Pular para o conteúdo principal

CASAS CONTAM HISTÓRIAS [Debora Bottcher]

Toda casa tem sua história.

A casa do meu pai, construída no fim da minha adolescência, foi projetada com base no sonho de envelhecer, com filhos e netos ao redor. Quatro suítes, quatro salas, jardim de inverno, garagem para oito carros e muito espaço no último terreno de uma rua sem saída, são agora um labirinto de memória. Nas paredes, ainda se vê as sombras dos anseios que se fizeram meia verdade: os filhos (raramente) se reúnem junto aos netos, e envelhecer, para ele, estancou-se no tempo e é herança da minha mãe, junto com a solidão.

Tudo ficou grande demais. Entretanto, porque a lembrança é um poço de onde se pode retirar qualquer imagem, é possível enxergar, pelas brechas, a alegria da casa cheia, das festas de fim de ano regadas a champanhe, os almoços de páscoa, os aniversários e reuniões muitas em torno da mesa imensa - que sempre foi símbolo de união, riso e lágrima, conversas sérias e as nem tanto.

Eu me lembro... E lembrar desperta em mim, como sempre, a imensa contradição que há entre a ausência física - que gera saudade -, e a presença eterna desse homem que me amou primeiro.

* * *

Mas agora eu tenho minha própria casa. Ela é menor, mas igualmente projetada no sonho do meu pai - que, aliás, deve ser o sonho de muita gente. Alguém vai dizer que eu não tenho filhos. É... Mas eu tenho netos. E quem não me conhece bem, vai pensar que isso é impossível. Depende da amplitude do olhar...

Na minha casa, a história ainda se faz. Aqui, filhos do meu marido (cinco, meus enteados) se reúnem conosco - um de cada vez ou todos juntos. Aqui, as crianças, os netos, brincam pelo pequeno jardim, colhendo flores, folhas e morangos para uma sopa imaginária. A gente faz pipoca, brinca de esconde-esconde, lê ou conta histórias e dorme no fim da tarde quando está frio. Aqui, a gente pinta as unhas, costura tiaras e bonecas, assa bolo e frita churros. Faz brigadeiro e doce de leite. Lava a louça a muitas mãos - grandes e pequenas. Aqui, não tem brinquedos: a gente inventa diversão com miniaturas de porcelana, fitas, baldes e colheres de pau. A brincadeira maior é o vovô quem faz...

No futuro, quando entrarem nessa casa, eu espero que ouçam suas vozes e risadas - como me acontece quando entro da casa do meu pai. Desejo que o que hoje se vive aqui, esteja escrito, demarcado, registrado - pelas paredes, através da escada, nas pedras do quintal, no perfume do ar -, como lembrança boa e feliz na memória de todos.

E que a história dessa casa, desenhada com tantos lápis, de tantas cores, fique tatuada nas lembranças ternas dos que partilham da alegria que aqui sempre habita...

Comentários

Zoraya disse…
Débora! Que lindeza, que riqueza, que maravilha detexto. Impressionante como tem gente (como você e a Carla daqui) consegue transformar coisas belas em mais belas ainda. Beijos
gostei, achei lindo, tem a beleza que só as saudades do passado mostra
Debora Bottcher disse…
Obrigada, gente... Toda casa tem história, né? A de vcs não é diferente, vcs só têm que contar... :) Beijos.
Ana González disse…
Lindas histórias que se esbarram, Débora, a sua e a de seus antecedentes familiares. Só que a sua é para o futuro. Muito lindo!!!bjss
silvia tibo disse…
Coisa linda, Débora... :)
Carla Dias disse…
Que texto bonito, Débora...
Acho que sim, uma casa pode ser um álbum de memórias. Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …