Pular para o conteúdo principal

DE SORRISOS E LUZES DE NATAL [Ana González]


Eu estava sentada esperando a vez para ser atendida numa loja dos correios. Antes de sentar, olhei à volta e cumprimentei as pessoas com quem pude trocar olhar.

Não percebi quando uma senhora sentou-se ao meu lado e se dirigiu a mim. “Será que eu poderia ser sua amiga?”; o inesperado da situação me surpreendeu. Pensei:  “Como?, é isso mesmo o que eu ouvi? Um pedido para ser minha amiga?” Essas e outras mil perguntas aconteceram nesse momento dentro de mim. O que dizer? O que fazer?

Era uma figura discreta em meio a um grupo ansioso e também discreto. Blusa e calça comprida pretas. O rosto limpo de pele tratada, o cabelo escuro puxado atrás da nuca. Na faixa dos cinqüenta - talvez sessenta? - tinha a expressão do rosto calma. A voz era clara.

Em seguida, ela continuou a conversa, tirando-me do primeiro susto. O objetivo foi diretamente colocado, explicando-me tranquilamente o motivo da abordagem. “Você me sorriu e eu estou muito só”, disse-me. Daí então falou mais. Mudança de cidade, de bairro, situações que todos temos na vida.

Mas e a coragem para ir a alguém desconhecido e fazer o pedido, de onde veio? Será assim grande o tamanho da solidão que justificasse esse movimento? Sim, porque elas são de vários tamanhos e tipos. Quantas histórias de solidão conhecemos? Pessoas que a vida abandonou e que não têm onde se apoiar? Estar só como num balão ao léu ou num barco à deriva. Em um deserto sem fim. Mas, há também a solidão que, em vez de doer, nos oferece a alma.  Aquela que é amiga. Na verdade, há muitos  tipos de solidão.

Talvez a solidão não tenha sido o motivo desse gesto. Ela mesma me disse a razão. Era o sorriso que naquele dia estava disponível para o exterior de mim. O poder de um sorriso, só isso. Nem parece tanto. Mas foi ele que de dentro de minha própria solidão clareou de algum modo os desvãos de uma pessoa que se sentia só. Eu estava aberta ao mundo com ele na face e um contato se fez. 
Este acontecimento fortuito me mostrou como se resolve uma carência que, às vezes, parece até um abismo.

No entanto, eu posso enumerar coisas – pequenas - que me fazem bem nos momentos de solidão. São detalhes que me fazem sentir acompanhada em um contentamento justo. São simples e acordam minha alma. Às vezes, são palavras em uma mensagem ou um telefonema, um recado deixado na secretária. Até as luzes de Natal podem ter essa função e me colocam um sorriso no rosto.

Embora haja quem as tome por artimanha do comércio, esqueço essa possibilidade. Procuro na memória a imagem daquelas luzes que desenham o elegante perfil das árvores à volta do lago do Parque Ibirapuera.  Elas me tiram da distração do cotidiano e fazem meu corpo vivo. Simplesmente eu, acompanhada de mim mesma, com um sorriso, em uma solidão feliz.

E, de repente um deles, um sorriso distraído, teve essa função de trazer alguém para um contato. Ele acordou uma pessoa, promessa de amizade. Naquele dia, lhe disse: "Sim, obrigada pelo convite. Eu gostaria muito de ser sua amiga."

Será bom se isso puder ser verdade. E agora mesmo, outro sorriso brota em minha face que de tão grande valeria até uma risada por imaginar que faço um contato com você, que me lê e que, com sorte, também tem um sorriso nos lábios ou ainda desenha em sua memória imagens de outras luzes de Natal.

Comentários

Zoraya disse…
Ana, que lindo. A verdadeira mensagem dessa época é exatamente o congraçamento, a união, tudo o que dá sentido real à nossa vida. Que ela lhe sorria sempre, e que voce tenha sempre sorrisos de alma para oferecer. beijos iluminados de lâmpadas acesas
Ana González disse…
Zoraya, que assim seja! que eu possa sempre contar com sua presença, querida. Bjss
Anônimo disse…
Ana,
Espero poder continuar ser seu amigo neste ano, no qual o mundo não acabou, e em outros próximos anos até que nosso mundo se acabe.
Um Feliz Natal para você e sua família.
Luiz Roberto
Ana González disse…
Obrigada! Que seja assim nossa amizade, permanente enquanto a vida permitir, Luiz Roberto! Que seu Natal seja de paz !Bjss
seramigo disse…
Ana, um sorriso p/vc; bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …