Pular para o conteúdo principal

ENCONTRARAM-SE >> Albir José Inácio da Silva

Não, talvez melhor dizer desencontraram-se. Porque não se pode chamar de encontro uma tal repelência. Também não foi marcado, não foi querido, planejado. Foi obra do acaso, e o acaso, quando quer, trabalha mal. Mas se alguém quiser insistir no tema, pense num encontrão.


Teriam se evitado, teriam tomado direções opostas se desconfiassem da existência um do outro. Mas, sabe-se lá por que coincidência, esbarraram-se. E repugnaram-se.


“Docinha” como era conhecida, desmanchava-se em delicadezas, singelezas e doçuras. Voz de anjo e jeito de fada, sonhadora, de sua boca só se ouviam carinhos, homenagens e orações. De suas mãos, só afagos.


Ele, um ogro mesmo, como era chamado. Voz alta, mal-educado, arrotava e xingava em qualquer lugar. Mulheres, para ele, objetos. Chatinhas, mas, quando não eram muito frescas, atendiam umas vontades. “Servem quando servem”- dizia sempre.


- Um brucutu, só a custo deve manter-se nos dois pés. Quando ri parece relinchar. Pode haver alguém mais sem noção? – perguntava a moça.


Ele contra-atacava que ela desatendia ao mínimo para uma mulher. Conseguia não ser bonita nem feia nem interessante. Uma mosca morta, uma insignificância. Irritava-o, não pelo que fazia, mas porque existia.


O acaso nem sempre convence, e as coincidências desafiaram os números. Viram-se mais vezes e desdenharam-se outras tantas. Xingaram-se, ela em cochichos e resmungos e ele aos brados e declarações públicas.


Tão ácidos eram os comentários na ausência e as refregas na presença, que todos acreditavam na reciprocidade da repulsa. E ninguém desconfiou quando eles gastaram muito tempo e saliva falando mal um do outro. O assunto já não interessava, mas eles continuavam. Prometiam novos e maiores desaforos para a próxima vez. E, por acaso, e só para brigar, encontravam-se.


E foi assim que um dia, de novo, encontraram-se, provocaram-se, desafiaram-se. Experimentaram-se. Provaram-se.

Aprovaram-se e fundiram-se. Ela, comedida, conteve-lhe a fúria com a boca, os braços e as pernas. Ele, espaçoso, espalhou pelo quarto as dúvidas, os melindres e os limites dela.


Com sofreguidão, liquefizeram-se. E o bruto falou de “ternura, casamento e amor eterno”. E a doçura replicou em “cale-se, mais força e deixe-se de lirismos”. Com arrebatamento, liquidaram-se e ressuscitaram-se.


Mas deixemo-los, que não somos bem-vindos.


E calemo-nos, que as ênclises são muito cansativas.

Comentários

silvia tibo disse…
A vida e suas surpresas, né?
E opostos se atraindo...
Adorei!!!
Carla Dias disse…
Albir, sabe o que dizem por aí, não? Dependendo do caso, a repulsa nada mais é que o desejo limpando os pés no capacho, desfazendo-se das ofensas. Depois que ele entra, tudo se mistura. Todos se enroscam.
Zoraya disse…
Albir, eu nao tinha lido ainda essa veia romântica! Ficou muito interessante mesmo! O uso do português mais acadêmico, as alternâncias, o final maravilhoso! Adorei.
Élida Regina disse…
É... Como diz o ditado " quem desdenha quer comprar!"...
És talentosíssimo! Nos envolve com suas histórias e ainda nos faz rir...muito! Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …