Pular para o conteúdo principal

AS IRMÃS ENIGMÁTICAS >> André Ferrer


Nos últimos dias, releio “A hora da estrela” e “A convidada do casamento” para tirar uma teima que, há pelo menos duas décadas, incomoda-me. Clarice Lispector (1920-1977) e Carson MacCulers (1917-1967) nunca me enganaram. Têm almas gêmeas. A forja que as moldou é a mesma.

Contemporâneas, fizeram a recriação literária do pós-guerra só que, ao contrário da maioria dos autores da época, de dentro para fora. Seus personagens representam a barbárie do século XX através da solidão e de uma autoconsciência devastadora. Macabéa e Frances, protagonistas das obras que releio, têm absoluta certeza da sua condição de excluídas.

Na década de 1990, quando descobri MacCullers, eu já conhecia Lispector. Assim, as primeiras páginas de “A balada do café triste” pareceram-me familiares. Uma sensação que, a partir do instante de reconhecimento daquela irmandade de espíritos, passei a recordar e realizar com o impacto de uma epifania.

Epifania é uma palavra difícil. Inadequada, nesta era esquematizadora, à leveza de uma crônica. Pois bem, para o benefício da clareza, ameacemos um pouco a brevidade do texto. Epifania é uma súbita sensação de realização ou compreensão da essência de algo.

Sendo assim, quando duas pessoas dividem a mesma epifania, ocorre uma aliança agradabilíssima que, irresponsavelmente, vou chamar de comunhão estética. Fenômeno cada vez mais raro.

A comunhão estética é uma reação em cadeia. Depende muito de uma fagulha inicial, a resposta do outro ao primeiro estímulo. Assim, de acordo com esse critério, a comunhão estética poderia ter cinco níveis de classificação (trata-se, naturalmente, de uma invenção subjetiva minha):

(4) o outro usa detalhes, elementos significativos e emotividade na exposição;

(3) o outro reage com alguns elementos significativos e alguma emoção;

(2) o outro usa elementos superficiais e alguma emoção;

(1) o outro reage com elementos óbvios;

(0) o outro não reage.

O que, afinal de contas, epifania e comunhão estética têm a ver com a minha releitura de Lispector e MacCullers?

Também nos anos de 1990, escrevi um texto a respeito da enigmática irmandade dessas duas escritoras. Eu esperava que o único leitor (sim, único, pois não mostrei para mais ninguém) daquele artigo atingisse, pelo menos, o terceiro nível da escala. Ficou no primeiro. Disse lugares comuns a respeito de “literatura feminina” e, ainda por cima, interpretou o meu texto como um libelo contra a brasileira que eu acusava de imitar a norte-americana. Um horror de distorção.

Esta semana, descobri um interessante paper na web. Além de comparar as duas autoras, o trabalho emprega “A convidada do casamento”, de MacCullers, para explicar semelhanças.

Epifania: Clarice Lispector traduziu para a Língua Portuguesa a versão dramática de "A convidada do casamento" (um romance de 1946, que a própria MacCullers adaptou para o teatro)!

Conforme eu desconfiava.

Comentários

Zoraya disse…
André, na minha lastimável ignorância, eu nao conhecia Carson MacCullers, e voce, como bom cronista, me deu vontade de procurar e ler imediatamente. Obrigada!
albir disse…
Zoraya tem razão. Também despertou meu interesse. Principalmente por ser alguém que "troca" com Clarisse.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …