Pular para o conteúdo principal

LEMBRETES >> Carla Dias >>


Vou me posicionar geograficamente no ilusório para você tentar entender: céu. Nem sempre há sol, mas quem me sabe também sabe que a chuva me basta. Às vezes, é infinitamente solitário, porque o céu, para quem não tem asas, limita ao bom uso de uma nuvem, e normalmente elas são preguiçosas. Então tudo segue ao ritmo da languidez, mesmo quando temos de lidar com urgências.

Para os realistas de plantão, que não querem se balançar em nuvens ou tocar o céu com o olhar: analgésico. Quer coisa melhor do que ver dor sumir, assim, em um comprimido? Só que os analgésicos não são dos meus bálsamos preferidos: cafuné, abraço, beijo, enroscamento de pernas são bem mais eficazes. Eles não cessam a dor, mas certamente fazem com que nos esqueçamos dela, às vezes, até ela passar.

Aos desavisados: curativo adesivo para os machucados oriundos dos tombos emocionais. Quando necessário, antisséptico para evitar a proliferação de mágoas, porque as mágoas não nos levam a lugar algum. Ao contrário, elas nos atracam em lugares hostis em nós mesmos. Cantinhos que ainda precisam de um bom trato para caberem bem dentro da gente.

E prometo aos carentes que uma das melhores saídas para perceber a si merecedor de afeto é atirar-se à vida. Se você for dos que amam listas, e as respeita o suficiente para ticar seus itens, não se esqueça de incluir nelas “comprometimento”. Comprometer-se consigo é uma das tarefas mais complicadas de qualquer lista de qualquer pessoa. Comprometer-se com a possibilidade de ser amado é, também, abraçar esse direito. Aos que fazem listas e as deixam em casa: um naco de esquecimento é sempre bom. Dê ao passado o que lhe cabe: vaga em um calendário vencido.

Talvez a sua carência, imaginativa que sempre foi, já tenha pintado tantas expectativas na sua alma que a espera é das idealizadas. Então, comprometa-se a se descompromissar do ostensivamente desejado. Apegue-se ao pela vida oferecido.

Para quem gosta da solidão, como fio-condutor para mergulhar em si, na tentativa de perceber o mundo: “Blue in Green”, Miles Davis, 1959, vinho da preferência e uma boa vista da janela. Comece com essa música, mas escute o disco inteiro. Não há nada que remeta à solidão escolhida, à melancolia poética com tanta profundidade quanto Miles Davis tocando trompete, instrumento que ele faz soar belamente como poucos.

Lembre-se: bálsamos são necessários. 



Comentários

silvia tibo disse…
Belíssimo, Carla!
Obrigada por nos presentear com suas palavras...
Adorooo!
Beijo!
Anônimo disse…
Carla, Parabéns pelo seu talento! Suas crônicas são encantadoras... Abraços
Anônimo disse…
Carla, Parabéns pelo seu talento! Suas crônicas são encantadoras... Abraços

Ana Soares
Zoraya disse…
Mais uma da série Lirismo em Altas Doses. E ainda por cima com trlha sonora de alta qualidade.
Carla Dias disse…
Silvia... Obrigadíssima! Beijo.

Ana... Abraços outros e obrigada por me ler.

Zoraya... Adorei o “Lirismo em Altas Doses” : )

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …