Pular para o conteúdo principal

CANÇÕES >> Carla Dias >>

Infinito meu
agora que a lua sola
eu amanheço a noite em sua hora

"Infinito meu", Gero Camilo


Eu estava escutando uma canção linda, linda, composta pelo maravilhoso Gero Camilo e interpretada belamente pelo extraordinário Rubi. Eu sei, são adjetivos positivos demais para uma frase só, não?

Não.

Infinito Meu é uma canção especial mesmo. As pessoas envolvidas no feito, então... Artistas capazes de nos virar ao avesso por meio de suas crias.

Escutando a canção, peguei-me questionando o que em mim posso considerar infinito e meu. Separando as palavras, dá-se um novo sentido ao dito. Um infinito meu nem sempre está de acordo com o que é infinito e o que é meu.

Questões existenciais e questionamentos sobre o universo e o ser humano são infinitos. Livros de cabeceira, CDs constantemente no player, filmes que já assisti nem sei quantas vezes são meus. O amor que sinto pelos meus sobrinhos, definitivamente infinito. Os personagens dos meus livros, meus, mas apenas até criarem vida própria.

Minha versão de um infinito meu ainda é incógnita, talvez assim o seja eternamente... Ou infinitamente? Ou possessivamente de tão meu?

Canções como essa me fazem trafegar por sensações que não são rotineiras. Não é medo, não é a insegurança, não é a felicidade efêmera de quando se consegue realizar algo, aqueles minutos em que sorrimos como se fosse a única coisa a ser feita. Elas me abarcam com sentimentos que nem sei se aprenderei a sentir, que acessam partes do meu dentro que desconheço.

Canções como essa me levam a revisitar cômodos vazios, lacunas, a olhar pelas frestas, a observar trincaduras, a reivindicar atenção minha a mim mesma. Permite-me pensar sobre outros, a mergulhar em empatia, a aceitar contradições com a leveza necessária para não mancomunar com culpas. Porque sou hábil com as culpas, e as crio debaixo da barra da saia dos meus melindres. Eu as alimento com esperas, silêncios, asperezas que é para mantê-las em plena forma. Afiadas.

Às vezes, canções como essa me colocam em modo choroso, levando-me a um estado de concentração em distrações. Abstenho-me do mundo, das suas exigências, e ainda que dure por pouco tempo, é como se tivesse tomado uma garrafa de alívio sozinha, no gargalo. E tudo faz um sentido organizado de um jeito que não sei bem como explicar, mas me permite retomar o fôlego, levantar de tombos. Depois, passa.

Passo.

Infinito meu é esse lugar onde encontro a mim, antes de me jogar à vida. Onde me perco, constantemente, de mim. E pressionada pela incapacidade de caber aqui e ali, amoldo-me ao ensejo da sua bondade em me permitir ficar.
Aninho-me, jogo-me ao infinito que é meu somente quando ele decide ser.

Ou quando escuto canções como essa.


INFINITO MEU - RUBI

Comentários

Zoraya disse…
Carla, só uma pessoa sensível como você para escrever e encontrar essas coisas. Belezas.
Carla Dias disse…
Zoraya... Tem muito dessas coisas, dessas belezas por aí. Por isso que, apesar de tudo e mais um pouco, serei uma eterna entusiasta da vida.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …