Pular para o conteúdo principal

UM ASSUNTO DELICADO >> Whisner Fraga

Outro dia fui almoçar num shopping de São Paulo e vi dois homens subindo a escada rolante de mãos dadas. Fiquei pensando na coragem daqueles sujeitos, porque todos andam acompanhando que a coisa anda feia para o lado dos homossexuais. Infelizmente, é lógico. Achei muito bonita a atitude do casal, o carinho que demonstravam um pelo outro, mas ao mesmo tempo fiquei com receio por eles. Em todo lugar há gente belicosa, disposta a bater, a atirar, para defender seus preconceitos.

Aí o pensamento debandou para os lados do Vaticano. É claro que a igreja católica não aceitará tão cedo a união gay. Para que a admitisse, seria necessária uma edição revista da Bíblia, que em vários pontos condena o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Esperar que um Papa dê sua benção sobre este assunto, portanto, é bobagem. Mais fácil seria que os homossexuais desistissem dessa história de religião e focassem em Deus, que, se existir, deve ser um ente livre de intolerâncias.

Eu mesmo já participei de missas e vi muitos padres gays professando a fé nos ensinamentos cristãos, como se a doutrina pudesse livrá-los da homossexualidade. Tenho minhas dúvidas, como de resto todas as pessoas deveriam ter. Para não espalharem que falo sem conhecimento de causa, tenho dois queridos amigos que tentaram refúgio na sacristia e voltaram desolados, porque não conseguiram “se curar”.

A violência, como qualquer criatura que tenha estudado o mínimo de história sabe, é um mal da humanidade. O homem é violento por natureza e não há o que se fazer para modificar isso. O que as pessoas rotuladas como “boas” fazem é tentar bloquear sua essência por meio de palavras e, algumas vezes, ações. Mas quando a coisa esquenta, pode ser um santo, que se o gatilho estiver ao alcance, ele o pressiona. Depois basta o arrependimento para chegar ao perdão.

Conheço o estrago que as religiões produzem em nossa sociedade, mas quem não estiver por dentro, pode dar uma lida no livro “Deus não é grande”, de Christopher Hitchens. Bom, mais uma vez me pergunto: que importância tem para os homossexuais a aprovação da igreja? Não sejamos ingênuos, é claro que o reconhecimento de uma entidade tão poderosa seria interessante. Bastaria uma palavra e certamente algo mudaria na cabeça dos cristãos.

Vejam bem: não acho errado que uma pessoa exerça seu poder de escolha religiosa, mas o velho ditado ainda é válido: seu direito termina onde começa o meu. Não gosto que me abordem para tratar de um tema de natureza tão íntima, quanto é a crença em algum Deus. Não aprecio que pessoas sofridamente preparadas venham tentar me convencer que existe um paraíso fora daqui e que, quanto mais eu sofrer neste mundo, mais certamente terei acesso a ele. 

Mas estou tratando de um assunto delicado. Fato é que toda manifestação de carinho é um negócio muito bonito, de maneira que, ao ver os dois homens de mãos dadas no shopping, senti que meu dia melhorava, que as agruras da manhã se dispersavam diante daquela alegria que chegava, sorrateira. Haverá um dia em que não será mais proibido expor em público o afeto que um ser humano sentir por outro.

Comentários

silvia tibo disse…
Torço também pra que esse dia chegue, Whisner!!! Qualquer forma de demonstração de amor é nobre e, acima de tudo, deve ser respeitada!!!
Abraço...
whisner disse…
Sim, chegará, Silvia. Obrigado pela leitura.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …