Pular para o conteúdo principal

RITO E TRANSFORMAÇÃO [Heloisa Reis]

“Ascender ao espírito em sua forma de idéia é entregar-se ao imutável na eterna e permanente transformação.” (Goethe)

Nosso vínculo com o mundo em que vivemos manifesta-se das mais diversas maneiras e diferentemente em cada ser, mas a natureza humana é sábia e o ser humano é na verdade tri-membrado em corpo, alma e espírito.

O  corpo é  o instrumento com o qual interagimos nesta esfera terrena, enquanto com a alma  elaboramos e criamos um mundo interno, pleno de interações  que trazem desconfortos, afinidades, repulsas, atrações,  sem que nem nos demos conta... O espírito é a ligação entre corpo e alma e traz as sensações que levam a mudanças e a diferentes vivências.


A sociedade moderna – principalmente a Ocidental – costuma reagir negativamente à importância de determinados rituais – que na verdade são  “pequenos ritos de passagem”. É como se demarcássemos nossos territórios internos – de acordo com a passagem do tempo ou de fatos -  afirmando que transcendemos um estado e passamos para outro.

Da mesma forma como muitas vezes médicos e  nutricionistas  recomendam  dietas alimentares  para nos livrarmos de excessos  de peso,  as  práticas  feitas a partir de uma ótica espiritual e universalista  têm como objetivo a libertação de pesos emocionais  desnecessários  e dos  sofrimentos psíquicos decorrentes.


Instalação “Do Barro ao Rito”, Heloisa Reis
Um pedido de namoro pode parecer ultrapassado nestes tempos de “ficar”, mas carrega um forte simbolismo na expressão do querer e do aquiescer com o início de uma relação  que pode vir a se tornar consistente. Cerimônias de formatura,  noivado, batizado ou casamento prestam-se ao mesmo importante papel  afirmativo de confiança no futuro de um momento de definição.  Nosso subconsciente é muito sensível a estímulos e por isso os rituais são importantes.

Antigos rituais nada mais eram que uma forma de atrair as formas celestes  para o nível da alma, atravessando o espírito e chegando ao corpo. Hoje, temos a tendência de afastar essa natureza intrínseca para dar lugar ao sedutor sentido da visão com o agravante de tender a se fixar apenas nas aparências.

Quando trazemos ao consciente outras dimensões  em datas comemorativas religiosas, cívicas ou pessoais, estamos  abordando  fronteiras  daquele reino das diferentes dimensões da consciência e da inconsciência através da vivência.

A modernidade trouxe o afastamento dos mitos tratando-os como se fossem ilusões da mente criativa do homem , mas felizmente neste início de milênio têm-se recuperado a noção de sua  importância  por sua função, como disse Joseph Campbell, de "levar adiante o espírito humano ".

Ao imortalizar arquétipos, os mitos promovem nossa eterna transformação. E a Arte, assim como a Filosofia, podem desempenhar esse papel de religar o homem às suas origens e à sua ancestralidade, talvez mais do que qualquer Religião.

Comentários

Zoraya disse…
vivemos numa época cruel, Heloísa, na qual as tentativas de perpetuarmos os ritos de passagem, astradiçoes familiares (como os almoços de domingo, por exemplo), as buscas por uma religião são ridicularizadas como fantasias anacronicas. Mesmo os artistas sõ são valorizados quando alcançam sucesso, reconhecimento, dinheiro. Quem quer um artista na família? Linda crônica.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …