno pergunta sobre a utilidade da Filosofia?

Muito depois da época de Platão, na Alemanha, a crise do idealismo balançou a Filosofia.  Entre os críticos dessa tradição também houve uma bifurcação. Marx dobrou à esquerda. À direita, Schopenhauer e Nietzsche. Bem, de qualquer maneira, uma forte postura crítica se afirmou contra o pensamento dominante originado na Grécia Antiga. Por isso, os filósofos alemães do século XIX são tão importantes: o seu grande incômodo levou a perguntas e a uma crise, que levou a mais perguntas e reflexão.

O combustível da Filosofia é a dúvida. Para refletir sobre si e se colocar no mundo sensível, o homem conta com esse motor desde o primeiro pulsar da consciência. Então, até quando haverá perguntas a respeito da utilidade da Filosofia ou de qualquer outra disciplina? Enquanto existir o ser humano. Eu espero.

Comentários

Me fez voltar no tempo, quando cheguei até a pensar em cursar Filosofia. :)
Zoraya disse…
Nossa, eu também, e tudo por conta de um professor sensacional que tive no colégio, que falava de e ensinava Filosofia com uma alegria, um desassombro, era maravilhoso.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …