Pular para o conteúdo principal

CONFUSÕES DA MENTE >> Clara Braga

Nossa mente é uma máquina curiosa. Acho engraçado reparar o quão bem ela consegue nos pregar belas peças, sem que a gente nem desconfie do que está acontecendo.

Enquanto jogava ideias aleatória no papel e brincava de escrever, me deparei com uma notícia que me chocou muito, Michael Clarke Duncan, que estava hospitalizado desde julho, faleceu! Confesso que se a reportagem não tivesse vindo com imagem, e sim apenas o nome do ator, eu não iria saber de quem se tratava, sou péssima com nomes, mas quem não se emocionou ao assistir esse maravilhoso ator em A espera de um milagre??

Poderia facilmente citar esse ator como um dos melhores de Hollywood. Então comecei a tentar lembrar quais outros filmes maravilhosos eu tinha visto com ele, lembrava de ter visto muito o rosto dele em vários filmes, como aquele... aquele... é... hum...

Bom, no momento não lembrava de nenhum, mas fui conferir a filmografia dele e... que surpresa! Eu não vi foi nada! Além de A espera de um milagre eu vi apenas outros dois filmes com o ator, sendo que em um deles eu nem lembro dele ter participado! Ah, e teve também a participação dele em Two And a half men, mas fora isso...

Como pode? Eu tinha tanta certeza de ter visto vários e vários filmes com ele, na minha cabeça ele fez papeis que talvez nunca tenha sido nem cogitado para fazer! É muito impressionante isso!

Pior do que isso é só o fato dele ter feito o papel de um homem tão bondoso, apesar de ter cometido um crime, que eu relacionei essa personalidade a personalidade do ator na vida real! Fiquei triste não só por ele ter falecido muito novo e ter sido um ótimo ator, mas também porque tem tanta gente ruim no mundo, porque justo os bons morrem cedo?

Não tenho como comprovar que ele era uma pessoa boa, muito menos como explicar o porquê de eu ter ficado triste com o fato. Mas sei que Deus está começando a apelar, só quer levar para perto dele quem vai ser uma boa companhia, a gente que se vire com o resto... ai ai viu Deus, com certeza filmes bons e ótima música não estão faltando para você!

Comentários

O artista fica marcado pela sua obra mais "popular" (neste caso, felizmente, "a melhor obra" também). Ninguém se lembrará dele como o astronauta grandalhão de Armagedom. Todos o terão como o Coffe do À espera de um milagre. Sabe, Clara, antes de Clint Eastwood ter se tornado diretor, eu só me lembrava dele como o Dirty Harry por causa da massificação da série de filmes policiais dos anos de 1970 e 1980; e olha que o Clint atuou em grandes filmes como aqueles westerns da década anterior (Por um punhado de dólares, 1964, Por uns dólares a mais, 1965, e Três homens em conflito, 1966, tendo Sergio Leone na direção). Se tivesse morrido antes de ter se tornado diretor, sobretudo antes de Sobre meninos e lobos, 2001, lá estaria, para sempre, o valentão, a Magnun 44 em punho, vingança e ódio nas ruas de NY. Entretanto, desde a semana passada, Clara, não me abandona a imagem dele, ao lado daquela cadeira vazia, durante a famigerada convenção republicana em Tampa Bay, Florida. Estranha essa história de como dançam as imagens dessas personalidades na nossa cabeça. Ótima crônica Clara!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …