Pular para o conteúdo principal

NADA A PERDER >> Carla Dias >>



Quando não se tem nada a perder, cala-se diante das palavras alheias. Das ideias e das ideologias então, nem lhe conto. E infiltra-se em um universo em que o som embrutece, soa como se andássemos com fones de ouvido desplugados. Como realidade abafada e sonho tiranizado.

Os pés parecem blocos de concreto, então se passa muito tempo parado, às vezes até contemplando parede, pensando que aquela seria uma ótima tela para uma péssima obra, e que pena que você não tem pincel e tinta, pois desenharia esse profundo nada a perder nesse painel que, no momento, ilustra apenas cotidianos abandonos.

Não ter nada a perder lhe oferece as lentes do dane-se, vandaliza com a sua capacidade de desejar bálsamo, enquadra a sua percepção na inabilidade de observar e absorver e compreender e criar opinião a respeito. Torna-lhe um promissor algoz das emoções fundamentais para não se enxergar a vida como se ela fosse absolutamente nada.

Nada a perder, por ironia deslavada, oferece uma coragem gritante a sua cria. E quando seu títere, em movimentos ainda incertos, dá o primeiro passo ao cumprimento do desfecho ao qual é induzido, o nada perder se espreguiça, sorri se deliciando com a sua nova conquista.

Quem tem nada a perder não caminha, arrasta-se pelo tempo em que passa a ruminar nem sabe o quê, já que nada é uma grande metáfora para um tudo que, após parecer definitivamente importante, parte-se em mil e tantos pedaços, então se perde dentro de nós. E há ainda as lonjuras construídas com telefonemas não retornados, e-mails não respondidos, contas não pagas, desejos recorrentes que, de repente, escorregam pelos vãos do esquecimento.

Dizem que quem tem nada a perder se torna cruelmente indiferente. Alguns cometem mágoas aos seus afetos, outros se tornam itinerantes, desapegando-se definitivamente das suas raízes. Há os que se esbaldam no esquecimento e quase conseguem inventar para si uma nova história, das bem simples, que não exija sentimentos demais, buscas demais, planos demais, e que lhes permita boiar em uma existência flat.

E há aqueles que abraçam uma ideia, uma ideologia, colocando ali toda a sua imaginação e energia, ligando pontos que não deveriam se encontrar, gerando deduções que não fazem o menor sentido, e chamando esse nada a perder de “minha religião” ou de “meu patriotismo”.

Sempre há algo a se perder, mesmo quando parece tão certo que já se perdeu tudo, até a si mesmo. Pode até ser que para quem tem nada a perder, quem tem esse sentimento lhe conduzindo, o que fizer, por mais bizarro ou insano que pareça, não chegará aos pés do vazio que lhe engole. Mas a verdade é que as ações de alguém nessa posição sempre se tornam consequência para os que estão a sua volta. O nada nunca existiu, meu caro. É sempre tudo que se coloca a perder quando se assume o posto de quem tem nada a perder. O tudo próprio e o de outras pessoas.

Melhor, então, não ficar de bobeira, esperando a vida lhe oferecer o que você espera dela. Melhor correr por aí, braços abertos e disposição para abraçar todos os tudo que você puder. Porque tudo também não existe, meu caro. Não na amplidão do sentido da palavra. Tudo é uma metáfora para todas as possibilidades que nos são oferecidas para nos tornarmos alguém que não precisará chegar ao ponto de ter nada a perder.

E assim, não se perde a graça, o amor, o desejo, a habilidade de ser gentil, de compreender a diferença, de aceitar que suas opiniões não são únicas ou definitivas. E de se respeitar com o respeito de verdade, que não se mistura com rótulos ou preconceitos, que é livre do egoísmo destrambelhado. E se ganha um tudo... Dois tudo... Três, quatro...

Imagem: sxc.hu

carladias.com

Comentários

silvia tibo disse…
Linda crônica, Carla...
Obrigada por compartilhar conosco!
:)
Zoraya disse…
Ninguém perde nada por ler você, Carla!
Carla Dias disse…
Silvia, eu que agradeço pela leitura :)

Zoraya e sua gentileza...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …