Pular para o conteúdo principal

PASSEIOS >> Whisner Fraga

Depois que nossa filha Helena aportou neste mundo, tudo mudou de uma forma divertida e radical. Nem vou falar da alegria que é acompanhar uma criatura atiçando seus sentidos para compreender o mundo, porque é assunto batido e, portanto, chato demais para os leitores desta página. Tampouco vou falar do preço abusivo do vestuário infantil, embora eu reconheça se tratar de tema mais interessante do que o anterior. Para que eu pudesse discorrer sobre tal matéria, teria de recorrer à minha esposa, que neste momento desfruta de alguns instantes de lazer na casa da vizinha.

A crônica de hoje é sobre viagens. Sair por aí de carro, seja para visitar a família, seja para passear em alguma cidade turística, se tornou uma aventura que requer paciência e bom senso. Bom  senso é algo complicado quando o que mais queremos é levar nossa casa conosco, quando desejamos transpor o conforto do lar para algum hotel duas estrelas. Eu tento cortar: esse brinquedo não cabe; ah, ela não precisa dessa roupa; para que levar tanta fralda? e assim por diante. Dou constantemente graças a Deus por ter uma mulher tão compreensiva, porque eu no lugar dela já apelava logo de cara.

Daí que nem metade do que queríamos levar conosco cabia no porta-malas do velho Gol, o que significava que precisávamos de um carro maior. A coisa chegou a ficar engraçada, porque decidi que compraríamos um porta-malas e ganharíamos um carro de brinde. O que vinha junto com a parte traseira não nos interessava. Aqui vou fazer uma comparação com o salário de qualquer cidadão: sempre gastaremos mais do que ganhamos. Fazendo um paralelo: os mais de 500 litros de volume não foram suficientes para tanta parafernália.

Até aí tudo é festa. O problema começa quando a avó mora no décimo-segundo andar e são necessárias oito viagens para carregar a mudança. Quando chegamos, todos só querem saber da criança, é afago daqui, beijo dali e ninguém se lembra de ajudar com o transporte. Tudo bem, o que são quatro horas dirigindo, né? E não adianta pensar que dá para levar os cacarecos depois, porque não dá. Criança não espera, nem pede licença para fazer xixi ou tem vergonha de chorar quando está com fome. E vamos lá, passear com o elevador e brincar de falar oi para o porteiro.

Alguém aí está pensando que o retorno é mais sossegado? Não é. Porque, geralmente estão acordando o bebê, preparando o café da manhã e a ajuda que recebo da esposa na chegada não tenho na saída. Tento encurtar o martírio carregando seis, sete malas de cada vez. Logo percebo, pelo sorriso das pessoas, que não é uma boa ideia. À noite, o braço e as costas confirmam a suspeita. Alguém está se reconhecendo na trama?

Mas sabemos que são uma espécie de obrigação estas visitas. Os avós envelhecem e, como velhos, têm direito a certos abusos. Há algumas situações emblemáticas. Como quando estão lá, brincando com a criança, pedindo para que ela repita: “Eu amo a vovó” ou “Eu adoro o vovô” ou frases do mesmo naipe, e de repente se cansam, chegam com o neto nos braços, entregam o infante ao primeiro que encontram pela frente e correm para a cama, ensonados e cônscios de terem cumprido um papel qualquer, que nem eles sabem ao certo qual é. Só têm uma certeza: precisam mimar o neto, necessitam de estragar o neto. E mal desconfiam que talvez esse seja o seu papel principal.

Comentários

albir disse…
Verdade, Whisner, uma de minhas melhores lembranças é ter sido estragado pela avó.
Zoraya disse…
Puxa, Whisner, é melhor vocês aprenderem a viajar com menos bagagem. Nao para Helena, mas para vocês, claro. Basta uma calça e algumas blusas. E talvez deixar alguns utensílios nas casas estratégicas. E, talvez, fazer uma musculação para carregar as malas, pois a verdade é que, quanto mais Helena crescer, mais coisas ela vai querer carregar, hahahah. Beijos e quero mais histórias a partir da Helena!
Zoraya disse…
Puxa, Whisner, é melhor vocês aprenderem a viajar com menos bagagem. Nao para Helena, mas para vocês, claro. Basta uma calça e algumas blusas. E talvez deixar alguns utensílios nas casas estratégicas. E, talvez, fazer uma musculação para carregar as malas, pois a verdade é que, quanto mais Helena crescer, mais coisas ela vai querer carregar, hahahah. Beijos e quero mais histórias a partir da Helena!
Leticia disse…
Whisner, nesta crônica você se superou. Me identifiquei muito com a situação, afinal tendo a "vida cigana" que tive, me vi muito entre malas, esteiras de aeroportos "pegando" as malas pesadas com "coisas das crianças", bagageiro dos carros cada vez "menores" e os mimos dos avós com a mulecada... Muito bom...
silvia tibo disse…
Que lindo texto, Whisner!
Relaxe! Em breve Helena poderá carregar sua própria malinha...rsrs.
Grande abraço!
whisner disse…
Albir, Zoraya, Leticia e Silvia, obrigado pela leitura e pelo carinho. Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …