Pular para o conteúdo principal

DE MOCHILA >> Mariana Scherma


Voltei a estudar. Já fazia algum tempo que a vontade de sentar na sala de aula batia à minha porta, mas eu ignorava como se fosse uma daquelas visitas que chegam bem na hora do almoço (sem ser convidadas, óbvio), repetem a sobremesa e tomam conta da sua tevê. Esse ano optei por deixá-la entrar, fiz minha matrícula e tive minha primeira aula na pós-graduação. Quanto diferença e quanta semelhança com todos os meus primeiros dias de aula.

Quando eu era criança (e depois já adolescente), não dormia na noite anterior de ansiedade. Pensando se ia conseguir pegar o primeiro lugar na fileira da janela (ãham, sou dessas que sentam na primeira carteira. Quanto mais perto do professor, melhor. Só não sou puxa-saco, sem chance!). Quando superava o problema da localização, pensava na calça jeans, no tênis... Superada a questão do figurino, olhava outra vez para o meu estojo (que tinha sido arrumado semanas antes), com minhas canetas preferidas com cheirinho e tinta néon. Aí vestia a mochila e ia me olhar no espelho. Sempre amei uma mochila. Até hoje viajo de mochila, dá ares de estudante, de gente que desbrava o desconhecido sem medo, só com empolgação. De gente que sempre quer aprender sobre a vida.

Nesse meu primeiro dia de pós, quanta diferença. Na noite anterior, eu capotei, dormi feito uma pedra (se pedra dormisse...). E, antes da aula, joguei na mochila um caderno que havia ganhado há tempos e fui. Chegando lá, lembrei que não havia canetas, mas achei uma perdida nos profundezas da mochila, deveria estar junto com algum sonho esquecido. É, eu superei o vício em material fofinho de papelaria, quem diria?

Ainda no primeiro dia de pós, me vesti rápido. Optei pela roupa mais confortável, pelo sapato que se ofereceu primeiro pra sair do guarda-roupa e estava ótimo. Maquiagem? Fui de protetor solar e batom. Uma diferença absurda das inúmeras olhadas de espelho na adolescência e daquela necessidade de ir bonita, mas sem parecer exagero, de querer impressionar o menino que eu ainda nem tinha conhecido. Foi aí que percebi que a insegurança da adolescência ficou lá no comecinho dos anos 2000. Eu tinha aprendido uma lição importante e nem percebi: a gente é o que a gente é, não só o que vestimos. Minha mãe me disse isso umas 2.890.228 vezes quando tinha meus 13, 15 anos. Mas, como toda adolescente, achei que ela não me entendia, que não sabia das coisas. Rá!

Quando encarei meu primeiro dia na faculdade, também encarei a mudança de cidade, a saída da casa dos meus pais e o fato de que todos os meus amigos não iam comigo. Meu maior medo foi que a nova turma não gostasse de mim. Bobagem. Fiz amigos incríveis já no primeiro dia e que levo comigo ainda hoje (não só no Facebook). Na noite anterior da pós, nem pensei muito se as pessoas iam ou não gostar de mim. Tinham direito de não gostar, assim como não gosto de um ou outro por aí (tipo Lulu Santos: não desejo mal a quaaase ninguém). Outra surpresa: de cara, conheci gente bem legal, se vão virar amigos só o tempo vai dizer. Em todo caso, estão devidamente adicionados no Face.

Apesar de nessa volta às aulas eu não ter caprichado na letra pra deixar o caderno sempre lindo (impressionante como a gente fica com a letra mais feia depois de digitar tanto, né? Você também?), eu continuo adorando o gostinho de caderno novo, coisa nova que aprendemos, gente nova que entra em nossa vida. Vai ver o segredo da felicidade é conseguir engarrafar essa sensação. Se não der pra engarrafar, o jeito é ir buscá-la na pós-graduação e dentro de gente mesmo, todo santo dia. E buscá-la de mochila nas costas porque soa mais aventureiro. 




Comentários

Nossa, me identifico completamente! Ler essa crônica colocou um sorriso no meu rosto, e olhe só, logo de manhã! Adorei e boa sorte na pós
Zoraya disse…
Puxa, Mariana, me deu vontade de voltar a estudar. Ainda mais agora, livre das angústias da adolescência. Vou já já comprar um caderno novo.
silvia tibo disse…
Belo texto, Mariana!
Deu saudade dos tempos de escola,
quando não havia programa melhor do que ir à papelaria para escolher as canetinhas cheirosas e os cadernos coloridos...
Beijos!
albir disse…
Mariana,
livros e cadernos novos sempre me remetem a essa sensação, mesmo num curso de pequena duração ou numa capacitação profissional. Acho que rejuveneço.
Mariana Scherma disse…
Obrigada, gente! Adoro os comentários :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …