Pular para o conteúdo principal

A IDADE FATAL [Debora Bottcher]

Revistas e programas femininos nunca se cansam de falar sobre as mulheres acima dos quarenta anos. Estão sempre às voltas com dicas e cuidados da pele, do corpo, e sobre a alma a ideia é que estejamos preparadas para a idade da loba: os conflitos, a resignação, as mudanças.

Então, quando cheguei aos 40, tratei de espreitar além das brechas para compreender o que me esperava de tão tenebroso - sim, porque o tom de advertência é assustador. É como se fôssemos abandonar totalmente um tipo de vida e começar outro - muito pior, diga-se de passagem.

Isso sempre me remeteu ao pensamento sobre as datas de validade de produtos alimentícios: o que acontece com uma lata de feijão à meia noite do dia que a data de sua validade expira? Começam os feijões a saltar no escuro, a batucar, enlouquecer por uma saída? Assim às vezes olhei para os 40 anos: como se à meia-noite de completá-los, as mulheres perdessem sua data de validade.

Há alguns anos li uma entrevista com Maitê Proença em que lhe foi perguntado o que aconteceu quando ela cruzou essa barreira. A resposta me arrancou um sorriso: "Fica tudo mais mole!" E ela também foi taxativa: "A partir de agora, serão obrigados a enxergar além da minha beleza." Parece muito justo.

Envelhecer deve ser mais terrível para as mulheres vaidosas, que ao se olharem no espelho e depararem-se com suas rugas, só conseguem ver sua pele - naturalmente um pouco mais opaca -, esquecendo do quanto de vida angariaram, aprenderam e mora em seus olhos.

Só que talvez o que realmente assombre a todos não seja a idade, mas a inevitável constatação de, ao completar 40 anos, admitir que já se viveu metade de uma vida e que restam mais quarenta ou menos - raramente mais. O que na verdade apavora - e ninguém fala - é a morte, que, a partir de então, passa a apresentar-se com sua sombra mais presente, na forma do inevitável e iminente, cada vez mais próxima.

Mas aos 45 anos entendo que, de fato, pouca coisa mudou no macro. A vida vai seguindo seu curso. O que percebo, de concreto, são micro alterações. Por exemplo, a questão de que não tenho mais tanta vitalidade e que coisas que antes eram fáceis de realizar, vão ficando mais difíceis. Também mudaram meus focos, os sonhos ficaram só no âmbito do efetivamente possível, e eu já não penso em conquistar o mundo - seja lá o que isso queira dizer.

Compreendo e reconheço minhas limitações - sei, por exemplo, que já não me cai bem aquela minissaia que descansa no guarda-roupa como símbolo de aventuras distantes. Também me percebo um pouco mais lenta na realização de algumas tarefas e, por vezes, falta-me atenção. Minha memória fotográfica para números (eu sabia de cor o telefone de todas as pessoas que conheço) também se dispersou - às vezes, preciso checar o telefone da minha mãe! E, eventualmente, luto pra me lembrar de ocorrências antigas - a mente, definitivamente, já me trai... Fisicamente, ficou mais difícil de perder peso e meus cabelos brancos se multiplicam - mas considerando que eu os tenho desde os 20 anos, isso não é propriamente um problema. Também descobri, outro dia, que marcas antigas - por exemplo, de um acidente de carro que sofri aos 19 anos - vão reaparecendo e ficando evidentes.

Pode-se dizer que, avaliando essas considerações, me encaixo na citação da cantora Sandy sobre seus 30 anos: "sou jovem pra ser velha e velha pra ser jovem." Isso, efetivamente, faz muito sentido pra mim - aos 45, não aos 30, porque aos 30 eu me achava bastante jovem.

A verdade é que não há nada que se possa fazer. Não é possível estancar o tempo, muito menos fazê-lo andar de costas, e o contrário de envelhecer, já sabemos, é morrer jovem. O que nos resta, portanto, é aproveitar a vida como ela é. Tentar não olhar pra trás com sensações de perdas, perdoar-se pelas escolhas erradas, não ficar adivinhando como seria 'se...', pois tais exercícios gerarão angústias impertinentes - e ninguém precisa disso enquanto envelhece. 

Aceitação me parece a palavra para se adequar às transformações. Sem rebeldia ou ansiedade, para que se possa chegar naquele lugar que tanto buscamos, de paz e plenitude internas.

Comentários

Zoraya disse…
Oi Débora! Sempre um prazer te ler. Envelhecer também é a arte de estarmos vivos e operantes depois dos 50, principalmente mulheres, a quem a sociedade geralmente relega um papel de menor imporância, como se, por nao ser mais jovem, a mulher devesse ser descartada. Você, ao que parece, já dominou a Arte. Beijos
silvia tibo disse…
Lindo texto, Débora! E verdadeiro...
Beijos!
albir disse…
Debora,
a resposta da Maitê e de outras personalidades frequentemente apontam para a necessidade de aceitação do fato de não terem mais beleza. Será que alguém precisa abrir mão da beleza? Cada idade não tem a sua beleza. Beijos.
Raul Lessa disse…
Ótimo texto....

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …