Pular para o conteúdo principal

O PORTEIRO >> Zoraya Cesar


O prédio era antigo, estilo art déco, grandioso, decadente, e Valdo se apaixonou por ele no instante quem subiu o primeiro degrau. Sentiu como se nunca mais fosse sair dali. Quem o recebeu foi o zelador, a quem iria substituir.
— E aí, tudo bem? Preparado pra pegar no batente? — perguntou o chefe dos porteiros, olhando-o de alto a baixo. Valdo era pintosão, cara de paraíba macho, daqueles que falam pouco, forte e caladão. Era o tipo certo, pensou. — Entende de encanamento, serviço de pedreiro, essas coisas? Esse prédio é velho, vive dando encrenca.
— Sei sim senhor, respondeu Valdo, sem mentir, olhando embasbacado a beleza em volta.
Poucos dias depois, antes de se despedir, o zelador segurou no braço de Valdo, olhou bem pra ele e sussurrou: o segredo para ficar no emprego é a síndica, rapaz, ela tem de gostar de você, entendeu? Ela tem de gostar de você!
Valdo estranhou, é claro que a síndica tinha de gostar dele, era a patroa! E foi tratar da vida. Já conhecia todos os moradores, menos ela. E numa tarde de sábado, morna e mofenta, a luz vermelha do interfone começa a piscar. Era a síndica. Valdo fica nervoso. Será que tinha feito algo errado?
Uma voz roufenha, saída de uma garganta acostumada ao cigarro, dá-lhe boa tarde e pede para ele subir um instantinho, por favor. Valdo abandona a portaria e corre para atender ao chamado, o primeiro de sua verdadeira patroa.
Ele encontra a porta semiaberta e para, confuso.
— Entra, diz a voz, que fez o coração de Valdo bater tão forte que ele teve medo de vê-lo saltando pela boca.  A sala, ampla, quente, pesada, cheia de brocados e veludos encheu-lhe os olhos e o coração. Sentiu-se bem ali, como se estivesse em seu próprio corpo. Mas nada era tão lindo quanto a mulher recostada em um dos sofás.
Ela tinha os peitos fartos, impacientes por saltar do decote ousado, um corpo rechonchudo apertado num vestido de oncinha, as pernas roliças de joelhos redondos cruzadas numa pose que Valdo achou a coisa mais sexy do mundo. Assim como as unhas compridas e vermelhas, o grande anel de pedra, os cabelos pretos de tinta soltos pelos ombros, a pintura carregada dos olhos e da boca. Uma perua sessentona, ainda bonita, exuberante, excessiva, que encheu Valdo com sua presença. Ele teve ímpetos de se ajoelhar ali mesmo, beijar aqueles joelhos, apertar aquele corpo cheio de carne e vida. Essa é uma mulher de verdade, gritou sua alma.
— Por favor, veja se o encanamento do banheiro está em ordem, sinto cheiro de gás.
Valdo foi, trêmulo. Examinou todo o encanamento, estava tudo em ordem, disse. Ela sorriu e dispensou-o.
O dia seguinte, ele passou consumindo-se de desejo, de ansiedade, rezando para que a Síndica, a Patroa, o chamasse para qualquer serviço, qualquer um, que lhe permitisse olhar para ela, vê-la por uns instantes, nem que fosse faxinar a casa, limpar os vasos, beijar-lhe os pés.
Nessa noite, a luz vermelha do interfone pisca novamente. Ele nem atende, sobe correndo os dez andares e entra esbaforido no apartamento. O que será que ela queria? Ele faria qualquer coisa.
A porta estava escandalosamente aberta. Ele foi entrando, procurando-a, ansioso. Valdo achava o apartamento lindo. Não mais lindo, no entanto, que a dona de tudo aquilo, que estava no quarto, encostada no espaldar de uma cama enorme, vestida com um roupão frouxo, que deixava à mostra pedaços de carne branca de aparência macia.
— O encanamento, roufenhou a voz, estou sentindo cheiro de gás.
Valdo foi ao banheiro, verificou o gás e os encanamentos, tudo em ordem. Voltando ao quarto, deu conta do serviço, e, sem pensar em nada, avançou naquela carne, naquela boca vermelha, naquela brancura toda.
Ela não disse nada, pegou o cigarro, o fósforo, e sorriu.
Noite após noite, durante alguns meses, aquela cena se repetiu, até que, de repente, a luz do interfone deixou de piscar. Ele ficou alarmado, teria acontecido alguma coisa? Ligou. A voz o atendeu e, rispidamente, disse que só a procurasse quando chamado.
Ele não se sentiu humilhado, mas desesperado. É claro que ela era a Patroa, quem mandava era ela, e ele obedeceria a tudo o que ela dissesse, faria tudo o que ela quisesse, o problema era como viver sem ela, sem sua boca faminta, suas curvas, seus peitos grandes e generosos?
Desde então ele não dormiu mais. Virou um sonâmbulo em constante estado de alerta, não sentia sono, cansaço, nada, na verdade, parecia estar ligado numa tomada cuja corrente elétrica jamais oscilava.
Somente após três semanas ela o chamou de novo. Dessa vez, ele subiu calmamente. Encontrou a porta, como sempre, aberta. Encaminhou-se para o quarto, e lá, mais uma vez, a voz de cigarro que dobrava Valdo de joelhos disse que o encanamento devia estar com problemas, pois sentia cheiro de gás.
Repetindo a cena tantas vezes ensaiada, ele vistoriou encanamentos e aquecedores, dessa vez abrindo-os todos.  O barulho do gás escapando parecia o de uma locomotiva a vapor que ainda estava distante da estação. Não daria para ouvir do quarto. Ele voltou, e, mais uma vez, deu conta do serviço.
Ao final, ela pegou o maço de cigarros e o fósforo. Valdo sorriu.


Comentários

albir disse…
Pois é, Zoraya, todo cuidado é pouco quando se dispensa um apaixonado. Principalmente quando ele, apaixonado, sorri.
Ana González disse…
Albir e Zoraya, eu fiquei com a sensação de que havia coisas que não foram escritas e que aconteceram... Bem, alguns textos abrem janelas para o leitor conpletar de acordo com o que ele deseja. Acho que este é um deles.rs.. Muito bom! bjss
Anônimo disse…
Cara, muito bom. Final totalmente inesperado, quase uma história de terror.
Mauro disse…
Zoraya, GENIAL! Adorei o final... digno de qualquer boa história de Stephen King ou Poe!
Fabí R, Boratto disse…
Gostei muito da sua história, principalmente do final !
Anônimo disse…
Oi Zo, boa crônica como sempre, o lirismo do cotidiano!!Beijos
Aglae
Surpreendente... Muito bom ser surpreendido, como o Valdo e a síndica. Parabéns!
aretuza disse…
Nossa! Me pegou de susto! Muito bom!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …