Pular para o conteúdo principal

COMO TEM DE SER >> Carla Dias >>


Sentiu fome, então engoliu duas bolachas de água e sal, repetindo, mentalmente, que manteiga está fora da lista dos alimentos saudáveis. Minutos depois, enquanto aguava as plantas, o seu estômago reclamou que a fome era maior e duas bolachinhas de água e sal não tapariam a sua boca. E a boca do estômago é desaforada. Sempre foi. Quase sempre atazana a gente por causa do que sente o coração. Então, recorreu ao micro-ondas, porque o tempo urge, lembrando-se, como se pescasse uma história muito importante do seu passado, do remédio para diabetes. Engoliu os comprimidos com refrigerante, tentando se convencer de que estava a um passo de se tornar alguém com um ritmo de vida mais saudável. A sensação durou os cinco minutos que levou para devorar a mini pizza, porque depois foi a culpa que tomou conta.

Tomou um banho demorado, daquelas demoras de quem não quer sair de debaixo do chuveiro nunca mais. De quando a água abafa o zumbido da realidade que já não se consegue conduzir com o mesmo esmero de quando se é jovem o suficiente para que os sonhos ainda façam sentido, mesmo os mais improváveis. A água morna espancando seu corpo com a delicadeza das gotas massageia seu espírito esportivo. Declama, aos ausentes, que vai ficar tudo bem.

Senta-se defronte à tevê e sintoniza no programa preferido. Abre a revista e começa a ler notícias das celebridades, enquanto cantarola uma música da qual nem mesmo gosta, mas decorou por desgosto, e está sendo tocada no apartamento de cima... E bem alto, como se o baile fosse no bairro. Repreende o repórter do programa preferido por ter feito pergunta idiota. Critica as notícias publicadas na revista. Diz “cruz-credo-ave-maria” ao tentar tirar da cabeça o refrão da música da qual não gosta. E em um lampejo compreende que raramente sai de casa, que se tivesse de sair agora, não faz ideia de aonde iria.

Só que a sua imaginação segue a um passo a frente.

Vai para Marte, dá uma passadinha em Júpiter, compra um colar de estrelas. Na sua viagem, alimenta-se de silêncios, porque não é preciso dizer em lugares como esses. Basta sentir, pensar. Volta para a Terra  sendo atraída pelo grito da campainha. Hora de pagar o aluguel, discutir um tantinho com o senhorio sobre as providencias que precisam ser tomadas, já que o encanamento do prédio está de matar de desgosto qualquer inquilino. Fecha a porta, a voz aguda do senhorio ainda reverberando na sua cabeça, vai direto até a cozinha. Vinho tinto... Uma taça, duas, três, a garrafa.

Languidez, embriaguez, desvario. Esparrama-se sobre a cama king size, relembrando como imaginou ali, a lhe servir mil e tantos carinhos, o vizinho do apartamento 57. Um sujeito inventado, porque o seu prédio tem apenas 3 andares, 6 apartamentos. Um sujeito oculto, porque para ele não conseguiu imaginar um rosto. Um sujeito que não oferece qualquer perigo a sua realidade.

Benzeu-se duas vezes, para garantir que não errou os sinais da primeira. Jogou búzios, cortou as cartas do tarô, mergulhou nos significados das runas e confiou seu amanhã ao caminho apontado pelo I Ching. Sentou-se no meio da sala, posição de lótus, meditou, entoou mantra, imaginou como seria uma boa conversa com uma divindade, meditou e no meio da meditação fez as contas do supermercado. Pediu desculpas aos deuses pela distração mundana, tentou se concentrar e, sem sucesso, desfez a posição de lótus, esticou-se no tapete, espreguiçando-se até sair um som de sua boca que mais parecia uma breve canção arranhada sobre o prazer. Pensou novamente no vizinho do apartamento 57. Talvez, seja hora de se mudar para um apartamento em um prédio que tenha o número 57.

Dormiu, não sonhou, pulou da cama. Banho, café e duas bolachas água e sal, e logo depois algumas colheradas de sorvete de creme. Conferiu se o gás estava desligado, a torneira bem fechada, a janela com cadeado. Parou no meio da sala, olhou a sua volta, respirou fundo, repetiu para si mesma que a vida que tem é a que merece. Antes de sair, benzeu-se uma vez – porque é dia de exercitar a confiança em si mesma. Só que, depois de trancar a porta e ficar um bom tempo parada do lado de fora, abriu-a novamente, entrou no apartamento, verificou se desligou o ferro da tomada, se as luzes estavam apagadas. Antes de sair, benzeu-se três vezes: uma a mais para garantir e outra de penitência por não ter se benzido duas vezes da primeira vez.

carladias.com

Comentários

albir disse…
Não é só a imaginação da sua personagem que segue em frente, Carla. A nossa também te acompanha sempre que você convida.
Feliz Ano Novo pra você e continue sempre por aqui,no Crônica do Dia.
Beijos!
Carla Dias disse…
Obrigada, Albir. Um lindo ano para nós! Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …