Pular para o conteúdo principal

CONFISSÕES DE UMA GEMINIANA >> Sílvia Tibo

 
Sempre duvidei um pouco daquelas previsões e definições astrológicas, que são publicadas em jornais e revistas para cada um dos signos do Zodíaco. E minha descrença aumentou depois de ter ouvido o amigo de um amigo dizer que, durante os meses em que foi o responsável pela edição desses textos num jornal de razoável circulação, era ele próprio, muitas vezes, quem tinha que “criar” o que ali se dizia, embora nada entendesse do assunto.

Mas devo admitir que, ao menos no meu caso, o horóscopo não mente. Confirmando todas as descrições da Astrologia, sou a típica (e assumida) geminiana. A inquietude em pessoa, pra resumir o assunto.

Desde que me entendo por gente, tento compreender, aceitar e administrar toda essa minha agitação. Essa mania de querer abraçar o mundo, como se ele fosse mesmo acabar em poucos dias, cumprindo uma dessas profecias apocalípticas.

Imagine, por exemplo, alguém que não consegue terminar um livro inteiro antes de dar início à leitura de outro. Ou, ainda, que não consegue assistir a um programa de televisão, por uma hora que seja, sem pesquisar, nos intervalos comerciais, alguma outra coisa qualquer na internet. E, pior, que se mudou de endereço sete vezes nos últimos doze anos, dentro da mesma cidade, apenas pelo prazer que a novidade lhe proporciona.

Há quem veja todo esse frenesi como algo positivo: sinal de eficiência, agilidade, produtividade e facilidade de adaptação! Tudo muito lindo, mas só na teoria. Como legítima representante da espécie geminiana, posso dizer, com convicção, que não é bem assim (com esse romantismo todo) que a coisa acontece.

Ao menos no meu caso, tanta agitação, na prática, tem resultado em muitas e muitas noites em claro e até em algumas doses de ansiolítico, em situações extremas. Sim, porque há dias (e noites) em que só eles conseguem apaziguar meus neurônios, que parecem estar sempre em festa, cantando, dançando, soltando fogos de artifício. Bem ali, dentro da minha caixa craniana.

Definitivamente, não há como pegar no sono com milhões de projetos fervilhando simultaneamente na cabeça. É muita informação (e barulho) para um cérebro só!

É claro que, no final das contas, só consigo colocar parte de todos esses planos em prática. Sobretudo porque, em geral, alguns são totalmente opostos a outros e, então, seria mesmo inviável realizar todos eles ao mesmo tempo.

Sabe aquela história do “casar ou comprar uma bicicleta”? É mais ou menos nesse ritmo aí que gira a cabeça de um geminiano. Com mais algumas dezenas de itens além desses dois, é claro. Algo do tipo: “casar, comprar uma bicicleta, fazer uma segunda faculdade, abrir uma microempresa, estudar para um novo concurso público, começar uma pós-graduação, construir uma casa...”. De preferência, tudo ao mesmo tempo. 

Comparando a mente de um geminiano a uma tela de computador, é como se nós, membros dessa atormentada espécie, vivêssemos com várias janelas abertas simultaneamente. E alternássemos entre elas o tempo todo, num “alt+tab” sem fim.

Por todos esses motivos, é impossível para um legítimo geminiano viver sem um caderninho de anotações diárias ou coisa que o valha. São tantos os problemas a serem resolvidos num mesmo (e curto) espaço de tempo, que não há como se lembrar de todos eles assim, de cabeça. A programação tem que ser registrada por escrito, senão já era. E os projetos também, sob pena de serem substituídos no dia seguinte, por outros totalmente diversos, e com a maior naturalidade do mundo. Afinal, novidades são essenciais para a sobrevivência de um nativo de Gêmeos e tédio é uma palavra que não faz parte de seu vocabulário.

Deixar para amanhã aquilo que poderia ter sido feito na semana passada? Hã? Como assim? Essa é uma possibilidade que não costuma fazer parte da rotina daqueles que nascem entre 21 de maio e 20 de junho.

O resultado? Insônia, alguns fios brancos que teimam em aparecer precocemente, certas crises de enxaqueca e um belo par de olheiras, que nem o melhor dos corretivos é capaz de disfarçar.

Fico imaginando quão tranquila deve ser a mente de um sagitariano, já que, de acordo com os astrólogos, Sagitário é o signo oposto ao de Gêmeos no Zodíaco. Será que é assim que a coisa funciona?

E pensar que bastava eu ter nascido uns seis meses antes. Ou uns seis meses depois...

Brincadeiras à parte, a verdade é que já sofri demais (e perdi boas noites de sono) com tanta aceleração. De uns tempos pra cá, tenho realmente me empenhado em fechar algumas janelas. Ou, ao menos, em abrir uma por vez.

“Viva um dia de cada vez!”, eis o dever de casa que me vem sendo passado, há anos, pelo psicólogo. Sei que estou longe de conseguir cumpri-lo com nota máxima. Afinal, não é simples mudar aquilo que somos. Mas, valendo-me de uma das principais características de Gêmeos (justamente o gosto por mudanças), estou me empenhando para cumprir com êxito a lição. Meus neurônios (agitados, alegres e saltitantes) não perdem por esperar: dias mais calmos virão.


Imagem: www.poemadoceu.com/tag/lua-em-gemeos/

Comentários

rsrsrs tenho que começar com riso porque realmente foi engraçado ver a mim mesmo escrito. sua descriçao é mais real do que parece. somos agitados e desejamos realmente o mundo. desejamos ser capazes de ser bom em tudo que tocamos mas por ter tantas cosias somos generalistas. mas é um signo brilhante de grandes valores sociais, teorios e pratico impressionante o poder que temos atraves da palavra, podemos colocar o mundo em cheque com uma so palavra...

parabenssssssss pelo texto terao muitos como eu se identificarao com ele.

um abraço

literaturaearte0809.blogspot.com.br
@ns_rafael
Leonardo disse…
Mais uma obra de arte, linda! Parabéns, maninha! Beijos
Bruna Tesch disse…
Maravilhoso o texto! Não sei o porquê, mas me identifiquei nele... hehehe
Zoraya disse…
Hahaha, de uma Sagitariana - típica da ponta da flecha ao último fio da cauda - com ascendência em Gêmeos, eu sei MUITO bem o que você quer dizer! Soluçao: meditação, meditaçã, meditação. OMMMMMMMMM, beijos meditativos e acelerados
silvia tibo disse…
Hahaha... Outro beijo acelerado pra você, Zoraya! ;)
silvia tibo disse…
Bruna e "em companhia do luar"!
Obrigada pela visita ao site e pelo comentário. Grande abraço.
silvia tibo disse…
Maninho querido!
Eu é que agradeço a visita...
Beijos ;)
Karoline Cruz disse…
Bem (...), geminianos como você sofrem um pouquinho às vezes né ?!
Mas será que todos escreveriam textos tão bem feitos, assim como você?
Sei que não, você é especial né Sil!
Beijos.
silvia tibo disse…
Obrigada, Ká!
Você é muito querida!
Que bom que está visitando o site e curtindo os textos...
Beijinhos com saudades!
:)
Cristiane disse…
Ops, esta sou eu!!!
fernanda disse…
Te entendo bem, Sílvia! Afinal, como a gente já percebeu, gêmeos e libra não são muito diferentes entre si. Pessoas nascidas nos signos do ar vivem ao sabor do vento...

Um beijo.
Danielle Andrade disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Danielle Andrade disse…
Silvinha, ler o seu texto é tão agradável! Você consegue transmitir uma emoção fora do comum.
Excelente as confissões de uma geminiana!! Bjo grande. Dani Gomes
Letícia disse…
Adorei, Silvinha! Você tem o dom, viu, menina? São excelentes seus textos!
Apesar de não ser geminiana, eu me identifiquei com suas palavras. Vinha pensando sobre isso há uns meses. Também estou assim, querendo tudo ao mesmo tempo. E o pior é que acaba não saindo nada. :P Estou cheia de planos: novo concurso, pós lato sensu, isoladas de mestrado, curso de italiano na Itália, muitas viagens... E filhos! Também não dá pra esperar tudo isso acontecer para começar a planejar a chegada dos pequenos. Pensando sobre isso, cheguei à conclusão que antigamente eu tinha mais serenidade para decidir o que fazer. Foi assim, por exemplo, quando resolvi largar a Arquitetura. Lembro que pensei que tinha de ser um passo de cada vez. E consegui tudo o que planejei naquela época. Aí me pergunto: onde foi que perdi isso? Será que é a idade que faz isso com a gente? Acho que é um pouco sim. Aquela sensação de ter prazo de validade, própria da mulher. Não que ter filhos impeça qualquer coisa, mas talvez adie muitas coisas. No meu caso, tenho a impressão que é isso que acontece. Até estabelecer prioridades fica difícil! Sigo tentando...
silvia tibo disse…
Dani, querida!
Fico feliz em saber que vem acompanhando e curtindo o crônica do dia.
Agradeço o carinho e as belas palavras. E aproveito para lhe desejar um bom Natal e um Ano Novo de prosperidade, sorrisos e comemorações. Sei que o presente mais esperado já lhe foi dado, não é? E você merece, mais do que ninguém, essa bênção.
Grande beijo...
Silvinha
silvia tibo disse…
Ei, Letícia!
Que bom receber sua visita aqui no crônica do dia...
Agradeço pelo carinho, viu?
Concordo que filhos não impedem outros projetos de vida, mas adiam boa parte deles sim, com certeza...
Por isso é importante pensar bem antes de dar esse passo, não é?
Penso que é preciso planejar direitinho a chegada deles... mas, por outro lado, é certo que nós, mulheres, não podemos adiar tanto assim a maternidade, não é?
Temos mesmo restrições fisiológicas que não podem ser desconsideradas, a despeito da evolução da Medicina...
Você é inteligente, centrada e dedicada. Sei que vai encontrar a melhor forma de conciliar os projetos profissionais com os pessoais.
Enquanto isso, viva intensamente, seja feliz, curta o casamento, a casa nova, a vida nova... e trace planos sim, ainda que só venha a concretizar parte deles.
Afinal, embora toda essa avalanche de projetos nos deixe meio atordoadas e ansiosas (as geminianas e as não geminianas...rs), são eles que nos mantêm vivas, não é verdade?
Grande beijo pra você!!!
silvia tibo disse…
Fernanda...
Difícil administrar essa coisa de "viver ao sabor do vento", não é?
Tanta mutabilidade às vezes me deixa realmente atordoada, ansiosa, angustiada...
Mas sigo tentanto conviver com tudo isso.
Saudações geminianas!
Grande beijo!
:)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …