Pular para o conteúdo principal

CURIOSAS RELAÇÕES >> Clara Braga


Acho engraçada essa relação que a gente tem com a morte. A gente não quer que ninguém próximo da gente morra, afinal, é sofrimento demais, só a ideia de não poder encontrar ou falar mais com certas pessoas já nos corta o coração. Porém, acho engraçado reparar como a gente sempre busca uma relação nossa com a morte de pessoas distantes, mas que são conhecidas. Não quero desmerecer o trabalho do Chorão, mas tenho certeza que ele nunca teve tantos fãs como agora que morreu.

Outra mania que temos é a de, depois que a pessoa morre, definir qualitativamente como foi a passagem dela por aqui. Ou a pessoa foi horrível ou a pessoa foi maravilhosa, não existe o meio termo onde a gente lembra que as pessoas, incluindo as que morreram, são serem humanos que fizeram muita coisa certa em sua passagem pela terra, mas que também erraram um bocado. O Chorão, por exemplo, em questão de minutos virou um grande poeta que vai deixar saudades e que vai fazer muita falta para o rock nacional, que já estava sofrendo, mas após a perda dele está pior ainda.

Longe de mim querer desmerecer o trabalho dele, ele realmente escreveu letras muito bonitas, incluindo uma que eu adoro chamada Lugar ao Sol, e músicas muito gostosas de ouvir e curtir. Quando era adolescente gostava de ir aos shows e comprava os CD´s do Charlie Brown. Mas é exatamente por ter ido a alguns shows que eu sei reconhecer que por conta das drogas, ou até por uma questão de personalidade, ele já estava se tornando uma pessoa desrespeitosa, sem limites e que não agradava aqueles que estavam ao seu lado, não é pra menos que sua própria banda chegou a se separar.

Não me esqueço de um show que fui do Charlie Brown aqui em Brasília que o público cantava junto em coro todas as músicas. Foi de fato muito bonito, e exatamente por ter gostado o Chorão decidiu jogar um microfone para a plateia cantar com ele. Claro que o microfone não voltou para o palco quando ele pediu, quem pegou deve ter até hoje como uma relíquia e, do jeito que as pessoas são aproveitadoras, daqui a pouco vai estar sendo vendido por muito dinheiro por ai. Bom, mas isso não vem ao caso, a questão é que Chorão se indignou com o fato de não ter o microfone de volta e passou os próximos 20 minutos de seu show, que já era reduzido por fazer parte de um festival de música, xingando a pessoa dos nomes mais horrorosos que se pode pensar e mandando ela enviar o microfone roubado bem naquele lugar, de forma nada educada. Sério, isso é atitude de um grande poeta que deixou sua grande marca e que vai deixar muitas saudades por ter sido um herói para o rock nacional? Desculpa, como disse antes, admirava parte de seu trabalho, mas dizer que ele era uma pessoa maravilhosa que só fazia o bem já vai muito além do que eu posso concordar, e acredito que Marcelo Camelo vai estar de acordo comigo!

Chorão morreu. Uma perda para música, de fato, mas não vamos "glorificar" a pessoa dele. Como bem disse a esposa dele em uma entrevista para o fantástico, vamos usar a morte dele como uma forma de divulgar para os adolescentes que o admiravam que as drogas não levam ninguém a lugar nenhum, que não é a solução para nenhum problema, que, momentaneamente, pode parecer que você está mais feliz, mas o mal estar que você causa depois para si mesmo e para todos ao seu redor é irreparável. Se o Chorão deixou alguma mensagem para todos os seus seguidores essa mensagem foi: NÃO USEM DROGAS, JAMAIS!!

Comentários

silvia tibo disse…
Clara,

Você traduziu em palavras tudo o que eu penso a respeito do assunto...

É engraçado como os mortos tendem a ser vangloriados, independentemente daquilo que fizeram em vida...

Adorei o texto!Vou compartilhar!

Beijos
Zoraya disse…
Pois é, o pior é que esses caras morrem, morrem e o pessoal que gostava deles transam mais drogas ainda, parece um efeito rebote. Mas sempre há esperança.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …