Pular para o conteúdo principal

ENTÃO, JÁ FOI >> Carla Dias >>


Morte é uma consequência da vida, que é complicada de se aceitar sem dramas, ainda que sejam dos interiores, dos escondidinhos. Penso assim porque acredito que a morte faz mais sentido para os que ficam. Porque apesar de amarmos a pessoa, de ser fato que sentiremos falta dela, que vai ser muito difícil lidar com a ausência dela, depois da notícia do seu falecimento, passamos a pensar em nós mesmos. Prova disso é que, um dos primeiros pensamentos de quem recebe a notícia do falecimento dos seus afetos costuma ser o que será de mim sem essa pessoa?

De alguns anos para cá, tem sido mais complicado receber a notícia da passagem de alguns. Isso porque, quando crianças, adolescentes até, ao sabermos da morte de alguém, lidávamos com isso sem detalhes. Era como se a pessoa simplesmente parasse de nos visitar, ou tivesse se mudado de casa, deixando uma saudade a ser desfiada durante os encontros familiares e os muitos álbuns de fotografia.

Não estou diminuindo a importância das pessoas, mas sim assumindo que a morte alheia é um estopim para refletirmos sobre a nossa própria vida.

Quando adultos, a morte vem com as experiências de quem se foi misturadas às nossas. Não é mais a sensação de sala vazia, de alguém não pode mais nos visitar. A partir daí, já sabemos onde e por que a pessoa nos deixou. Viu só? Uma das formas de falarmos sobre alguém que morreu é “ele/ela nos deixou”.

Minha mãe tem uma forma muito peculiar de dar a notícia sobre a morte de alguém. Invejo a forma como ela lida com a morte, porque me parece muito mais tranquila, com a aceitação real de que a morte é o que tem de ser, independente do como aconteceu. Do ano passado para cá, foram algumas vezes que ela me ligou e disse: Sabe fulano? Então, já foi.

Já recebi a notícia sobre a morte de algumas pessoas e de diversas maneiras. Quase sempre, esse momento veio carregado de uma comoção que, em alguns casos, nem mesmo eu compreendia. Eu que fico prestando muita atenção, que me esforço para entender, mas que não consigo compreender como reagem, diante da morte de alguém, aqueles que nunca foram respeitosos ou amáveis com essa pessoa. É como se a morte permitisse uma consideração que, em vida, era inviável.

Até me voltar ao que acredito: a morte do outro faz com que reflitamos sobre a nossa vida. A empatia chega tardiamente.

Para mim, a forma como minha mãe dá a notícia é das mais justas. Quando escuto o já foi, acabo sempre imaginando a pessoa indo mesmo para um lugar mais aprazível, mala, cuia e tranquilidade. Automaticamente, acabamos falando sobre ela, sobre coisas bacanas que ela fez, mas sem esquecermos que, como qualquer ser humano, ela também tinha lá seus defeitos, seu acúmulo de escolhas que deram em consequências ruins. Morte não apaga biografia. Pensamos na pessoa como ser humano que é, deixando para mais tarde o mergulho em nossos insights sobre a morte e a fragilidade da nossa própria existência.

No tarô, a carta A Morte nos dá outra dimensão dessa passagem. Ao contrário do que parece aos que não conhecem o oráculo e os significados das cartas, imagina-se a morte como a que presenciamos cotidianamente, como o fim. Muitos sábios, valendo-se ou não de oráculos, concordam que a morte mantém significados muito mais profundos. Que a morte não é o fim, mas uma continuação. No caso da carta de tarô, ela significa renascimento, ainda que mediante um fim necessário.

De qualquer forma, escolho pensar a morte assim, como essa ponte pela qual aqueles que já foram passam, reunindo-se logo adiante para um cafezinho. Gosto de pensá-la poeticamente, ainda que as circunstâncias da partida não tenham sido das mais compatíveis com a tranquilidade que todos desejamos neste momento. E que isso inspire a pensar sobre mim, sobre o que precisa morrer para me permitir renascer em paz com alguns aspectos da minha própria existência.

O dia em que alguém disser Sabe a Carla? Então, já foi., espero que seja um dia em que alguém me imagine carregando malas cheias de livros, discos e filmes, e todos os desenhos-rabiscos que meus sobrinhos desenharam para mim quando crianças, e as cartas que guardei com muito carinho, as fotografias dos que amei nessa vida.

E que, por favor, lá tenha café.

carladias.com

Comentários

silvia tibo disse…
Linda forma de encarar a morte, Carla... como uma ponte que nos conduz ao reencontro de pessoas queridas... e que incentiva os que ficam a repensarem suas atitudes.
Beijo!
albir disse…
Até a morte fica palatável na poesia de Carla. Beijo.
Carla Dias disse…
Silvia... A morte, como parte da vida, aprecia as pontes. Beijos.

Albir... Obrigada. E beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …