Pular para o conteúdo principal

EU GOSTO DO KEVIN >> Carla Dias >>



Quem não se lembra de Kevin Bacon em Footloose - Ritmo Louco (Footloose / 1984) é porque nasceu em tempo de assistir ao remake e não ficou a fim de assistir ao original. Aliás, eu assisti ao remake, porque gosto de conferir as variações sobre o tema, e posso dizer, com toda certeza, que nada como Kevin Bacon em Footloose. Nada como a canção tema do filme, cria de Kenny Loggins, interpretada por ele. Nada como aquele riff de guitarra que nos faz sair pulando. Nada como Footloose nos anos 80.


Certas obras não precisam de remake, de releitura, de versão contemporânea, de retoque.

Além de ator, Kevin Bacon também é músico. Há anos tem uma banda com seu irmão, Michael, a The Bacon Brothers, que é muito bacana. Michael Bacon também é compositor de trilhas para cinema e televisão.


Tudo bem que Kevin Bacon me ganhou em Footloose. Eu tinha quatorze anos, dancei aquela música na sala de casa mil e tantas vezes. Fiquei tentando reproduzir na voz o tal riff de guitarra, achando que estava conseguindo, o que era uma eficiente auto-enganação. Assisti ao filme nem sei quantas vezes.


O primeiro filme com Kevin Bacon que assisti, e que me fez acreditar que gostava dele como ator e não apenas por conta do impacto de Footloose, foi Linha Mortal (Flatliners / 1990). Aliás, este é um daqueles filmes que, sempre que passa na tevê, eu assisto. A partir daí, segui assistindo Kevin Bacon, e entre os meus filmes preferidos há vários que ele estrela, e em muitos deles, ele é o vilão da história. O Rio Selvagem (The River Wild / 1994), Sleepers - A Vingança Adormecida (Sleepers / 1996), Ecos do Além (Stir of Echoes / 1999), Encurralada (Trapped / 2002), Sobre Meninos e Lobos (Mystic River / 2003) e por aí vai.


Em O Lenhador (The Woodsman / 2004), Kevin se mostrou extremamente eficiente ao contar a história de um homem que, após doze anos na prisão por molestar garotas menores de idade, luta para se manter na linha. Não é uma história palatável, porque a reação do espectador a um pedófilo é, de cara, que ele se dane no mínimo na mesma proporção do crime que cometeu. Só que, em determinado momento do filme, o espectador se pega torcendo para que esse homem consiga o que deseja. Esse tipo de virada só é possível quando o ator consegue, apesar do peso da história do personagem, comover o espectador. E Kevin Bacon conseguiu nesse filme.


Estreou recentemente no Brasil a série The Following, primeiro projeto para televisão do qual Kevin Bacon participa. Na trama, ele interpreta Ryan Hardy, um ex-agente do FBI responsável pela prisão do serial killer Joe Carroll, interpretado pelo inglês James Purefoy, de quem também sou fã confessa.

Kevin Bacon escolheu este projeto porque o personagem que interpreta é um mocinho cheio de problemas, que vai de um coração danificado ao alcoolismo. E o coração danificado foi um presentinho do serial killer ao agente quando este ainda estava no FBI, na época da captura Carroll, anos antes.


Quando Carroll foge da prisão, Hardy é chamado como consultor para ajudar a capturá-lo. Porém, o que parece uma caça ao criminoso, mostra-se um jogo criado pelo brilhante professor de literatura, um sedutor de primeira, que coloca Hardy como peça central de um grande projeto, que conta com os “seguidores” de Carroll, pessoas que matam e morrem por ele, uma seita de serial killers. E tudo muito bem embasado pela literatura de Edgard Allan Poe, especialidade de Carroll.

Kevin Bacon e James Purefoy estão muito bem como antagonistas e oferecem momentos dignos de Oscar, quer dizer, Emmy.


The Following inquieta por ter uma história plausível, apesar dos acontecimentos absurdos. Basta alguém inteligente e total do mal para dar a largada. E um anti-herói para correr atrás.

A estreia de Kevin Bacon na televisão, esse veterano do cinema, não poderia ser melhor. Um ótimo personagem para um ator como ele dar vida.

 


Kevin Bacon

The Bacon Brothers

The Following
Warner, às quintas - 23h





Comentários

Zoraya disse…
Também gosto do Kevin, Carla! E mais ainda das suas análises cinematográficas!
Carla Dias disse…
Zoraya... O Kevin é demais :)
Obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …