Pular para o conteúdo principal

O LEILÃO [Ana González]

Será uma espécie de leilão. A casa vai ser desfeita. Quem vai ficar com o quê? E as pessoas que vão comprar o que sobrar, quem são?

Despeço-me dos objetos. Não, não sou apegada tanto como pode parecer e eu nem morei lá. É que tudo tem uma história. A cristaleira cheia de copos e a sopeira na mesa da sala de jantar. Aquela estante de livros com portas de vidro do escritório.

Dói. Se eu tirar fotos dos cantos consigo segurar o que há por lá? Pensando bem, isso nem seria justo comigo. Para quê, depois de tantas crises? Mas que família é diferente disso? Vejo famílias como caldeirões do inferno. Essa imagem é forte e um tanto caricata, mas não longe da verdade. Tá bom, há também um pouco de paraíso: o cheiro do bolo da mãe, as risadas, a comida fumegante. Risadas? Quando mesmo?

A tapeçaria comprada em viagem. As peças em metal dourado com desenhos lindos e os elefantes cravejados de pedras coloridas. Um pouco de mim ficou lá longe, testemunhando na distância. Um muito de mim ficou nesses objetos em cima da mesa de canto, ao lado do sofá grande e fofo. Lugar conveniente para uma espécie sutil de fuga.

Fotos? Não sei ao certo o que precisaria registrar. Talvez fotos de mim mesma, deste pedaço de mim que encravou nessas peças e naquele tempo em que meu pai e minha mãe eram meu pai e minha mãe. Depois foi ficando tudo estranho enquanto as paredes foram amarelecendo. De que cor são as paredes agora? Parece que a casa emudeceu.

A coleção de slides dos museus do mundo. A enciclopédia em inglês. Os cinzeiros de cristal e o par de ânforas azuis. As largas cortinas da sala pesando no chão.
A máquina fotográfica poderá me ajudar? Qual será o truque para guardar numa imagem a intensidade do momento, aquele décimo de segundo que diz tudo? Não, não há salvação. Tudo será perdido com o tempo. Sobrará a memória confundida com pedaços de minha imaginação.

Talvez eu saiba o que dói. Em poucos dias, duas ou três semanas, tudo irá embora. As experiências, todas as dores e alegrias. É como ter de largar um pedaço do meu tempo de vida, da minha história, que está mudando.

O que virá depois? O que será que vai acontecer quando sobrar o vazio do que foi habitado? O que pode conter o vazio de um apartamento? De um tudo continuará pairando no ar em nível imponderável. Quando os objetos e móveis forem embora, haverá ainda muito.

Quando o vazio chegar, ficará à mostra a solidão daquelas paredes, que hoje estão cheias de vida, de quadros, de cadeiras encostadas. Ficarão as sombras das pessoas, de risos e de gritos sussurrados de angústia.

Amanhã será a ausência plena, um vazio perturbador. Poderá ser diferente disso? Talvez se eu olhar para a janela enorme da sala, eu possa ver o verde das árvores do jardim. Será um espaço aberto com céu à mostra. Poderei olhar para fora, à frente, tentando vislumbrar o futuro, depois do ontem, depois do hoje. Essa imagem traz um alívio. Mas ainda surgem sensações vagas, medo, ansiedade. Depois de um vazio, o outro vazio quem sabe o que será?

Comentários

albir disse…
Ana
Tive vontade de dizer que era antecipação da nostalgia ou da saudade. Mas não é tão simples. Tanto que você precisou de toda uma crônica para traduzir bem o sentimento.
Ana González disse…
Quiçá ainda esta crônica não tenha expressado tudo que vc pode ter sentido e eu também, Albir. A parceria de sua leitura talvez alivie os sentimentos. Isso sim é bom.
ana claudia disse…
Oi Ana,
Que texto tocante e melancólico, mas não haveria como ser diferente...Eu entendo muito bem esse seu sentimento.
É preciso viver com dignidade a tristeza, as saudades e despedidas e por aí afora.
Eu senti essa dignidade na sua crônica.

um abraço e espero que estejas bem.

Ana Claudia
Ana González disse…
Diginidade? Bonito isso, Ana Cláudia, bem a sua cara. Obrigada! bjss

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …