Pular para o conteúdo principal

EXPECTATIVA BOA>> Mariana Scherma


Não sei se mais, talvez seja tanto quanto. Quero dizer, tanto quanto viajar gosto da expectativa de viajar. Se tem algo que me deixa feliz é abrir um mapa e começar a sonhar. Eu já viajo nessa hora. Em pensamento, tô sempre viajando. E no momento tô mode on e no volume máximo, curtindo essa expectativa das férias que se aproximam. Acho tão saborosa essa espera que não sei se quero que maio chegue logo ou não, porque uma coisa é certa: depois que chega, já começa a acabar.

Em 2010 fiz meu primeiro mochilão sozinha. Um dia antes de embarcar, nem dormi. Meus pais sofreram de me ver partir. Seriam três semanas curtindo o Velho Mundo, mas mais parecia que eu estava viajando também no tempo e indo, sei lá, pra Segunda Guerra, direto para um campo de concentração. Entendo o medo dos meus pais. Eu senti medo, mas o medo bom, que empurra pra frente e joga você dentro do avião. Meu medo passou assim que entrei na sala de embarque, com o coração dolorido por estar feliz e ver meu pai e minha mãe chorando. O combinado em casa era que eu ligasse pelo menos a cada dois dias. Cumpri o acordo e era engraçado, eu ouvia minha voz cada vez mais estridente de alegria (eu sou bem aguda, confesso) e eles, cada vez mais tranquilos. Eles diziam saudade e eu dizia, queria vocês aqui comigo. O problema de fazer o primeiro mochilão é que você vicia, como se provasse uma droga do bem (se é que existe droga do bem). Você se sente tão pequena num mundo tão gigante. Percebe que seus problemas (os meus, pelo menos) cabem numa caixa de fósforo. A sensação é de que o mundo é grande, você tem pernas e vamos lá, desbravar cada pedacinho desse planeta.

Quando voltei, voltei diferente. Não voltei com excesso de bagagem porque viagem faz isso comigo: me deixa num estado tão louco de felicidade que percebo que não preciso de nada material. Voltei com a alma mais leve, com o sorriso mais largo, com saudade e com vontade de voltar logo. Desde então fui guardando uma graninha. Guardei mais ou menos o suficiente e aí me deu aquele medo: vou gastar tudo pra viajar? Acho melhor não... “Mas não foi pra isso que você estava guardando?”, minha mãe me disse, essa sábia. Foi. Aí pensei, pensei e abri a mão. Lembrei que, mesmo mais pobre, sempre volto mais rica das viagens. Minhas lembranças não têm euro ou real que pague, não. Viajar faz eu me apaixonar pela vida e pelo mundo. Ôh delícia!

A você, que perdeu uns minutinhos lendo essa crônica, peço mil desculpas, mas eu sou toda expectativa no momento. Com as outras pessoas, eu me forço a conversar sobre outros assuntos pra não ser cansativa. Mas, durante essa crônica, fomos eu mesma e o computador. Nós dois juntos somos uma eterna busca pela passagem mais barata, pelo hotel mais legal (e mais barato, óbvio). Estou curtindo a espera mais ou menos como uma mulher grávida. Pode parecer exagero, mas, depois que acabar a viagem de férias, nasce uma nova Mariana, mais feliz, mais em paz, muito mais dona e companheira de si mesma. Eu me transformo na Mariana que tem dó de piscar e deixar uma paisagem passar. Eu viro aquela que sorri tanto que parece apresentadora de programa infantil. Eu fico loucamente feliz.

E se puder dar uma dica a você que leu tantas linhas de expectativa, aí vai: fotografe com moderação e só depois de enxergar bem o lugar (olhar com seus próprios olhos é muito melhor). Tente deixar o tablet ou o notebook no hotel (leve no máximo um bloco de papel pra anotar suas sensações). Sorria para os desconhecidos (a gente faz amizades incríveis assim, do nada, só porque está mais feliz). Viaje ao menos uma vez na vida sozinho (você precisa se tornar o melhor companheiro de viagem pra si mesmo, acho que só assim vira um companheiro nota dez aos outros). Olhe para o céu, acho mágico como cada cidade tem o mesmo céu com cores diferentes. Cada tom de azul é único. E, claro, não viaje com excesso de bagagem e tente não voltar com excesso de bagagem, opte pelo excesso de boas memórias, são sempre o melhor souvenir.




Comentários

brisonmattos disse…
era só que faltava...Levar notebook para os passeios.Eu hein!
silvia tibo disse…
Que delícia, Mariana!!! O texto e a sua expectativa!!!
Estou nessa também, aguardando e planejando as próximas ferias, que também serão em maio, como as suas...
Divirta-se! E volte com outra bela crônica pra gente!!!
:D
silvia tibo disse…
Que delícia, Mariana!!! O texto e a sua expectativa!!!
Estou nessa também, aguardando e planejando as próximas ferias, que também serão em maio, como as suas...
Divirta-se! E volte com outra bela crônica pra gente!!!
:D
Zoraya disse…
Valeu, Mariana, viajar é a melhor coisa! Também fico economizando em prol da minha viagem anual de férias, e procurar hotel é tudo de bom! Mas diz pra gente, pra onde voce vai?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …