Pular para o conteúdo principal

UM NOVO PAPA? OU NADA ALÉM DE UM PAPA NOVO? >> Sílvia Tibo




Depois de muita fumaça preta ter ecoado nos ares do Vaticano, teve fim o conclave destinado à escolha do novo representante da Igreja Católica. 

Embora eu não me inclua entre seus seguidores, reconheço a grandeza do acontecimento, que, aliás, ganhou destaque (e quase exclusividade) em todos os meios de comunicação nos últimos dias, a ponto de se tornar, inclusive, um assunto cansativo pra grande parte dos ouvintes e telespectadores. 

Mas a repercussão do fato não poderia mesmo ser pequena. Afinal, pela primeira vez, elegeu-se um latino-americano para ocupar o posto máximo dentro da hierarquia da Igreja Católica, que é, sem dúvida, uma das instituições mais sólidas do mundo. Sem falar que isso aconteceu logo após a primeira renúncia de um pontífice em quase seiscentos anos. 

Confesso que achei positiva a novidade, assim como (acredito eu) a maior parte dos brasileiros, a despeito da famigerada rivalidade que mantemos com os nossos vizinhos argentinos, da qual até nos orgulhamos. 

Pode ser que, depois da boa nova, as atenções do mundo se voltem um pouco mais para o nosso Continente, o que já representa alguma mudança e é, sem dúvida, algo positivo. Mas não creio que as transformações irão muito além disso. 

A escolha de um papa não europeu representa apenas um pequeno sinal de abertura dentro da Igreja Católica, que, ao que parece, não se flexibilizará a ponto de romper com certos dogmas que já não guardam qualquer coerência e pertinência com o mundo contemporâneo. 

“Habemus Papam”! Ok. Mas será que, a partir de agora, teremos mesmo um novo papa? Ou nada além de um papa novo, com os mesmos ideais e valores dos que o precederam?

Torço para que eu esteja enganada, mas custa-me acreditar que a eleição do novo pontífice (que, de cara, já se declarou contrário, por exemplo, ao uso de anticoncepcionais e à união entre pessoas do mesmo sexo) venha a representar a mudança dos rumos da Igreja, com a redefinição de sua missão e a adequação de seus preceitos.  

Apesar da descrença, sigo fantasiando dias melhores, em que a Igreja se preocupe menos com o tipo de anel a ser usado por seu novo representante ou com a cor do traje a ser vestido na primeira missa por ele celebrada e passe a despender suas energias e seus recursos financeiros no sentido de pregar (com menos arrogância e mais simplicidade) o respeito às liberdades individuais e às diferenças, quaisquer que sejam elas. 

Já que a palavra pontífice vem do latim “pontifex”, que significa “construtor de pontes”, espero ansiosa pelo dia em que o representante máximo da Igreja comece efetivamente a cumprir a função que lhe foi (literal e originalmente) atribuída, derrubando os muitos muros de intolerância que o afastam da realidade e erguendo, em seu lugar, caminhos que o aproximem dos fieis.    

Comentários

Leonardo disse…
Assino embaixo! Muita sorte e sucesso ao Papa!
silvia tibo disse…
;)

Beijos, querido!
albir disse…
Também torço sem esperanças, Sílvia. E lamento que uma liderança tão importante ainda aposte na segregação. Isso tem um preço, aliás dois: um para o mundo e outro para a Igreja. Beijos.
silvia tibo disse…
Minhas esperanças também são poucas, Albir! E é mesmo lamentável que uma instituição tão sólida não utilize o poder que tem em prol da defesa de valores como liberdade, igualdade, tolerância e respeito às diferenças!
Obrigada pela leitura!
Grande abraço!
Zoraya disse…
Silvia, a Igreja defende valores de liberdade e igualdade sim,nao à toa inúmeros religiosos são perseguidos e mortos por defenderem povos indígenas, pobres e outros desfavorecidos. E também defende cada um dos valores que voce citou. Mas um dia a gente conversa. O importante é que gosto imensamente de suas crônicas e essa está ótima, como sempre! Beijos
silvia tibo disse…
Querida Zoraya!

Agradeço pela leitura, pelo comentário carinhoso de sempre... e também por me mostrar a questão sob um outro ponto de vista!

Quero saber mais sobre ele, viu?

Beijinhos...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …